Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

TRETAS #11

APM-Lista Negra.jpg

  

4, AND COUNTING….


 Hoje, já ninguém pode ter dúvidas quanto ao seguinte:

(i) gerir Bancos sem deitar tudo a perder, parece não ser connosco;

(ii) supervisar com um mínimo de proficiência Bancos (e outras Instituições Financeiras), também não é para nós;

(iii) resolver capazmente os problemas que um Banco em crise sempre coloca é coisa para a qual não estamos obviamente fadados;

(iv) e a vender património, mesmo que a preços de saldo, também não somos melhores.

Que tal contratar na estranja quem tenha provas dadas? Especialistas não faltam - e não creio que, no final, a conta ultrapasse escandalosamente aquilo que, por junto, têm custado os Conselhos de Administração cá da rapaziada.


 Agora, é o BANIF.


 A confirmar-se o que acaba de ser anunciado, a factura incluirá, em primeira estimativa, uma entrada de dinheiros públicos ligeiramente superior a € 1 mM, mais uma garantia de € 750 M a prestar pelo Estado para cobrir qualquer perda que o património vendido venha a registar.


 Sim, porque só a parte “boa” (leia-se, menos má) do Balanço actual do BANIF é vendida - e, pelo módico preço de € 150 M (espera-se que seja pago a pronto). O restante ficará arrumado numa sociedade-veículo ainda a constituir - para que “longe da vista, longe da aflição”.


 Isto, lido às avessas, revela:

(i) que o valor considerado realizável dos activos vendidos é inferior aos Depósitos (igualmente alienados) em cerca de 870 M;

(ii) que esse valor realizável é bem capaz de ser optimista (daí a garantia do Estado);

(iii) que do património destinado à sociedade-veículo pouco ou nada se espera apurar em fecho de contas, apesar de os accionistas e alguns outros credores perderem tudo.


 Uma vez que o grosso do dinheiro com que o Estado entrou (em 2013) ainda por lá anda (entre capital e empréstimos, € 825 M), forçoso é concluir que, à data da recapitalização, o BANIF teria, não uma insuficiência de Capitais Próprios, não uma insuficiência de liquidez, mas, mais singelamente, uma situação líquida negativa não inferior a € 2.5 mM. Pondo em perspectiva: cerca de 39% do Total dos Depósitos à época (€ 6.3 mM) - ou apenas um pouco menos dos fundos captados junto do BCE (€ 2.9 mM).


 Duas perguntas se impõem, desde já: Como foi possível, em 2013, acreditar que um Banco com este (mau) aspecto poderia, alguma vez, ser recuperado? Como foi possível que as coisas chegassem a esse ponto?


 É claro que a situação do BANIF, no final de 2012, poderia não ser tão grave assim, e que o descalabro só teria ocorrido de então para cá. Mas, que diabo! tratava-se de um Banco que se sabia em crise, cujo processo de recuperação tinha sido totalmente financiado por dinheiros públicos - e, para mais, em que o Estado era o accionista maioritário (com 61% do capital). Não deveria ter havido uma vigilância um pouco mais atenta?


 Ou haverá aqui algo mais?


 Olhemos para o BES. Mais exactamente para o Novo Banco (NB). Desde logo, um ponto em comum: tal como no BES, o que determinou a impossibilidade absoluta de o BANIF continuar a operar foi o facto de o BCE ter-lhe vedado o acesso às facilidades de liquidez e exigido o imediato reembolso dos fundos que emprestara.


 Em ambos os casos, conhece-se a decisão do BCE, conhecem-se de sobra as consequências dessa decisão, mas as razões que a fundamentam continuam fechadas a sete chaves. E sem conhecê-las nada disto faz sentido. Na CPI ao caso BES desperdiçou-se uma oportunidade única quando os deputados se esqueceram de exigir ao BdP e ao Governo que revelassem as razões que o BCE aduzira para decidir como decidiu. Passou-lhes, coitados.


