Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

O DITO, O MODO E QUEM

Quem se rege por ideais e dispensa cargos, gere a palavra com a independência que os gestores da circunstância não alcançam.

É fácil o acréscimo de valor quando nos movemos entre parâmetros doutrinários; difícil será acertar um rumo quando se tem uma bússola desmagnetizada. Por isso houve quem certa vez dissesse que sabia o que queria e para onde ia e assim rumasse durante mais de 40 anos sem que os daquela circunstância lhe quisessem mexer[1].

Os ideais devem, contudo, ser pontos no infinito havendo que rumar no seu sentido através de políticas (ditos) humanistas de modo que seja o ideal a servir a pessoa. A rigidez idealista inferniza a circunstância. Daí, o dito (a política) dever ser maleável.

À convivência de vários ideais (e várias propostas de ditos) se chama democracia; o trânsito de meras circunstâncias é quântico e historicamente se conclui com alguém a pôr ordem na confusão. Quis por vezes o Altíssimo que esse ordenante tivesse ideais e que estes fossem benignos; outras vezes, não.

O modo não é indiferente para a qualidade do dito e à rigidez deste se chama ditadura.

Mais vale, pois, que o sistema se ordene por ideais geridos com maleabilidade e por quem tenha de seu e, daí, desapego dos cargos. Assim não sendo, aportamos a África.

Henrique Salles da Fonseca

 

[1] - No Governo da Ditadura Militar não deram a Salazar as condições que ele considerava necessárias para exercer o cargo de Ministro das Finanças, demitiu.se e tiveram que ir busca-lo de novo a Coimbra para o cargo de Presidente do Conselho de Ministros, Aí, foi ele próprio que definiu as condições.

«SYLLOGISMUL INVIDIA» - 3

Regressado à sua dimensão continental anterior à conquista de Ceuta em 1415, Portugal teve rapidamente que «lamber as feridas» integrando meio milhão de civis e militares desmobilizados do Ultramar que de lá vieram com a roupa que traziam no corpo, teve que suportar uma dolorosa tentativa de sovietização, teve que repor a ordem cívica e criar uma democracia pluripartidária.

E a vida continuou…

… na integração europeia, a tal ideia que os soviéticos não toleravam e que, morta a URSS, a orfandade leninista que há tempos usava colarinho azul teima em combater em sintonia envergonhada com os gramscianos, com os eruditos de mania trotskista e com outros filomarxistas de colarinho branco.

Eis-nos, assim, chegados a um novo cenário em que uma crescente burguesia pós-moderna, hedonista, consumista, disputa as luzes da ribalta em confronto mais ou menos aberto com a «esquerda caviar» que se diz puritana mas que, sendo adepta do silogismo da inveja, mais não consegue do que tentar destruir os Valores do Ocidente, a começar pelos padrões da sua História.

A nova parangona marxista aí está, «a dinâmica da História». Mas a História é definitivamente estática depois de ter registado os factos ocorridos. A História é registadora e qualquer outra missão que se lhe queira dar só pode ter como objectivo o apagamento da memória para uma aniquilação civilizacional e uma posterior manipulação de um novo determinismo cultural.

Mas os espectadores não são cegos e já toparam a jogada dando voz – de momento, apenas nos actos eleitorais – às forças que reagem mais abertamente a essa investida demolidora. Contudo, mais do que um putativo confronto físico que as Forças de Segurança sempre conseguirão domar, o perigo  que se perfila está na eventualidade de – por causa da inveja estaminal - a prossecução da busca do bem-comum assente nos valores do humanismo democrático e na economia social de mercado perder o pé no turbilhão que o eufemístico «politicamente correcto» vem acelerando.

E, se isto acontecer em Portugal e no resto da Europa, então, Estimados Leitores, será o

FIM

Março de 2021

Henrique Salles da Fonseca

«SYLLOGISMUS INVIDIA» - 2

Nascida a filosofia marxista, Lenine serviu-se dela para instaurar a ditadura do proletariado e aos brados de «Proletários de todo o mundo, uni-vos», preconizou a sovietização mundial.

A Lenine, seguiram-se lutas tremendas pelo protagonismo de que saiu vencedor Staline e Trotsky exilado e assassinado no México depois de algumas «faenas» com Frida Kahlo.

Não tive o interesse suficiente para tentar identificar a reunião do Comité Central do Partido Comunista da União Soviética (nem sequer imagino se a informação está acessível) em que foi decidido intervir em Espanha com o claro intuito de sovietizar a Península Ibérica e ensanduichar a Europa capitalista levando-a ao colapso e ao predomínio de Moscovo sobre todo o velho continente.

