Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

V/F, PREENCHA O QUADRADINHO DA SUA OPÇÃO

 

A nudez da verdade

 

A frase do sociólogo e filósofo francês Raymond Aron (1905/1983), encimando a última página do Público de 30/5/2014 - Porque se representa a verdade nua? Para que cada um a vista como lhe pareça- serve bem de epígrafe ao revestimento da mesma página – os artigos de Mário Soares e de Vasco Pulido Valente, respectivamente, «Resposta ao povo» e «As desventuras do PS»: de orientação laudatória o primeiro, em torno do povo e dos servidores deste e do seu partido – no caso presente, António Costa – e incriminatório da liderança actual do PS – Seguro; o segundo, de orientação simultaneamente historiográfica e crítica, não poupando Gregos nem Troianos, com a habitual justeza e clarividência analítica do seu autor.

Eis o primeiro:

«Resposta ao povo»

Por Mário Soares

 

O principal das eleições do dia 25 de Maio foi a réplica que partiu do povo português: a manifesta rejeição que demonstrou contra os partidos da coligação mas também uma preocupante indiferença face ao partido liderado por António José Seguro.

 

Faltou, neste caso, uma corrente de confiança dos eleitores em relação a uma liderança que, ao longo dos tempos, mal se tem identificado com a própria identidade do PS. O excesso de fulanização do candidato a primeiro-ministro não convenceu o eleitorado. O secretário-geral do PS (referência que quase sempre procura evitar) deve, pois, saber retirar as consequências da falta de adesão dos eleitores a um estilo nada identificado com o povo. Daí a convicção tão generalizada que com o partido de Seguro — que a direita e o Presidente da República e mesmo a troika não desistem de procurar captar — o povo não pode contar.

 

Por isso disse que a “grande vitória” anunciada por Seguro foi uma vitória de Pirro. Que não pode deixar de desagradar aos socialistas a sério que tenham uma ambição para lá de ganhar eleições — a ambição de dar a Portugal uma alternativa de esquerda, coerente e credível. Que tristeza, se assim não for, para um partido com as responsabilidades do PS. Impõe-se, mais do que nunca, uma política corajosa que faça a ruptura com a direita e com as políticas da direita.

 

Ainda bem que António Costa resolveu disponibilizar-se e que avançou para se bater pelo PS. Para que o PS seja um partido de esquerda e se bata em favor do povo contra a direita que o tem oprimido. Foi um acto de grande coragem que faz esquecer as hesitações do passado.

 

Felicito-o e apoio-o. Acho que nos vai fazer permitir que o nosso querido PS, do punho erguido à esquerda e dos socialistas que não têm medo de ser tratados por camaradas, se mobilize para construir um futuro diferente.

 

António Costa é uma nova esperança para todo o povo que tem sofrido tanto com este Governo. E basta isso para que todos nos disponhamos a lutar ao lado dele. É o que farei.

 

O meu, é apenas um voto entre todos os socialistas. Os quais devem, sem hesitações, ser chamados, no mais curto prazo, a pronunciar-se de forma aberta e democrática, em congresso, nas escolhas que o partido precisa de fazer. A natureza livre do PS sempre o levou a nunca resolver os problemas políticos na secretaria. Quem queira honrar a tradição republicana do PS não pode proceder de outro modo. Assim o desejo e assim o espero.

 

Eis o segundo:

 

«As desventuras do PS»

 

Por Vasco Pulido Valente

 

O primeiro erro de Seguro foi não ter denunciado e recusado a herança de Sócrates. Evadindo as responsabilidades do PS na catástrofe e não explicando aos portugueses a posição em que por sua culpa estavam, o partido ficou naturalmente reduzido a desaprovar a política do Governo, como se ela fosse um puro erro ou uma simples manifestação de perversidade ideológica (o célebre “neoliberalismo”).

 

Argumentos que não lhe permitiam ter uma atitude crítica equilibrada. Em S. Bento, anunciava sempre crimes sem desculpa e ameaçava sempre com a iminente indignação do povo. Pior ainda: ao lado dele, ao mesmo tempo fora e dentro, o dr. Mário Soares organizou uma campanha de radicalismo e ódio, que impedia qualquer tentativa do PS para encontrar entendimentos parciais com o Governo ou moderar as loucuras que ele desde o princípio cometeu.

 

Por outras palavras, Seguro acabou por ser empurrado para um beco sem saída, que não o deixava fazer nada. Excepto, claro, dizer “não” ao Governo, com uma persistência e uma obstinação que muitas vezes excederam o razoável. Mas, como não podia dizer “não” à sra. Merkel, lá se resignou a seguir Passos Coelho, disfarçando a sua essencial duplicidade com uma retórica sem sentido e as promessas falsas do costume. O “tratado orçamental” pôs fim a essa farsa. Com troika ou sem troika, o “tratado orçamental”, que o PS obedientemente assinou, estabelece regras, que, sem dúvida, irão manter por muito tempo a pior austeridade, com que este Governo nos carregou e espremeu. No fim, amarrado e mudo, Seguro passeou o seu sorriso de seminarista por Portugal inteiro, garantindo vitórias em que pouca gente acreditava ou acreditava por piedade.

 

Claro que a substituição de Seguro por António Costa não vai operar o milagre de tornar o PS num partido inteligente e firme com uma visão realista das coisas. A gente é, em grosso, a mesma, educada da mesma maneira, com os mesmos vícios da política de café. Basta ouvir as polémicas das duas facções, invariavelmente dominadas pelo objectivo pueril de distribuir as culpas da “cisão” ou de exibir uma camaradagem pública entre indivíduos que se odeiam. A súbita aparição de Costa não irá varrer com facilidade este antro de estupidez, de ambição e de intriga. Mas Costa, pelo menos, está até certo ponto livre de compromissos com Sócrates, com Seguro e com as raras “notabilidades” do partido e percebe muito bem o mundo à volta dele.

 

O artigo de Mário Soares quer pelo título, denunciante de majestática pretensão a repor importâncias teocráticas onde não passa de comparsa figurante na igualdade democrática do seu pioneirismo fundador, quer por um conteúdo de cinismo e contradição, abalroando um colega de carisma pouco diferente do seu, afinal, que sempre se pautou pelo monocórdico de enunciados básicos, segundo as suas conveniências, e mais uma vez, para atingir os seus fins, no ódio contra a direita, se não coíbe de pretender uma coligação radical com a esquerda, atraiçoando o “colega” e atraiçoando o país, em imagem de degradante debilidade mental, que deve repugnar a António Costa na falsa adulação de que certamente tem consciência, a não deixar-se arrastar pela ambição do cargo – o artigo de Mário Soares merece a classificação de lixo como a que nos dão as empresas de avaliação do ranking económico.

 

O artigo de Vasco Pulido Valente constitui a análise certeira, com realismo e sem ilusão, do “quod erat demonstrandum” de racionalidade brilhante.

 

Mas a verdade representa-se nua, diz o filósofo francês, quando, evoluídos que somos, nos seja indiferente essa ou outra qualquer. Vistamo-la, pois, com as vestes que melhor quadrem a cada um de nós.

 

Verdadeiro? Falso? Que importa?

 

- Come chocolates, pequena!

 

 Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D