 O NB, presume-se, foi constituído com o que o património do BES teria de melhor - no entender do BdP, que conduziu a operação de cisão. Todos os activos que cheirassem a GES, mais outros activos igualmente “tóxicos” foram despejados no BES “mau”. E, no entanto…


 Decorridos menos de 3 meses (logo em OUT2014) o NB chumbava no exame à qualidade dos activos que o BCE estava a levar a efeito. No fecho do exercício de 2014 era já evidente a insuficiência de Capitais Próprios, apesar dos € 4.9 mM com que o Fundo de Resolução o capitalizara. E, ao completar um ano de vida, crédito malparado e menos-valias colocavam-no à beira da crise.


 Como é possível? Será que o BdP não soube avaliar o risco latente nos diversos elementos que compunham o Balanço do BES? Será que o BdP soube avaliar esse risco, mas fez vista grossa na esperança de que o tempo tudo viesse a curar? Será que os gestores nomeados para o NB não estavam à altura da missão, prova de que o BdP também não sabia distinguir o trigo do joio no capítulo da competência profissional?


 Se o BdP não soube avaliar o risco - era óbvio que não estava à altura de supervisionar o sistema bancário. O mesmo se diga, se não soube seleccionar gente competente. E se jogou aos dados com o futuro, foi de uma imprudência indesculpável.


 Pode muito bem ter acontecido que o BES não dispusesse de activos de qualidade suficiente que cobrissem o Total dos Depósitos (€ 33.4 mM). E uma vez mais a pergunta fatal: como foi possível permitir que as coisas chegassem ao ponto a que chegaram?


 Mas, se chegaram, a solução não era fingir que os activos eram “bons” - e injectar os tais € 4.9 mM para equilibrar o Balanço. A solução tecnicamente escorreita era, sim, integrar no NB apenas os activos comprovadamente realizaveis e o Estado (através do Fundo de Garantia dos Depósitos) entregar em Títulos de Dívida Pública o que faltasse para cobrir a totalidade dos Depósitos (ressarcindo-se através do produto da liquidação do BES “mau”).


 Uma pergunta fica a pairar: Tem a economia portuguesa condições que suportem, sem sobressaltos de maior, a recuperação de um Banco em crise?


 Quando uma economia só tem para oferecer à intermediação bancária empresas excessivamente endividadas (graças a um regime fiscal que favorece o endividamento), um mercado de trabalho rígido que tende a perpetuar o desemprego, um sistema judicial disfuncional e um processo de insolvência aberrante - a resposta só pode ser: não, não tem!


 Quando os Bancos não revelam, nem capacidade técnica, nem vontade, para oferecerem soluções de financiamento adaptadas ao comércio transfronteiriço - a resposta só pode ser: não, não tem!


 Vitor Bento, há dias, lançou um grito de alerta: por este caminho, não irá restar nenhum Banco de raiz portuguesa! Não vejo que isso seja necessariamente mau - sempre que a supervisão for competentemente exercida (a regulação, essa, é assegurada, há muito, pelas instâncias comunitárias: EBA, ESMA, BCE).


 O drama é que a fraca sofisticação da nossa vida financeira, conjugada com as actuais exigências prudenciais, só justifica, quando muito, duas redes de Banca universal de média dimensão - e, talvez, um ou outro Banco “boutique” (especializado nesta ou naquela Linha de Negócios e de reduzida dimensão). Tudo o resto estará a mais. É uma questão de tempo.


DEZEMBRO de 2015

António Palhinha MachadoA. PALHINHA MACHADO


PS1: Consta que o Fundo de Resolução irá entrar com € 489 M para capitalizar a sociedade-veículo. Como esta sociedade tem por objectivo único liquidar o património residual do BANIF, extinguindo-se em seguida, não se percebe porque necessitará de um capital acima do mínimo simbólico. Mais uma singularidade que o BdP nem sequer se dá ao cuidado de explicar.


PS2: M - Milhões; mM - Milhares de Milhões.

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D