Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

TEMPO DE ÁLVARO DE CAMPOS

 

Ode Triunfal

 

Álvaro de Campos.png

 

À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica

Tenho febre e escrevo.

Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto,

Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos.

Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r-r eterno!

Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria!

Em fúria fora e dentro de mim,

Por todos os meus nervos dissecados fora,

Por todas as papilas fora de tudo com que eu sinto!

Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos modernos,

De vos ouvir demasiadamente de perto,

E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso

De expressão de todas as minhas sensações,

Com um excesso contemporâneo de vós, ó máquinas! ….

 

A única semelhança entre o que direi de mim e o que se lê no excerto da «Ode Triunfal» é a expressão “tenho febre e escrevo”. Álvaro de Campos, em propósito iconoclástico, grita-o, no entusiasmo da admiração pelos efeitos transformadores que a revolução industrial trouxe aos diversos países, em termos de desenvolvimento fabril, fazendo-o trocar a temática da poesia tradicional inspirada na Moral e no Belo segundo o conceito aristotélico de Arte, pelos temas grossos das coisas de utilidade, não passíveis, antes, de evocação lírica, ou outras temáticas de violência e força e brutalidade e desvio, causadores, todavia, de impacto psicológico no eu que reage ao mundo, como peça desse mundo. Estava-se em pleno Modernismo, era o Futurismo a designação dessa nova arte de desconstrução, que se reflectia na própria gramática do verso branco, impregnados das onomatopeias desses ruídos perturbadores naturalmente indiferentes à ordem e ao equilíbrio versificatórios.

Mas a minha febre era real, acabava de fazer as análises e o electrocardiograma receitados na véspera pelo médico, e no café por baixo do Centro de Enfermagem, li pacificamente jornais menos agressivos - uma revista com uma longa entrevista à filha de Agustina Bessa Luís, Mónica Baldaque, feita por Anabela Mota Ribeiro, em que ficamos a saber de uma inteligência superior e ironicamente desconcertante, que nos meus tempos de Coimbra provocou grande surpresa e admiração com o seu livro, logo premiado, “A Sibila”, e mais tarde usado como leitura integral, no Secundário, possibilitando referências estruturais e semânticas de grande riqueza analítica, na originalidade dos seus mundos independentes, face aos neo-realistas da época, domesticados segundo os seus ideais marxistas, que repetiam à exaustão os universos sociais contrastantes no nosso país.

Outra revista trazida pela mão fraterna - «Fugas» - entre outros temas, e logo na capa, um padrão com um cesto de flores, numa álea parisiense, contendo a referência a Amália: «19e arrondissement / PROMENADE AMÁLIA RODRIGUES - 1920-1999 – Chanteuse Portugaise» e o dístico seguinte: Há muito Portugal pelas ruas de Paris. No interior, o título da reportagem – «PORTUGAL ESTÁ NA MODA EM PARIS?», com imagens e exemplos significativos, onde não falta o monumento a Camões, na avenida com o mesmo nome, nem a estátua com o busto de Eça em Neuilly-sur-Seine, para não falar de tantas outras referências, e mais a imagem da LIBRAIRIE PORTUGAISE & BRÉSILIENNE, de fachada azul, os livros reluzindo dentro, «fundada em 1986 por Michel Chandeigne, um biólogo que no início dessa década viveu em Lisboa , onde se apaixonou pela literatura portuguesa, de quem se tornou um tradutor e editor prestigiado».

Mas em casa, ouvindo os habituais comentários de esquerda na assembleia, ou a «Opinião Pública” da Sic, de impropérios de falsos saberes na arrogância maldosa popularucha, ou, em reposição, o estrondo verbal da descodificação dos comportamentos de Passos Coelho por Pacheco Pereira, na Quadratura do Círculo, para além do «Tenho febre e escrevo», outra semelhança comigo poderei apontar do dito excerto: «Escrevo rangendo os dentes, fera” (não para a beleza disto) mas para a miséria e fealdade disto. São outros os tempos, as máquinas já não entusiasmam e a perversidade actual incomoda.

Mas sendo dia de febre, prefiro lembrar, enquanto escrevo, António Lobo Xavier, como elemento honrado de reconciliação desse programa “Quadratura…”. Além de um diaporama em imagens e discursos, que o Dr. Salles me mandou, baseado em muitas imagens e frases da filha, Clara Crabbé Rocha sobre seu pai – Miguel Torga - Diaporama sobre «Concepção e pesquisa de Vitália Rodrigues e Luís Agilar, em Dez. 2007”, que tem por título «Um diamante que ninguém conseguiu lapidar». E é de lá que retiro versos da sua grandeza, lidos pela manhã. Com lágrimas. De encanto e tristeza.

Ter um destino

É não caber no berço

Onde o corpo nasceu.

É transpor as fronteiras uma a uma

E morrer sem nenhuma.

 

Finalmente, os dados preciosos sobre a Segunda Guerra, enviados por Paula Almeida, Técnica superior, que reescrevo, também rangendo os dentes:

1939, neste dia:

Em Roma, Mussolini remodela o seu gabinete, substituindo os membros pró-nazis por membros neutros. Seis ministérios e várias secretarias mudaram. Grandi, simpatizante da causa britânica, continua a ser o chefe do Departamento da Justiça. Estas mudanças não são vistas como passíveis de trazer mudanças na política externa / Numa reunião do Soviete Supremo da União Soviética, Molotov critica a Grã-Bretanha e França por continuarem a guerra, mas não dá mais do que apoio moral à Alemanha. Ele alega que o pacto germano-soviético prevê que a URSS deve manter a neutralidade em caso da Alemanha estar em guerra. / Enquanto isso, começa a primeira de três reuniões entre os soviéticos e os finlandeses sobre as recentes exigências dos primeiros para a revisão da fronteira entre os dois países. Os negociadores soviéticos reivindicam o território estratégico no Istmo da Carélia, a base naval de Hangö e o porto de Petsamo, no Árctico, em troca de território soviético ao longo da fronteira oriental. Não foi alcançado qualquer acordo/ Na Polónia ocupada, a pena de morte é ordenada para todos os polacos que desobedeçam à autoridade alemã, sendo os acusados julgados nos tribunais das SS/

1940

Na Grã Bretanha, o 114ª dia da Batalha de Inglaterra assinala o fim dos raids aéreos contínuos da Luftwaffe. Os britânicos executam uma aterragem forçada na ilha grega de Creta/

1944

Na Dinamarca ocupada, a sede da Gestapo, a Casa Shell em Aarhus, é destruída por um bombardeamento levado a cabo pela RAF. O objectivo do ataque é destruir o maior número de registros quanto possível, para ajudar os membros da resistência/ - Na Grécia, as forças alemãs retiraram-se de Salónica. As guarnições alemãs que permaneceram na ilha encontram-se agora encurraladas. Durante as últimas semanas, inúmeras tropas alemãs foram evacuadas das ilhas do mar Egeu por pequenas embarcações, apesar das patrulhas aliadas

- Na Alemanha ... É efectuado um bombardeamento em plena luz do dia na área industrial do Ruhr, sendo o principal alvo a fábrica de óleo Bottrop.

Berta Brás.jpg

 

Berta Brás

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D