Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

UM POR TODOS

 

parlamento-Portugal.jpg

 

Ele devia sentir-se muito infeliz. Para todos os efeitos, embora as sondagens já o indicassem, a esperança é sempre a última a morrer, e até ao fim ela se manteve. Mas às 20 horas soube-se que as sondagens estavam certas, que a Coligação ganhara, que o PS perdera, que o BE ultrapassara o PCP, como deixavam prever, e as reacções não se fizeram esperar. Um BE triunfante e pouco depois, com a força do seu pequeno-grande triunfo, expondo a sua indisponibilidade para um acerto viabilizando a governação da direita, cuja maioria relativa era tragicamente ineficaz para se governar em condições. O PCP, certamente que vivendo a sua dose de humilhação, vendo o seu horizonte de terceira força ofuscado pela graciosidade feminina que lhe roubara o lugar, tentou disfarçar e logo lhe seguiu no rastro, apontando idênticos motivos de recusa, há muito repisados – o seu anti-desemprego, o seu anti-Europa e anti-euro, a sua defesa dos trabalhadores, a sua pertinaz recusa do capitalismo, com, a par disso, as habituais ameaças de deitar abaixo sem peias, todas as tentativas de governação serena e construtiva.

 

E logo a sugestão foi feita de liquidar o partido ganhador, a favor de um governo de esquerda mais amplo de sentido e eficácia. Os analistas da Coligação ainda se rebelaram com a perfídia, um honesto Pires de Lima acusando tal hipótese de fraudulenta, contra os sorrisos beatíficos dos comparsas de mesa de opinião diversa, aliás já por Pacheco Pereira, Mefistófeles burlão, sugerida, à cautela, antes – não fossem as sondagens dar certas - através de um rectângulo brincalhonamente – se não malignamente – repartido em dois de diferente dimensão, o menor reservado, naturalmente para a direita, o que significava que a esquerda é que deveria governar, por muito que expressassem divergências de fundo, PS e esses outros.

 

Mas era a vez de António Costa decidir. E ele falou, em discurso aparentemente bem disposto, retardando decisões, embrulhando as pistas, prolongando a agonia de uns e de outros, ele que dissera não fazer ajustamentos com a direita, que pedira o apoio da esquerda para a maioria absoluta, mas que, na realidade, não o obtivera. Começou por afirmar que não se demitia, o que fez engolir em seco muitos que contavam com isso – (por não ter ultrapassado com vantagem Seguro, que ele destronara antes, a pretexto de uma vitória do PS, possível com ele).

 

Não foi possível essa vitória. Mas António Costa, embora um tanto confusamente, conseguiu demonstrar finalmente a sua tese: ele não alinharia com uma esquerda de convicções políticas contrárias, e com o governo de direita saberia impor as suas condições para viabilizar entendimentos.

 

É justo. Uma coligação a três – já que os outros se estão borrifando para o país – é infinitamente melhor do que a dois, o país precisa de todos, e o povo, que soube decidir, premiando quem soube trabalhar melhor, merece esse apoio.

 

Um povo que outrora chegou longe, o mesmo que agora foi capaz de distinguir onde reside mais seriedade e poder de reconstrução. Um povo habituado ao sacrifício, mas sabendo escolher o seu mestre de Avis contra os menos patriotas, fautores da desordem.

 

António Costa merece os abraços – e não só os dos seus correligionários.

 

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D