Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

AUSTRÁLIA – 2

 

 

Entre les deux, mon cœur balance. Refiro-me a Melbourne e a Sidney onde não ouvi falar francês. Fique a expressão idiomática apesar do despropósito linguístico.

 

Em resumo muito resumido, direi que Melbourne está cheia de História e que Sidney pouco ou nada deve a Nova Iorque.

 

ANZAC é a sigla de Australian and New Zealand Army Corps, celebra-se a 25 de Abril e comemora a batalha de Gallipoli (Turquia), em que dezenas de milhares de soldados da Austrália, Nova Zelândia e Reino Unido perderam a vida na I Guerra Mundial. As maiores paradas militares do "ANZAC Day" ocorrem em Canberra, capital da Austrália e em Auckland, maior cidade da Nova Zelândia mas também é feriado nas Ilhas Cook, Niue, Ilhas Pitcairn e Tonga donde, pelos vistos, também havia militares a servirem de «carne para canhão» às ordens da Metrópole, a Velha Albion. Mas foi em Melbourne que eu assisti à celebração e talvez por isso tenha ficado com a ideia de que a cidade está impregnada de História. Colhe, no entanto, referir que Melbourne esteve para ser a capital da Austrália e que só o não foi por causa dos ciúmes de Sidney. Então, à boa maneira salomónica, não foi uma nem outra, entraram ao serviço a régua e o esquadro num local mais ou menos equidistante das duas e assim nasceu Canberra. Mas a Federação de Estados que constitui a Austrália actual, essa, sim, nasceu em Melbourne.

 

ANZAC-Melbourne.JPG

 

Então, se Melbourne tem cerca de 4,5 milhões de habitantes e Sidney cerca de 5 milhões (não podia ficar a trás da amiga e eterna rival), junte-se-lhes os cerca de 2,6 milhões de Perth e temos 55% da população total da Austrália, estimada em 22 milhões. Ou seja, o resto do continente tem uma baixíssima densidade populacional. Mas se referirmos as populações residentes em cidades como Brisbane (capital de Queenland, com cerca de 2,3 milhões de residentes), Cairnes (cerca de 151 mil residentes) e Darwin (com algo como 121 mil) para referir apenas as maiorsinhas que visitei, então o vastíssimo continente está despovoado e à espera de quem o desfrute.

 

E os aborígenes? Ah, essa é uma questão que fica para a próxima.

 

(continua)

 

Maio de 2017

ANZAC- Melbourne-2.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

AUSTRÁLIA -1

 

 

 

Foi do alto do meu metro e sessenta e cinco que olhei para os australianos com muitos deles e delas a ultrapassarem o metro e oitenta e com muita gente de cores doiradas pelo Sol que naquelas partes não se faz rogado. Elas, frequentemente a «fazerem parar o trânsito»; eles, atléticos.

 

Então, lembrei-me de que os ingleses nunca foram baixotes mas quando emigraram (voluntária ou compulsivamente) para a Austrália, largaram os frios e chuvas lá na Velha Albion, deixaram de se encolher e, logicamente, esticaram. Mais especificamente, os que emigraram voluntariamente, deixaram para trás a miséria imposta pelas castas do famoso «upstair – downstair», estabeleceram-se por conta própria e floresceram; os que emigraram compulsivamente, passaram a ter três refeições diárias, o que na origem nunca lhes estava garantido e medraram – se não eles propriamente, os seus descendentes por certo.

 

E como todos comiam regularmente, passaram a comer à bruta mal se viram em situações económicas mais confortáveis dos que as que tinham na «metrópole». Resultado: para além de crescerem, engordaram. E engordaram muito! Chegam felizes a velhos mas com perímetros que metem medo e que esfacelam articulações.

 

Austrália-gorduchos.jpg

 

Eis como no cruzeiro que fiz ao longo de três quartos do périplo australiano (os grandes paquetes são uma preferência dos velhotes), a profusão de barrigudos coxos (tanto eles como elas), de muletas «canadianas», andarilhos (de rodas e com travões à moda das bicicletas), de cadeiras de rodas e de carrinhos eléctricos me fez imaginar um «céu» de núvens em forma de confortáveis assentos e no esgotamento de stocks daqueles auxiliares de caminhada no resto do país. Nunca eu tinha visto tanta concentração de gente com articulações arruinadas e nunca tinha visto melhor mercado para a fisiatria.

 

Aqui fica a sugestão a quem domine essa ciência e tenha certificação válida da respectiva prática: vá fazer umas massarocas à Austrália pois o mercado afigura-se frutuoso.

