Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

TESTAMENTO

 

Em busca do artigo de Alberto Gonçalves, parei na última página do DN de Domingo, 7/2, num tema sobre o Carnaval, julgando tratar-se de alguma chochice habitual de trocadilho sobre as máscaras permitidas por essa altura, mais reais, todavia, no resto do ano, ocultos os cinismos sob a fachada da naturalidade enganosa, ou realçados sem qualquer necessidade de ocultação, na liberdade da plenitude democrática. Não se tratava disso. O artigo de João Taborda da Gama - Carnaval, um glossário pessoal com o ante título “Dentro do Género”, não tinha quaisquer intenções beliscadoras dos foliões do Carnaval, lembrando, com requinte, as partidas pregadas hoje e ontem com os instrumentos do engenho humano, cada ano mais enriquecido pelo empenhamento mercantil. O requinte de um descritivo de violência e arte no uso dos meios para causar o dano alheio nesses dias de permissividade licenciosa surge, assim, em serena abundância de pormenor que provoca um riso aberto, senão mesmo a gargalhada divertida. João Taborda da Gama deixa aos filhos – como herança - as suas experiências de longa data, sem intenções moralizadoras, aluno que foi, certamente, amante de tropelias, que quase beatifica os seus excessos pela serenidade e humor com que os revela, e que nos merecem um bravo, sem dúvida, pela graça do seu descritivo.

 

Carnaval, um glossário pessoal

João Taborda da Gama.jpgJoão Taborda da Gama

DN, 7/2/16

 

Bombas das grandes - cartuchos de papel com cerca de quatro centímetros de altura e meio de espessura, encimadas por um rastilho cilíndrico unido ao cartucho por uma guita. Para detonar, juntar a cabeça de um fósforo (muitas vezes chamado de forfe) à ponta do rastilho, colocar o polegar da mesma mão que segura o fósforo na base da bomba, a fazer noventa graus, e raspar a lixa da caixa de fósforos (os novatos tentam detonar com isqueiro, sem qualquer efeito que não seja derreter o rastilho). Na falta de fósforos podem ser detonadas usando a pólvora de outra bomba disposta numa superfície plana em linha (tipo cocaína) a acabar na ponta do rastilho da bomba deitada, e com o isqueiro acender a pólvora. Uma vez começando a arder o rastilho a explosão segue-se em três ou quatro segundos. Sugestões de utilização: duas pessoas acendem uma bomba ao mesmo tempo, cada um a sua e a última a largar ganha; atirar para halls de prédios, caixotes de lixo (normalmente a tampa abre), sarjetas, debaixo de latas de tinta vazias viradas de cabeça para baixo (podem atingir um quinto andar), mas nada bate a bomba-cagalhão, colocada no centro de um dito de cão, com pessoas a passar ao lado.

Bombinhas chinesas - pequenos petardos vermelhos com 2 mm de espessura, com fio de rastilho, vendidos à unidade, ou em fieiras de algumas dezenas. Pouco impacto. Podem rebentar-se aos pares, entrelaçando os pavios. Se acaso algum pavio sair torna-se difícil voltar a por. Neste caso sugere-se dobrar a bombinha ao meio até expor a pólvora e chegar fogo, pois faz um bonito efeito. Podem ser rebentadas na mão, devendo antes trincar-se o fundo e segurar pela ponta, abaixo do vinco criado pela mordedura de modo a reduzir o impacto. Há uma taxa de quebra, algumas vêm chochas. Pode tentar rebentar-se uma fieira inteira, mas muitas acabam por se desprender sem rebentar. Ideal para enfiar dentro de um cigarro, retirando o tabaco necessário e voltando a encher (colocar o rastilho virado para a ponta do cigarro). Quando rebentar pode dizer-se "fumar mata".

Estalinhos - explosivos embrulhados em papel com uma esfera metálica no meio. Deve dar-se torção extra antes de atirar ao chão para aumentar a explosão (atenção para não romper o papel). É vexatório atirar ao chão estalinho que não estala. Pode atirar-se mais do que um. Pode atirar-se contra a parede. É escusado tentar reunir o conteúdo de dois estalinhos no invólucro de um só.

Farinha – atirar a um metro para um melhor efeito. Pode ser usada logo depois de ovo, numa sequência mão esquerda - mão direita, fazendo o que se chama "um bolo". Não calcar demasiado a farinha na mão pois impede a mesma de se espalhar condizentemente (é irrelevante ter ou não fermento).

Garrafinhas de mau cheiroampolas de vidro com líquido com aroma de enxofre. Colocar nas entradas das portas, atirar para repartições de finanças, segurança social, mercearias. Podem ser usadas em salas de aula, mas sugere-se que não na própria, pois há docentes que obrigam todos os alunos a ficar até ao fim da aula, com o cheiro. Podem ser colocadas debaixo dos capachos da entrada, o que torna o odor mais leve mas mais indetectável.

