Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

TRATA-SE DOS PORTUGUESES

 

Portugueses.jpg

 

Os políticos vão e vem, ganham e perdem. Os países duram. E quanto a alguns bons resultados ou a felizes constatações, não se trata de gabar a coligação. Trata-se, bem mais importante, dos portugueses

 

1. Valeria a pena questionar esta coisa de António Costa valorizar sistematicamente a sua posição dizendo mal. Só mal. Todo o mal. Exclusivamente mal. Do Governo, do primeiro-ministro, da coligação. Tudo foi um erro, nada se salvou. A ocorrência de haver índices, números, resultados, estatísticas, (já lá vou) que desmentem, ou pelo menos esbatem consideravelmente, a ficção do discurso de Costa sobre o país – falo de Portugal, no verão de 2015 – não parecem interessar-lhe. É mais simples e mais rápido – duvida-se porém se mais eficaz – negar.

 

Estará o líder do PS manietado pelas expectativas hoje infinitamente menores que provoca em relação a 2014, quando aterrou sem pré-aviso no Largo do Rato, arredando de lá o seu camarada Seguro? Terá (ainda?) pouco de substancial para dizer? Já não evoco a dúvida de algo de já decidido para a governação do país, caso dela venha a ser incumbido; de alguma coisa que ultrapasse em utilidade o “baixar o IVA da restauração” (e alguma vez houve tantos e tão exitosos restaurantes entre nós, de norte sul?) ou “eliminar exames”. Ou de algo que não seja um rol de promessas cuja concretização, quase na sua totalidade, depende de um incertíssimo “aumento do consumo”, em grande parte estrangeiro. Também não evoco os incontáveis ziguezagues executados sem norte aparente sobre o documento idealizado pelos seus economistas. Umas coisas são para ver melhor; outras só verão a luz do dia, se…; outras ainda são passíveis de discussão e, quem sabe até, de serem retiradas.

 

E assim sendo e parece que é, agarra-se na bengala da linguagem radical como instrumento politico ou desagua-se no insulto. Como o “mentiroso” aplicado agora a torto e a direito ao chefe do Governo com a naturalidade de quem diz que ele é alto ou tem olhos claros. Um passo que o próprio Passos e a coligação nunca deram. Puxem lá pela cabeça: em meses e meses, quatro anos, quatro, de debates parlamentares, discursos, entrevistas, centenas de declarações à entrada e saída de sítios, que me conste não há insultos, verbos radicais ou insinuações falsas arrumadas nos arquivos. Sim, os políticos não são iguais, mas aqui trata-se de escolhas e o que sucede é que elas explicam muito bem – ou mesmo definem – os seus autores. E iluminam o seu caracter e os seus modos de proceder politicamente.

 

2. Mas qual será o resultado, interrogar-se-ão muitos, entre o pasmo e a dúvida, ao ouvir o insulto como argumento? Atingirá o insulto grosseiro os objectivos políticos em nome dos quais foi disparado? Olhar o gozo quase violento com que as oposições, fazendo hoje disso uma regra, substituem o uso racional do argumento político pela aplicação do insulto travestido de “culpa” (a culpa é sempre “deles”), resvala para o mais baixo do exemplo cívico e político. Não falo – porque não estamos diante disso – de um saudável combate democrático duro e agressivo como compete, ou sequer do uso das boas maneiras: falo de quase uma indecência.

 

Repare-se em como as oposições servem agora Cavaco Silva como uma espécie de “prato do dia”, devorado com gáudio e convenientemente “usado” como um vulgar inimigo político. Ser ele o Chefe de Estado não impressiona as hostes. A esquerda vomita outsiders (veja-se o caso de António José Seguro, que não era bem “um deles”) Cavaco não pertence àquelas fileiras. Não tem legitimidade. E a direita, por definição, não concita ou merece respeito, mesmo que meramente institucional. Patriótico, ainda menos: a esquerda dá-se mal com a palavra, não lhe encontra significado ou importância, confunde-a com nacionalismo.

 

3. Falei acima de índices e resultados relativos a Portugal, em Julho de 2015.

Muito a propósito, acabam de me informar de um estudo sobre desigualdades.

Contra o que parece ser a convicção mediática entre nós, mostram os números que constam desse estudo que a desigualdade global dos rendimentos em Portugal não se agravou nos anos da crise. Pelo contrário, a redistribuição nos rendimentos operada pelo Estado (por via dos impostos, transferências, etc. incluídos no pacote de austeridade) foi de molde a conseguir diminuir até, ligeiramente, o (consagrado) índice global de Gini.

 

MJA-gini.jpg

A linha azul representa o índice de Gini naturalmente gerado pelo mercado; a verde a acção redistributiva do Estado; e a vermelha o índice de Gini real, depois dessa redistribuição via impostos e prestações sociais

(Fonte: Eurostat)

 

Julgo em consciência que se tratará de uma quase “façanha”, da qual aliás, nem todos os países sujeitos à austeridade destes anos se poderão gabar por aí além. Sabendo-se porém como estes temas vão ser usados à exaustão na campanha eleitoral, aqui fica o registo, já que a façanha tem sido tornada dispensável pelas oposições ou mesmo ignorada. Que saberá afinal o PS sobre o andamento do país?

 

4. A “catalogação” em curso – quase vertiginosa, quase demencial, mas certamente irracional – levará a que as considerações acima expostas sejam vistas como vindas de uma “passista” cega ou sabe Deus. Mas não é de Passos e da sua coligação que se trata, mas do país. Os políticos vão e vêm, ganham e perdem. Os países duram. Mas mesmo sabendo que Portugal não se esgota nos insultos nem mora apenas na subcave das redes sociais profissionalmente assassinas, aflige observar como algumas coisas são possíveis de ser ditas.

 

E quanto a alguns bons resultados do país ou a felizes constatações, como esta das desigualdades, também não se trata de gabar a coligação mesmo que tenha sido a sua navegação a chegar a alguns bons portos. Trata-se, o que é infinitamente mais importante, dos portugueses.

 

21 de Julho de 2015

Maria João Avillez.png Maria João Avillez

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D