 

Outro negócio apetecível deve ser o dos protectores solares pois aquelas peles, de tão claras, devem ser muito atractivas de melanomas e de outras inconveniências do género.

 

Vão, enriqueçam mas voltem porque também por cá fazem muita falta na «Santa terrinha».

 

(continua)

 

Maio de 2017

008.JPG

Henrique Salles da Fonseca

(Coastal road, Victoria)

UMA VIAGEM AO INFERNO – 6

 

 

FACIT LUX

 

Almoçados na Sertã, rumámos a Lisboa tomando o caminho inverso ao que tomáramos na ida: IC8, A13, A23, A1.

 

Mas a luminosidade chamou-me a atenção como não chamara na ida. Horas diferentes e nuvens diferentes produzem grandes diferenças na luminosidade. Por exemplo, a luminosidade mais esplendorosa que conheço é pelas 10 da manhã de um dia primaveril em Lisboa frente à Imprensa Nacional na Rua da Escola Politécnica. Passadas as horas ditas, o esplendor desaparece; havendo nuvens pretas, o fascínio não existe.

 

Deve ter sido isso que aconteceu neste regresso. Sol conjugado com certo tipo de nuvens e a luminosidade era esplendorosa. Lembrei-me de «A vista de Delft» de Vermeer.

Vermeer-A vista de Delft.jpg

 

Mas lembrei-me sobretudo de Monet e do seu quadro «Parlamento de Londres».

 

Monet-Parlamento de Londres.jpg

 

Com a diferença fundamental de que tanto Delft como o Parlamento inglês não tiveram aqueles fogos devastadores que alguém ateou no que hoje é o nosso Inferno. Mas parece que umas jornalistas já descobriram os mandantes dos incendiários. Sim, foram umas jornalistas da TVI a fazer luz sobre um grande mistério nacional, não umas polícias.

 

Haja saúde e até à próxima.

 

Abril de 2018

26ABR18-1A.jpg

 Henrique Salles da Fonseca

UMA VIAGEM AO INFERNO – 5

 

O CICERONE AMADOR

 

Saindo de Oleiros, eis-nos novamente envolvidos pelo Inferno rumo à Sertã para visita breve, almoço e fim do pagode para seguirmos até casa, em Lisboa.

 

- O Senhor pode dizer-me onde é o castelo?

- Sim, posso mas é mais fácil levar-vos até lá. Venham a trás de mim.

- Que ideia! Não se incomode, diga só como havemos de fazer e lá chegaremos.

- Não incomoda nada! Gosto muito de mostrar a minha terra. Sou cicerone amador.

 

E lá fomos a trás do Senhor cicerone amador... Descemos a rua até ao fim, virámos à esquerda, seguimos ao longo da ribeira onde está a ponte velha, virámos de novo à esquerda, subimos a rua até ao topo e o castelo estava fechado. O cicerone amador já se propunha ir a casa do porteiro do castelo buscar a chave mas lá conseguimos (não sem esforço) convencê-lo a não ir incomodar o Fulano que devia estar a almoçar tranquilamente com a família. Era Domingo, deixássemos o porteiro gozar a folga semanal.

 

Sertã-Castelo.jpg

 

- Mas ao Domingo é quando há mais turistas, não se percebe que ele folgue ao fim de semana. Ele devia folgar durante a semana, não hoje – resmungava o nosso cicerone amador.

- Pois. Só que nós não somos o Presidente da Câmara de cá e não podemos alterar os usos e costumes da terra. Deixe-o tranquilo, Senhor…

- … João. Mas há aqui à frente o miradouro e os Senhores podem ficar com uma ideia geral da Sertã.

- Boa ideia! E onde podemos estacionar os carros?

- Encostem aí, devem caber.

 

Não cabiam. Fomos andando um pouco mais para a frente e vemos o Senhor João a acenar muito entusiasmado. Havia lugares disponíveis para cada um dos nossos carros mesmo em frente do miradouro.

 

- Isto é que foi pontaria! O Senhor adivinhou que nós vínhamos cá e mandou vagar estes lugares.

- Sim, sim. Parem aí!

 

E assim fizemos. Mas não parámos, estacionámos mesmo. Fomos para o miradouro e ficámos a saber que o Senhor João tinha tido um restaurante durante 30 anos, que antes disso estivera no «Estoril Sol» e depois no «Casino do Estoril», que agora tem um stand de automóveis … - mas são os meus rapazes que orientam tudo por lá - … mas já teve uma empresa de flippers que depois vendeu aos empregados…

 

- Mas ó Senhor João, ponha-se aqui debaixo do chapéu que está a molhar-se todo com a chuva.

