Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

UMA HISTÓRIA DE “SEM SENSO”

 

 

Como Vasco Pulido Valente põe a questão no seu artigo do Público de 6/7/14, historiando os factos da nossa sobrevivência a partir da independência do Brasil, creio que o que nos define como povo – pesem embora os status de outras nações eleitas para a luta armada da sua definição inquieta ou de extremismos de diferenciação entre os seus próprios povos – o que nos define o status é esse de uma infância permanente, que nos põe dependentes quer de outros povos quer de outros mitos, chamem-se eles Ourique, Sebastião, Santo António ou mesmo Fátima, sem querer com isso menosprezar as crenças dos crentes, tão respeitáveis como as descrenças dos não crentes, num universo de obscuras incertezas e incompreensões que nos manipula, como joguetes de definitiva ignorância em relação àquilo que somos.

 

Eu não gostaria de viver em países onde a guerra ou as discrepâncias sociais são o pão nosso de cada dia. Mas por aqui a nossa guerra de desordens e desrespeitos e apelos, de gritos e esclarecimentos não aceites mutuamente, de “actos ilocutórios e perlocutórios” de ridícula roupagem teórica, isentos da prática cultural ou física que distingue outros povos mais trabalhadores e disciplinados, essa nossa guerra também nos deixa timoratos, numa perspectiva de derrota final, após essa constatação de infância dependente, que Vasco Pulido Valente magistralmente esclarece, historiando as etapas cronológicas de apelo ao consenso, que é o móbil do discurso actual de Cavaco Silva:«Desde o princípio do século XIX que a força divide os portugueses e que a fraqueza, com alguma dificuldade, os junta.» …. «A guerra civil como meio de resolver hoje os problemas domésticos não parece prática. Resta a união da fraqueza. Cavaco não se engana, apesar de que será ele o principal excluído.»:

 

 

«Aventuras do “consenso”»  Vasco Pulido Valente

 

No Conselho de Estado, o dr. Cavaco voltou a pedir “diálogo”, “entendimento” e “consenso”. O que de certeza não espantou ninguém. Desde o princípio do século XIX que a força divide os portugueses e que a fraqueza, com alguma dificuldade, os junta. Porquê? Porque não há nenhuma força independente autónoma na sociedade capaz de aguentar sozinha uma crise ou uma catástrofe nacional. O movimento independentista do Brasil reforçou, primeiro, a Monarquia e, a seguir, a revolução de 1820, em que entrou a facção “realista” e a facção “liberal”. Tudo isto para a Pátria se regenerar e sobreviver. Não se regenerou e sobreviveu, como de costume, na miséria e na discórdia interna. Mas ficou a esperança do dia miraculoso em que se fizesse a tão esperada “união nacional”.

 

Depois da grande guerra “civil” (1832-1834), D. Pedro e, quando ele morreu, D. Maria tentaram desesperadamente fabricar um Governo em que entrassem os principais representantes do “radicalismo” e da “moderação”. Não conseguiu; e dali em diante, com peripécias de vário género e espécie, começou uma guerra civil larvar, que duraria até 1851. Exausto e sob a tutela das Potências, Portugal aceitou então um condomínio pacífico entre as partes em conflito (a segunda “Regeneração”), dominado por Rodrigo da Fonseca e, mais tarde, Loulé e Fontes Pereira de Melo. Mas, quando as coisas não corriam bem, como não correram por causa da guerra do Paraguai (1864-1870), que desvalorizou e diminuiu as remessas do Brasil, os dois bandos que se alternavam no Governo não hesitaram em se misturar numa extraordinária aliança a que chamaram a “Fusão”.

 

Com a bancarrota de 1892, o rei continuou a cumprir os preceitos formais, que regiam a convivência partidária, distribuindo por cada partido a sua ração, enquanto o regime tranquilamente se afundava. Para não se afundar com ele, D. Carlos criou um partido novo, contra o qual a “rua” e os políticos se coligaram. D. Carlos e o filho, como se sabe, acabaram a tiro e D. Amélia abriu um período que ela esperava de “Acalmação”; um país fraco não aguentava um Governo forte. Mas, para mal dele, foi obrigado a aguentar: a ditadura do partido jacobino, dito “Democrático” e, no fim, durante 50 anos, Salazar. A guerra civil como meio de resolver hoje os problemas domésticos não parece prática. Resta a união da fraqueza. Cavaco não se engana, apesar de que será ele o principal excluído.

 

 Berta  Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D