Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

TEM GRAÇA E OFENDE

 

Um artigo de um escritor historiador decididamente zangado e depreciativo, no arrojo e artifício das suas elucubrações altivas que não poupam os comparsas responsáveis pela evolução das nossas políticas catastróficas e nem mesmo os que por elas foram enganados, vivendo “no céu ou na gruta” da indiferença ou da ignorância, que é, de resto, o conceito menosprezante com que Vasco Pulido Valente, do Olimpo do seu saber, define o povo português, na sua planura espiritual.

Mas o texto tem, de facto, graça, na arrogância com que desmistifica a pretensão dos mais de setenta notáveis que, dos vários quadrantes políticos, paradoxalmente se aliam, aparentemente com o fito no bem comum, e escondendo, bem no íntimo, os objectivos próprios, de intenção vária, embora empolando unicamente o da intenção generosa, salvadora da nação.

Saíu no Público, em 15 de Março:

 

A BRIGADA DO REUMÁTICO

Um manifesto assinado por 70 personalidades (de facto, 74) provocou por aí uma grande comoção jornalística, não se percebe porquê. As ditas personalidades são na sua maioria políticos reformados, ou, para falar com franqueza, políticos falhados. Nenhum deixou uma obra que mereça ser lembrada ou que tenha mudado radicalmente o destino do país. Mas por razões que escapam ao cidadão comum não há um que não se ache importante na nossa mesquinha vida e não pense que a sua egrégia opinião nos faz muitíssima falta. Este imaginário sentido da responsabilidade acabou por os levar a comunicar aos portugueses (cuja idiotia eles tentam corrigir) algumas verdades práticas de que a Pátria precisa para se salvar. Antes de entrar na matéria, devemos manifestar a nossa gratidão pela sua sabedoria e pelo inevitável incómodo, que lhes custou escrever e assinar um papel.

O papel, visto com um olho desconfiado (e, se quiserem, cínico), não passa de um acto eleitoral. Por outras palavras, de um desabafo colectivo da oposição, que neste caso vai de Adriano Moreira a Francisco Louçã e de João Cravinho ao dilecto discípulo de Marcelo, Diogo Freitas do Amaral. Ficam muito bem juntos na sua essencial irrelevância. Parecem a “brigada do reumático”, virada do avesso e revista pela democracia. A intenção era embaraçar Cavaco, que não se embaraçou e pôs rapidamente na rua dois dos signatários; atrapalhar o Governo, que não se atrapalhou; e dar uma ajudinha ao camarada Assis na eleição para o Parlamento Europeu, coisa a verificar não tarda muito.

 

Mas, fora isso, esta inesperada união nacional apresentou um plano para nos tirar de apuros. Uma parte do plano repete a cartilha sobre as possibilidades de pagar a dívida e não impressiona ninguém, excepto quem andar no céu ou viver numa gruta. A outra parte do plano é do género hipotético: se a “Europa” não estivesse no estado em que está, se a sra. Merkel não pensasse o que pensa, se a Inglaterra não concordasse com a sra. Merkel, nem a Holanda, nem a Finlândia… tudo se resolvia num fósforo. Ou se a “reestruturação” da dívida portuguesa não abrisse um precedente, em que a Roménia, por exemplo, se pudesse pendurar… então. A conversa lembra definitivamente a velha conversa sobre a minha avó e as rodas que ela não tinha. Por mim, compreendo do coração as saudades de um mundo que passou. Mas não sou um grande entusiasta do delírio senil.

 

 Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D