No raciocínio expansionista soviético, uma vez dominada a Europa, o resto seria «trigo limpo». Não foi.

Mas os revezes são atirados para trás das costas e o desígnio fundamental de levar a Europa capitalista ao colapso continuou na «Ordem do Dia».

Falhada a «conquista de Granada», decidiram tomar África para se substituírem às potências colonialistas europeias. Mas tanto Inglaterra como França já tinham dado a independência política (não a económica) às suas colónias e à URSS mais não restou do que apoiar a criação de Movimentos de contestação à presença de Portugal em África. Assim nasceram o PAIGC (Guiné-Bissau), o MPLA (Angola) e a FRELIMO (Moçambique).  Seguiram-se 13 anos de luta armada naqueles três teatros e apenas na Guiné-Bissau é que Portugal não saiu claramente vencedor.

Então, se a URSS nada conseguia de substancial naquelas três frentes de luta, terá sido decidido «cortar o mal pela raiz» levando a cabo um golpe de Estado em Portugal colocando em Lisboa um Governo sovieto-amigável.

Apanhado pelas costas, foi no Largo do Carmo, em Lisboa, que em 25 de Abril de 1974 Portugal perdeu o Império o qual passou, mais ou menos descaradamente, para a esfera soviética.

Entretanto, em 1961 já se tinham passado para outras esferas de influência o forte de São João Baptista de Ajudá (Lomé) e o Estado Português da Índia (União Indiana).

* * *

No ínterim, uma nota que pode parecer extemporânea neste local do presente texto: durante parte substancial do consulado salazarista, o Director dos Serviços de Informações portugueses (PIDE), o Capitão Agostinho Lourenço, era homem de confiança (membro?) do britânico MI6 e, quando deixou de exercer a função em Portugal, foi para Director Geral da Interpol.

* * *

Identificado o «Espírito Santo de orelha» do Doutor Salazar, não admira que naquelas épocas predominasse em Portugal (e, pelos vistos, mãis além…) a opinião de que Bandung e os ditos «não alinhados» não passassem de uma mistificação totalmente manipulada por Moscovo. Disso dão testemunho (gatos escondidos com os rabos de fora) as políticas económicas levadas a cabo por Nehru e por Sukarno nos respectivos países.

CONCLUSÕES:

  1. Os Serviços de Informações do Doutor Salazar não estavam organizados apenas à escala doméstica;
  2. É admissível que o Doutor Salazar se considerasse (e como tal se visse reconhecido internacionalmente) o grande defensor da Europa contra a sovietização do seu «centro do mundo»;
  3. Num transe tido por global, o agredido não podia negociar sem que isso demonstrasse fraqueza;
  4. Quando estava em condições de poder negociar, Portugal capitulou nos bastidores, o Largo do Carmo.

Segue-se a continuação da História…

(continua)

Março de 2021

Henrique Salles da Fonseca

 

«SYLLOGISMUS INVIDIA» - 1

Em ordinário, a língua falada pela ordem comum, a língua vulgar, não especificamente erudita, no nosso caso, o português, o título acima é «O silogismo da inveja». E porquê o título em latim? Por três razões, a saber: porque silogismo é «coisa» que vem da Antiguidade Clássica; porque a inveja é «coisa» muito mais antiga do que a dita Antiguidade Clássica; porque eu quero fugir o mais rapidamente possível do que é ordinário e a inveja é-o, claramente.

Inveja é substantivo mas hoje refiro-me ao adjectivo invejoso que é aquele que não quer que os outros tenham aquilo que ele próprio não tem.

Com esta simplicidade se chega à razão primeira da filosofia marxista. O marxista não quer que os ricos o sejam pois os pobres não conseguem enriquecer. E na visão marxista – estava a dita filosofia a nascer no século XIX, já lá vão quase 200 anos – os ricos eram os causadores da pobreza alheia. Solução? Acabar com os ricos.

Portanto, a inveja é o que está na base da filosofia marxista e para se ser um bom militante marxista tem que se ser um refinado (no sentido de politicamente formatado) invejoso. Tudo o resto são roupagens cujo objectivo consiste em tapar a sua ominosa nudez transformando a genética ordinária em virtuosa estirpe.

Até aqui, tudo semântica mas daqui em diante, «pia mais fino».

Diabolizado o lucro, tanto Lenine como os seus pragmáticos seguidores morderam o anzol que tudo lhes levaria a perder. Sem lucro não há poupança, sem poupança não há investimento, sem investimento não há progresso, sem progresso não há esperança e sem esperança não há sistema político que vingue sustentadamente nem sequer munindo-se de Polícias políticas, de costumes ou outras… Eis o silogismo da inveja que nem as tropelias contra os Direitos Humanos conseguem perturbar eternamente por serem contrárias à essência humana.