- Não é preciso, não me incomoda nada.

 

E mais disse que… eu sei lá, que já não o ouvia.

 

- Reparem naqueles que estão ali em baixo. Vão todos para o vosso restaurante que é muito bom. Claro que não é tão bom como o que eu tive mas vão ficar satisfeitos. É ali ao pé da «casa da música». Estão a ver?

 

Sim, estávamos. O meu amigo despediu-se do Senhor João pelo menos três vezes e eu outras tantas. As Senhoras agradeceram à distância, que também já não o ouviam.

 

- E estão a ver aquela casa vermelha lá no alto? Aquela casa é minha que a comprei ao Doutor… homem muito sério. Mas eu vivo na outra ao lado, aquela está alugada (em vez de arrendada, mas eu não corrigi porque isso daria aso a mais conversa). Mas vamos então, os Senhores já devem estar com fome.

- Sim, sim, vamos! Até porque os nossos amigos que vêm noutro carro já lá devem estar à nossa espera.

- Eu levo-os lá – ainda não seria desta que nos livrávamos dele. Lá foi à nossa frente a indicar o caminho e quando chegámos, lá estavam os lugares de estacionamento disponíveis para os nossos três carros. Pensei, mas não disse, que ele era chato, muito chato, mas também devia ser mágico de lugares de estacionamento.

 

- Muito obrigado, Senhor João, foi muito amável.

- Muito gosto! E tomem estas canetas lá do stand. Só não tenho canetas para todos.

- Oh Senhor João, não esteja a incomodar-se mais connosco…

 

E lá foi à vida dele que nós seguimos para dentro do restaurante antes que ele se arrependesse e voltasse a contar mais coisas. Só que, da terra, nada aprendemos. Sim, um verdadeiro Inferno!

 

Conclusão: Vivam os cicerones profissionais!

 

Abril de 2018

Henrique Salles da Fonseca.png

Henrique Salles da Fonseca

UMA VIAGEM AO INFERNO – 4

 

 

Dos penhascos da Lousã fomos até Oleiros através de paisagens dantescas de negrume e desolação. Árvores, casas, chão, tudo calcinado e vastas zonas onde, passados seis meses da grande desgraça, ainda nem sequer as ervas – mesmo as daninhas - brotam. Tudo negro.

 

E a pergunta é: o que se faz a quem provocou tanta desgraça? As respostas são várias e talvez nem todas enquadráveis no quadro jurídico português.

 

E porquê Oleiros e não qualquer outro destino? Porque é lá que se come o cabrito estonado e nós somos um grupo de quatro casais bastante gulosos. Íamos «mandados» para um restaurante lá para as bandas da serra e já nos lambíamos a adivinhar o que nos esperava mas, afinal, foi muito melhor do que estávamos a imaginar.

 

cabrito-estonado.jpg

 

A nossa dúvida era a de saber como é que se justifica um hotel de quatro estrelas em Oleiros. Ora bem, fizeram o mesmo que os das aldeias de xisto: chamaram turistas e têm o hotel quase sempre cheio. O cabrito é um dos chamarizes mas há outros que os meus leitores hão-de descobrir. E se lá quiserem ir, despachem-se a reservar lugar no hotel que só tem 19 quartos e duas suites. E reservem também para os restaurantes que hão-de descobrir na Internet.

 

Mas o hotel merece uma referência especial porque não restam dúvidas de que não seria fácil encontrar quem avançasse para o risco de uma iniciativa hoteleira no meio de nada. Então, foi a Câmara de Oleiros que o fez. Depois de o ter feito, foi à procura de quem o gerisse e felizmente, encontrou no próprio Concelho quem aceitasse o desafio. E quem foi? Bem, foi precisamente o dono de um dos restaurantes do tal cabrito que passou a ter clientes forasteiros no restaurante porque há boa hospedaria e o hotel tem clientes porque o cabrito é um motivo especial para os gulosos que por aqui andamos. E tudo isto é também um motivo de sustentação da criação caprina na zona.

Hotel de Oleiros.jpg

 

Então, é assim: se não fosse o hotel nós não iríamos ao restaurante e se não fosse o restaurante nós não iríamos ao hotel. Mas fomos e gostámos. Belo hotel, leitores.

