Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

TAPAS Y CASTAÑOLAS 4

Já casada, a então Princesa Isabel estava de visita ao Quénia quando soube que o seu pai, o Rei Jorge VI, tinha morrido. Regressou de imediato a Inglaterra para os cerimoniais apropriados à circunstância os quais culminaram com a sua coroação dando início ao longu+issimo reinado de Isabel II. Apetecia-me dizer «o longuíssimo e simpático reinado…» mas acho que me devo conter na adjectivação.

A imagem que transparece de Isabel II é claramente a de uma pessoa muito digna, irradiando a simpatia suficiente para não ser efusiva nem macambuzia. E pronto, pouco mais dela se espera. E esse pouco mais restringe-se a um conjunto de cerimónias protocolares em que lhe está sempre reservado o papel central mas em que os verddeiros protagonistas são alguns dos seus súbditos. Por exemplo, Isabel II é o símbolo máximo da Igreja Anglicana mas ninguém no seu perfeito juízo espera que a Rainha se pronuncie «motu próprio» em matérias de fé. Esta matéria é o foro do Arcebispo de Cantuária. O mesmo se diga das matérias profanas em que o protagonismo é do Primeiro Ministro. E assim é que a figura real não tem sido beliscada apesar de Isabel II nunca ter defendido o cumprimento da (inexistente) Constituição e de, tendo começado por ser Raonha de dimensão imperial, ser ver hoje na contingência de perder a Escócia. Mas tudo isso se deveu aos políticos, não à Chefe de um Estado minguante.

No sentido inverso, quero crer que o então Presidente da Alemanha tenha presidido às cerimónias da reunificação mas quem ficou no retrato e na nossa memória foi o então Chanceler Helmut Kohl.

Para o bem ou para o mal, o responsável pelo andamento da carruagem é quem tem as mãos nas rédeas, não o «dono dos cavalos».

* * *~

 Aqui ai lado, o Símbolo não é apenas simbólico, cumpre-lhe também «pôr as mãos nas rédeas» e, vai daí, correr o risco de alguns salpicos. Só que, com o regime pluviométrico mediterrânico, em vez de alguns salpicos, pode ser uma grande chapuçada de lama ou pode mesmo a carruagem atolar-se e os passageiros terem que ser evacuados à pressa.

Deixando-me de figuras de retórica, não vai bem o reinado de Filipe VI de Espanha e a pandemia só juntou achas à fogueira Estão em perigo a unidade espanhola e a Monarquia.

Quem está muito embrenhado na situação, pode já estar muito assoberbado por detalhes e perder a necessária visão do conjunto da cena mas quem está de fora e sabe pouco tem mais facilidade em ver a floresta.

Assim, sem pretender ensinar o «Pai Noss ao Vigário, estou em crer que a unidade de Espanha ainda (?) possa ser salva por uma alteração constitucional que transforme a Espanha actual num Estado Federal – não vejo qualquer incompatibilidade entre um Estado Federal monárquico com alguns Estados federados regendo-se como Repúblicas[i]. Mas isto só será possível se o Rei, por uma última vez, agir como efectivo polarizador da cena global promovendo a criação duma maioria pró ocidental (PSOE, PP, Ciudadanos, Vox,…) chamando-os a todos em simultâneo à Zarzuela e dizendo-lhes: - Esta reunião começa agora e só terminará quando me garantirem uma solução política salvadora de Espanha.

Quanto à imagem da Monarquia – e porque é pública a vida privada dos Chefes de Estado – o «núcleo central» deve ser expurgado de elementos menos simpáticos aos olhos da opinião pública. Sugestão: uma temporada a arejar em Lanzarote. O rude Saramago esteve lá e ganhou um Nobel. Aquela ilha faz maravilhas.

FIM

Agosto de 2020

Henrique Salles da Fonseca

 

 

[i] - Como alternativa à Federação há a Confederação

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D