Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

UM ELEVADOR TRANSFORMADO EM FERRADURAS

 

Da Revista OLISIPO de Outubro – 1943

 

O Diário Ilustrado, jornal da velha Lisboa, datado de 10 de Abril de 1896, entre muitas notícias, como uma “de um tal sr. Décio que dizia: “só os cretinos podem afrontar o génio poético do sr. Guerra Junqueiro”, também relata largamente o lançamento da ponte do ascensor da Biblioteca, que teve lugar dois dias antes, obra da extinta Empresa Industrial Portuguesa dirigida então pelos Eng. Baerleim, Lacombe e Rolim Júnior, na qual trabalhou Raul Mesnier de Ponsard e Stuart Mac-Nair, que é hoje missionário evangélico no Brasil e onde também exerceram enorme acti­vidade três homens ainda de grande nomeada no círculo metalúrgico nacional: Lambert Dargent e os já falecidos Manuel Cardoso e Silvério Vieira que mais tarde uniram os esforços na firma Cardoso, Dargent & Ciª., de que são actualmente sucessores José Marques Cardoso, Tomás de Azevedo e Silva, Eng. Martinho, João Matos e Manuel Hipólito, sob a firma L. Dargent, Ldª.

 

A ponte do elevador, que há poucos anos ainda cruzava a Calçada de S. Francisco, tinha dezasseis metros e foi corrida, desde o jardim do Visconde de Coruche até à coluna do ascensor. «O hábil assentador, sr. António Silvério Vieira, – dizia o Diário Illustrado – com os seus operários a postos, podendo transmitir do cimo da torre, por meio de porta-voz, para os guinchos, as suas ordens, colocou à boca do porta-voz, ao cimo das torres, para maior confiança, o mestre Joaquim Silvério Ferreira, seu irmão, duplamente irmão pelo sangue e pelo merecimento”. Estava-se então em 8 de Abril de 1896.

 

O objectivo do Dr. Aires de Campos, animador da iniciativa e seu financiador, não teve o êxito de ordem material que se esperava. O elevador sempre deu pouco. Em 1915 foi doado à Câmara, que poucos anos decorridos, acabou com a exploração. Os portões do Largo de S. Julião e do da Biblioteca (ambos com o N.º 13) foram encerrados.

 

FGA-elevador.jpg

Calçada de São Francisco ainda sem os famosos eléctricos “28”

 

O óxido de ferro começou então, qual sarampelo, a atacar a coluna e a ponte do elevador e, já quando o mal alastrava em demasia, a Câmara resolveu desmon­tá-las. Da primeira destas tentativas já fizemos referência no Diário de Notícias, de 14 de Outubro de 1937, ao relatar o convite feito pelo construtor José Maria Simões Júnior ao técnico montador António Silvério Vieira para dirigir a desmon­tagem. Era tarde demais. A avançada velhice já lhe tinha feito estragos tão grandes que a empresa era-lhe impossível. A Câmara Municipal pôs então o ascensor em praça em Dezembro de 1926, e a União de Sucatas, Ldª, ou mais popularmente, o Nobre das Sucatas, rematara-o por cinco mil escudos, desmontagem de sua conta e com isenção de licenças camarárias. Na Imprensa, porém, houve quem se insurgisse contra o desaparecimento do elevador, pelo que a arrematação foi invalidada. Passados tempos, contudo, a Câmara tornou a pô-lo em hasta pública e, como ninguém aparecesse para licitar, o ascensor foi a leilão pela terceira vez, tendo sido novamente arrematado pela União de Sucatas, Ldª, mas, então, só por 1.209$00, ficando, todavia, pertença da C.M. L. a cadeira e o maquinismo.

 

Ainda não há muito vimos num dos armazéns do Nobre a lápida de bronze, com o brasão da cidade, que esteve afixada à entrada do elevador, desde que o antigo proprietário o doara à Câmara:

 

FGA-Conde do Ameal.jpg

 

Um belo dia, porém, entrou na União das Sucatas um ferrador de Bucelas – o Artur Felisberto – que viu no ferro todos os requisitos para o poder transformar em ferraduras. Associou à compra um ferreiro da localidade, Manuel Maurício, hoje já falecido, e o velho ascensor da Biblioteca desceu então – desceu pela última vez – desceu ingloriamente à categoria de ferraduras das alimárias que calcorreiam os povoados dos vales pingues dos rios Trancão e Arranhó *.

 

* O rio Trancão nasce em Póvoa da Galega e entra no Tejo perto de Sacavém, e o Arranhó... devia ter existido entre Arruda dos Vinhos, Bucelas e Arranhó!

 

Vale a pena, a quem se interessar, ver o blog

http://historiaschistoria.blogspot.com.br

de onde se tiraram estas informações complementares

 

 

 

Francisco Gomes de Amorim, Junho 2013, Lisboa.jpg Francisco Gomes de Amorim

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D