 

Mas entre o hotel e o restaurante, lá estava o Inferno.

 

Abril de 2018

Holanda-JAN18.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

UMA VIAGEM AO INFERNO – 3

 

 

Saindo do fundão em que se encontra o restaurante «O Burgo» em plena Serra da Lousã onde não há mais casas para além daquela em que estivemos a almoçar – e sem sombras de qualquer agregado urbano que possa passar por casario e muito menos por burgo - a caminho das aldeias de xisto, o carro amarinhou até ao castelo e passado algum tempo de estrada sinuosa, o castelo já estava lá tão em baixo que parecia um brinquedo infantil. Subimos, subimos e voltámos a subir até que tivemos que sair da estrada e cortar por um caminho bem asfaltado mas com um declive ainda mais acentuado e curvas de bolso ainda mais pequeno. E continuámos a subir até que o caminho acabou num beco onde teríamos que deixar os carros e seguir a pé para visitarmos Cerdeira, essa aldeia de xisto que se espalha por um quase precipício até o vale fazer uma curva e ficarmos sem saber o que se segue. E que se seguirá por ali a baixo? Dá para imaginar que pouco ou mesmo nada para além de pedras enegrecidas pela humidade dos anos e pelos fogos de há pouco. Mas quis o Altíssimo que as casas tivessem sido poupadas à fúria das chamas.

Cerdeira, aldeia de xisto.jpg

 

Cansados de nada fazermos, optámos por ficar junto dos carros e ver a aldeia à distância do caminho que não fizemos a pé.

 

Era sexta feira e não era só a nós que cheirava a fim de semana. Os trabalhadores que andavam a tratar da canalização da água, do saneamento básico ou de não sei quê, saíam e cruzaram-se com os turistas que chegavam. Perguntado, um dos trabalhadores informou que, em permanência, ali só vive um casal e que todos os demais são residentes temporários, turistas. E aí vinham eles…

 

Deu-nos então para imaginar o que teria sido a vida num desterro daqueles sem estrada asfaltada, sem água nem electricidade, sem telefones, sem nada. Saberiam aquelas gentes de então que havia mais mundo para além da última frágua que avistavam do termo da aldeia? Como foi possível terem sobrevivido para conseguirem fugir dali? E como nos foi possível a nós pactuarmos com quem não lhes proporcionou condições de vida menos agrestes e os deixou viver como bichos abandonados?

 

Até que um dia houve alguém que se lembrou de explorar aquela aldeia moribunda, recuperou as casas que ainda estavam de pé, levou electricidade até lá, alargou e asfaltou o caminho, pôs água corrente, fez o saneamento e chamou turistas. As gentes antigas emigraram ou morreram mas a aldeia ressuscitou. E dizem-me que, como esta, há mais.

 

E depois? Bem, isso é coisa que não sei. Apenas sei que há futuro.

 

Abril de 2018

 

Holanda-JAN18.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

UMA VIAGEM AO INFERNO – 2

 

 

LENDAS E ESPECULAÇÕES

 

Por incrível que pareça, já conhecia Xangai, Moçambique duma ponta à outra, Ushuaia, a Austrália e por aí fora… e nunca tinha isso à Lousã. E, contudo, a Lousã exercia um fascínio especial na minha imaginação. Porquê? Porque a professora de alemão durante a minha infância e juventude, passava todos os Verões três semanas na sua Berlim natal e duas semanas na Serra da Lousã. E isso sempre foi um tanto ou quanto misterioso para a minha família: o que levava uma alemã a ir todos os anos para aquela remota serra? E quando foi isso? Muito bem, refiro-me aos anos 50 do séc. XX, ou seja, pouco depois do fim da II Guerra Mundial. Os meus pais nunca fizeram perguntas e nós, as crianças, muito menos.

 

E aqui entra a imaginação a funcionar; melhor, a especulação…

 

Ora bem, o restaurante onde tínhamos reserva para o almoço é em plena Serra da Lousã, num fim de estrada, no fundo do buraco próximo do sopé do promontório em que se localiza o castelo, entre barrancos só acessíveis por pé de alpinista ou por estrada escavada nas encostas íngremes onde a Internet não chega. Claramente, um local «onde o Diabo perdeu as botas». Mas se as estradas têm hoje bom asfalto, dá para imaginar o que seria nesses anos do pós-guerra, eventualmente sem alcatrão, sem telefones nem Correio, isolamento praticamente total, num país que fora neutro no conflito armado que assolara o mundo pouco tempo antes.