Limas - recipientes de estearina (cera) em forma de uma pequena pera enchidos de água e projectados como os ovos (v. Ovos). Fazem-se derretendo as barras de estearina ao lume, enchendo o molde de alumínio, agitando e arrefecendo; é preciso cuidado ao desenformar; encher de água e tapar com um pingo de cera. Desconhecidas no continente, mas muito usadas em Ponta Delgada, S. Miguel, Açores (sugere-se a visualização, no youtube, de "batalha de limas").

Ovos - atirar ovos exige uma técnica especial. O lance longo requer pontaria, à distância, muito dificultada pela forma do ovo; o lance curto, tipo afundanço, mais difícil, é mais espectacular, mas comporta o risco de identificação pela vítima e de reacção (deve ser feito em corrida, no cocuruto, aproveitando os cinco segundos em que a vítima procura perceber o que lhe aconteceu, levando as mãos à cabeça, cheirando). Ao esmagar o ovo não deve exercer-se demasiada força para não fazer com que o conteúdo do ovo seja projectado para os lados e não para a cabeça da vítima. Podem usar-se ovos podres, enterrados durante três semanas (duas precauções: o Carnaval tem data móvel; os ovos podres ficam mais frágeis, podendo partir-se na mão, ou desintegrar-se no ar no lance longo). Reacções expectáveis: "deves ser rico", "tanta gente com fome e tu a desperdiçar ovos". Pode ser usado conjuntamente com o lance de farinha (v. farinha). Não há qualquer vantagem na utilização de ovos biológicos.

Papelinhos - relevantes apenas se enfiados na boca de alguém desprevenido que parece sufocar ao mesmo tempo que expele confettis, fazendo um bonito efeito tragi-cómico.

Raspas - tiras de cartão com pinga de explosivo tipo lacre. Deve separar-se apenas uma pinga, rasgando a tira com cuidado para não retirar o cartão debaixo da pinga adjacente. Depois, como o nome indica, raspa-se na parede (de preferência algo rugosa), o explosivo começa a explodir, e coloca-se entre as mãos, fazendo castanholas. Deixa cheiro característico. Característicos são também os riscos que deixa nas paredes e que normalmente enfurecem os habitantes dos respectivos prédios.

Serpentinas - lançar agarrando na ponta de dentro e não na de fora. Simular alegria ao atirar, dizendo por exemplo yeeeahi (divertimento imbecil que deixa no fim uma sensação de frustração). Podem fazer-se acordeões com serpentinas de duas ou mais cores (igualmente triste).

PS – Este texto insere-se no estado de espírito "não vá um gajo morrer amanhã e não deixar nada do que aprendeu aos filhos".

 

E já que estamos no Carnaval, e se fala de alunos, não propriamente como o “Cancre” de Jacques Prévert, distraído e sensível à natureza, mas dos também sem talvez grande apetência para o estudo embora com rapidez de observação e de raciocínio desmistificador dos critérios do “magíster dixit” - em que provavelmente João Taborda da Gama se enquadrou - transcrevo um pequeno texto, encimado pelo quadro da Gioconda e saído num exame de francês de nível 2 em 2013, de diálogo facilmente perceptível, revelador de como a opinião pública (na voz ingénua das crianças) é muitas vezes baseada no preconceito e na moda, embora, no caso da Gioconda, me pareça que ela merece mais o galardão do que as figuras recortadas de Picasso:

 

«LA JOCONDE»

 

Gioconda.png

 

«Rafael: Mesdames et messieurs, nous voici devant le tableau le plus célèbre du monde: La Joconde !

Mona: Bah ! il est plutôt petit, et puis on ne voit pas grand-chose… Juste cette dame, là, avec son drôle de sourire.

Nabi: Il y a marqué Mona Lisa ici. Alors « la Joconde » ça veut dire quoi? C’est son métier?

Rafael: Ce portrait représente, peut-être, l’épouse de Francesco del Giocondo, ce qui lui valut le surnom de Joconde.

Nabi: Qu’est-ce qu’elle fait, la dame, les bras croisés?

Mona: Peut-être qu’elle attend son amoureux.

Rafael: Mais non, on ne sait pas ce qu’elle fait.

Nabi: Ah bon! Bah ! Si on sait rien. pourquoi elle est célèbre?

Mona: C’est peut-être parce que Léonard de Vinci est connu pour ses inventions. Il a même dessiné les premiers avions.

Nabi: Au Moyen-Âge?

Rafael: Mais non! À la Renaissance. Regardez la technique de Vinci: il a utilisé le «sfumato», ce qui donne des contours imprécis aux objets. Et puis le tableau est surtout connu, car le sourire énigmatique de la Joconde et ses yeux qui ont l’éclat de la vie ont contribué à son incroyable notoriété.

Mona: Bon, je vais sourire, moi aussi, comme ça, je serai célèbre.

Rafael: T’es bête! Ce tableau, on vient le voir parce que… Bah! Parce que tout le monde veut le voir, voilà !

Mona: Bon, alors le vrai mystère c’est qu’on ne sait pas pourquoi il est si célèbre au fond, ce tableau.

 

In «Une minute au musée» (remanié)

 

Berta Brás.jpgBerta Brás

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D