Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

«VELHA TENDINHA»

 

Também reparei, creio que toda a gente reparou. A nossa formação cívica é de tal modo incipiente, que, ridiculamente tomamos iniciativas pessoais, num caso de tal dimensão, mas com a televisão atrás, para todos ficarmos sabendo que somos bons, somos ricos, e que a nossa vontade é soberana. Temos casa, carro, comida e roupa lavada para dispensar, aí vamos nós agarrar nuns poucos e ficar na história, serviçais, generosos e colaboradores, sem que ninguém nos tivesse pedido, mas avisando à socapa os media, do nosso gesto altruístico.

Do gesto exibicionista fica uma sensação de vergonha, o que é comum nos exibicionismos. Não, não se trata de um Aristides de Sousa Mendes, que tinha um cargo de poder, para ajudar, mas que até acabou injustamente castigado. Também não se trata do santo que dividiu a capa ao meio para abrigar o pobre. Esse foi premiado com o sol de verão em pleno Outono. Estes da caravana antecipam para si o prémio da fama. Também La Fontaine tratou do tema, em fábula bem conhecida – «O Coche e a Mosca», prova de que é antigo o vício, e universal. Ainda bem que não é exclusivo nosso.

António da Cunha Duarte Justo conta do caso português, com a necessária precisão e justeza:

 BB-refugiados sírios.jpg

CARAVANA PRIVADA EM BUSCA DE REFUGIADOS

UMA INICIATIVA À REBELDIA?

http://abemdanacao.blogs.sapo.pt/caravana-privada-em-busca-de-refugiados-1501848

 

A fábula de La Fontaine, como reforço moral:

 

BB- De la Fontaine.png

 

O coche e a mosca

 

Por um caminho de íngreme subida,

Arenoso, irregular

E de todos os lados exposto ao sol,

Seis fortes cavalos puxavam um coche.

Mulheres, Frade, Velhos, tudo tinha descido.

Os cavalos suavam, bufavam, esgotados.

Vem uma Mosca e deles se aproxima.

Pretende animá-los com o seu zumbido,

Pica um pica, pica outro e pensa a todo o momento

Que é ela que põe a máquina em movimento.

Poisa no timão, no nariz do Cocheiro;

Assim que a carruagem começa a subir

E vê as gentes avançar

A si só atribui do facto a glória;

Vai, vem, faz-se apressada; parece ser

Um Oficial encarregado do plano da batalha

A todo o lado a ir,

Para as tropas fazer avançar e apressar a vitória.

A Mosca, nesta comum necessidade,

De tanta dificuldade,

Queixa-se de agir só, todo o encargo com ela;

Que ninguém ajuda os Cavalos a não ser ela.

O Monge lia o seu Breviário;

Boa maneira de passar o tempo!

Uma mulher cantava;

Era mesmo de canções que se precisava!

A Senhora Mosca vai cantar aos seus ouvidos

E faz cem tolices semelhantes.

Depois de muitos trabalhos o Coche consegue arribar.

Respiremos agora, diz a Mosca imediatamente:

Trabalhei tanto que os passageiros estão no seu destino, finalmente.

Pagai-me, Senhores Cavalos pelo meu trabalho.

Assim certas pessoas, fazendo-se muito servis,

Se introduzem nos assuntos gerais ou privados:

Em toda a parte se julgam imprescindíveis

E, sempre importunos, deveriam ser recambiados.

 

Berta Brás 2.jpg Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D