 

Que tal imaginar que aquilo poderia perfeitamente servir de esconderijo para nazis em fuga? Não sei se o foi ou não mas nesta minha primeira visita ao local, a hipótese não me saiu da cabeça e acho agora perfeitamente possível que a minha professora viesse então de Berlim com notícias «fresquinhas» para «amigos» secretos ali escondidos. E seria ela nazi? Nunca tal coisa nos passou pela cabeça mas o melhor é não pormos as mãos no fogo.

 

Será esta uma hipótese falaciosa? Talvez. Mas de acordo com uma lenda antiga, o castelo – hoje denominado de Arouce - terá sido erguido pelo emir Arunce, para proteção da sua filha Peralta e dos seus tesouros após ter sido derrotado e expulso de Conimbriga. Veja-se como já então ali se resguardavam os que pretendiam ficar ocultos do mundo.

Castelo da Lousã.jpg

 

Sim, talvez tudo isto sejam apenas lendas e especulações.

 

Abril de 2018

Cabo Sounion 1-MAR18.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

UMA VIAGEM AO INFERNO – 1

 

 

DE COMO IR AO INFERNO

 

Qualquer português adulto minimamente atento sabe como ir ao Inferno: a partir de Lisboa, toma a A1, corta em Alcanena para a A23, no Entroncamento vira para Norte e segue pela A13 e não muito longe de Condeixa vira para o IC8 rumo a Castelo Branco; chegado a Pedrógão Grande, está no centro do Inferno, onde o Diabo não lhe aparece mas apenas as suas vítimas.

 

Hoje, o Inferno é negro e castanho, da côr da cinza negra e das folhas mortas. A perder de vista, estende-se por montes e vales…

 

Como diz o povo, «uma dor d’alma».

Floresta ardida 2017.jpg

 

PORQUÊ IR AO INFERNO?

 

Porquê? Simplesmente porque não somos amorfos e uma coisa é ver a desgraça na televisão enquanto outra, bem diferente, é ver o resultado dramático no local onde tudo se passou. Não é morbidez, é solidariedade.

 

E se com as despesas que fizermos localmente pudermos ajudar directa ou indirectamente à retoma da vida de quem tudo perdeu, esse é por certo um modo bem modesto de se tentar fazer o bem sem se olhar exactamente a quem.

 

Ajudámos as vítimas da Lousã, de Oleiros e da Sertã e foi no caminho entre elas que visitámos o Inferno.

 

Abril de 2018

 

Holanda-JAN18.JPG

Holanda-JAN18.JPG

Henrique Salles da Fonseca

KALIMERA – 14

 

Δεκατέσσερα (dekatéssera) = catorze

 

OS ANÉIS E OS DEDOS

 

Da fé

 

A povoação mais famosa de Santorini chama-se Oia mas a linguística grega diz que o «O» é mudo pelo que se pronuncia apenas «Ia». Essa povoação é a que aparece em todas as fotografias turisticamente mais divulgadas com o casario a descer em terraços até ao limite do precipício. Na pequena praça principal há uma Igreja e o muito movimento no adro despertou-me a atenção. Entrei. Escura, lá dentro, mas repleta de gente. Turistas que, como eu, estariam cansados e aproveitaram as cadeiras para refazerem o fôlego gasto nas escadarias. Sentei-me. Junto ao altar, numa penumbra recatada, o Padre desempenhava a função que vi em todas as Igrejas que visitei na Grécia, a de guardião presencial da parafernália decorativa e das valiosas alfaias destinadas ao culto. Mas, para além dos turistas, apareceu um devoto que silenciosamente se dirigiu ao Padre e pediu autorização para se aproximar dos ícones expostos. Obtida a autorização também por gesto silencioso, o fiel simulou um beijo no vidro que cobre cada ícone devidamente encaixilhado, fez uma breve vénia frente ao altar e retirou-se. Tudo em silêncio.

 

Se esta foi ou não uma encenação para impressionar turistas, não sei; eu tomei tudo como uma expressão de fé sincera e gostei de ver.

SantoriniBy Wolfgang Staudt from Saarbruecken, Ger

 

Contudo, na perspectiva religiosa, o que mais me impressionou aconteceu em Patmos e teve como protagonista a nossa própria guia, uma pequena Senhora com «S» maiúsculo mas de nome indizível que falava inglês com uma distinção só equiparável à dos melhores locutores da BBC. Sim, absolutamente notável. Foi ela que nos conduziu até ao mosteiro onde se localiza a gruta do Apóstolo João e nos falou do que conta a tradição ortodoxa acerca do local e do próprio Evangelista. E quando se referia a matérias de fé, terminava as frases num diminuendo de autêntica sensibilidade íntima que por certo tocaria o coração mais empedernido que por ali passasse. A elegante eloquência com que o fazia também realçava a seriedade do tema e isso não deixou de ser importante para quem, como eu, notou a profundidade da sua fé. Lindo!

 

E fiquei a pensar…

 

Fiquei a pensar que a fé move montanhas e que a crise por que a Grécia continua a passar não tem qualquer importância perante Valores como os que sustentam uma Civilização, a qual é suportada por uma Religião, a qual se traduz numa fé como esta que presenciei. Isto, sim, é importante; tudo o mais parece irrelevante. Assim penso, apesar de se tratar duma grave crise económica e eu próprio ser economista. Mas… vão-se os anéis e fiquem os dedos.

 

Abril de 2018

Holanda-JAN18.JPG

Henrique Salles da Fonseca

KALIMERA – 13

 

 

«LAST BUT NOT LEAST»

«ΤΕΛΕΥΤΑΙΟ ΑΛΛΑ ΕΞΙΣΟΥ ΣΗΜΑΝΤΙΚΟ»

(TELEUTAIO ALLA EXISOU SIMANTIKO)

 

Δεκατρια - leia-se «decatria» - é o mesmo que treze em português e foi talvez a palavra mais bonita que ouvi. E por que é que a ouvi assim tão especialmente? Porque numa das excursões, o passageiro do outro lado da coxia do autocarro era o número treze e, na contagem a meia-voz, a guia sempre dizia «decatria» depois de me contar. Pelos vistos, eu era o número doze, ou seja, o «dódeca» e a Graça era a έντεκα – leia-se «énteka».

 

E achando eu que na fala os gregos não brincam em serviço pronunciando todas as sílabas sem condescendências ao estilo da nossa que comemos metade das palavras, aquela «decatria» em surdina parecia-me suave e, mais do que isso, bonita. Sempre gostei dos sons «a» e «i» e é por isso que em português acho que uma das palavras mais bonitas é «alguidar». Assim estou com a «decatria».

 

* * *

 

Uma questão que não posso localizar em qualquer ponto da viagem é a da bênção ortodoxa. E perguntei a um Padre (claro que do rito ortodoxo grego) por que é que a persignação ortodoxa se faz da direita para a esquerda enquanto a católica é da esquerda para a direita. A resposta foi imediata: - Porque pretendemos sentar-nos à direita de Deus Pai. E ponto final na conversa.

 

* * *

 

Σύνταγμα – leia-se «Sintagma» - significa «Constituição» e, logicamente, é esse o nome da Praça em Atenas onde se situa o Parlamento, esse mesmo que todos conhecemos das televisões quando transmitiam as manifestações que levaram à mudança governativa com a destituição (democrática, por eleição) de Karamanlis e com a subida de Tsipras. Mais do que o novo e relativamente jovem primeiro ministro, deu nas vistas durante uns tempos esse mediático (para não dizer vaidozão) Varoufakis cujo livro «O minotauro global» eu começara a ler com grandes reticências mas, lá para o fim, com verdadeiro interesse. E foi a pensar em tudo isso que me pespeguei frente ao Parlamento a ver os guardas fraldisqueiros naquelas manobras sui generis do render da guarda e outros formalismos verdadeiramente caricatos. É claro que todos aqueles movimentos devem ter alguma razão de ser mas, sem explicações, são simplesmente ridículos.

Traje tradicional grego-1.JPG

Traje tradicional masculino

 

A única explicação que consegui foi a de que aquele era o traje comum dos homens gregos até há cerca de um século com a diferença de que quase todos andavam descalços e que os sapatos (raramente usados) eram de madeira, tinham protectores metálicos e serviam para toda a vida do respectivo… descalço. Imagine-se o martírio que seria ter que calçar socos de madeira quando o uso era andar descalço. Os sapatos dos actuais guardas do Parlamento são normais, de couro, mas têm protectores na ponta do pé e no calcanhar para imitarem o barulho dos antigos socos para toda a vida.

 

E, até prova em contrário, por aqui me fico.

 

Até à próxima e haja saúde!

 

Abril de 2018

Loggia veneziana-Heraklion.JPG

Henrique Salles da Fonseca

(frente à «loggia» veneziana em Heraklion, Creta)

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador


contador de visitas para site

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D