E o silogismo conduziu ao ponto mais do que ridículo – e, contudo, dramático para milhões de vítimas – de o determinismo histórico que previa o triunfo do marxismo sobre as ruinas do capitalismo se ter revelado ao contrário da (falsa) profecia com a glória das sociedades livres e socialmente previdentes sobre as ruinas do totalitarismo soviético.

Mas, entretanto, enquanto o pau foi e voltou, em nada folgaram as costas e sobre a Guerra Fria ainda não foi tudo dito. Sem a pretensão de pôr um ponto final sobre esse período da História de que eu próprio sou «documento coevo», direi algo no próximo texto, o do imperialismo soviético.

(continua)

Março de 2021

Henrique Salles da Fonseca

PROSÉLITOS IRREMEDIÁVEIS

Tanto pela doutrina como pela «praxis», sou antinazi. O mesmo afirmo em relação ao comunismo. Devido à ausência de doutrina, basta a «praxis» para me afirmar antifascista.

O nazismo, afirmando a superioridade da «raça alemã» – por clara deturpação do conceito nietzschiano do «Übermensch»[i] - e pugnando pelo domínio alemão das «raças inferiores», merece o meu repúdio. Pese embora eu não ser judeu, quer genética quer religiosamente, nada tenho de antissemita apear de também achar que eles não são «o povo eleito de Deus». A praxis nazi dos campos de extermínio dos «Minderwertige Menschen» (pessoas inferiores) e a conquista do Lebensraus» (espaço vital) para além do território historicamente consolidado da «Vaterland» (Mãe Pátria) com total desrespeito pelos povos vizinhos, são, em resumo, o fundamento do meu asco ao nazismo.

O marxismo é teoricamente mais elaborado que o nazismo mas, querendo acabar com o capitalismo, acabou por contribuir para que este se autocriticasse, se corrigisse e crescesse até à actualidade, nomeadamente pela via da fiscalidade e da segurança social. O marxismo é um absurdo económico e foi (é) submetido a uma «praxis» que dele fez um dos maiores flageloss por que a Humanidade tem passado. A diabolização do lucro está escrita em letras garrafais no epitáfio da economia marxista e os crimes cometidos pelo Poder Soviético contra os Direitos Humanos justificariam a repetição do julgamento de Nuremberga em que, mais do que algum quadro de Direito positivo, prevaleceram critérios inspirados no Direito Natural.

Eis, resumidamente, por que não me limito a ser «não comunista» e me afirmo anticomunista.

Quanto ao fascismo, que defino como «o capricho do ditador», quer de direita quer de esquerda, considero-o «casos de Polícia Psiquiátrica».

E o meu espanto é: - Como é possível, depois de sabermos o que a História nos tem contado, que em pleno século XXI ainda haja quem siga essas ideias e se  dedique ao respectivo proselitismo  não apenas com assiduidade mas mesmo com fervor. Excluo ab initio a idiotia e, portanto, resta a nostalgia de épocas em que prevalecia a propaganda que anunciava «horizontes de esperança» e em que se badalava a fraternidade.  A realidade veio a mostrar horizontes de sucata e tratamentos privilegiados para as «nomenklaturas» partidárias e total desprezo pelas massas populares. A hegemonia intelectual gramsciana revela-se como puro folclore totalmente desenquadrado das realidades macroeconómicas anunciando irrealismos que só conduzem à desagregação social. Mais uma vez, reveja-se a História (neste caso, italiana do pós guerra) em que esse mesmo irrealismo se revelou afugentador das massas populares.

Resta a tradição familiar para justificar atitudes presentes por cópia do que há 50 e 60 anos se tinha por verdadeiro. Só que, entretanto, sabemos que tudo era utopia, propaganda e miséria.

Utopia, porque não se cria um «homem novo» com base na chacina dos opositores; propaganda, porque não é possível assegurar o futuro mentindo durante muito tempo a muita gente; miséria, porque o modelo económico marxista é totalmente absurdo na teoria e na «praxis» castra todo o voluntarismo inovador. Daqui, a desmotivação humana em vez dos falsíssimos «horizontes de esperança».

CONCLUSÃO: sou tão antifascista como sou antinazi e anticomunista.

Agosto de 2020

Henrique Salles da Fonseca

 

[i] Super homem – conceito não rácico em que o homem se eleva acima da média humana pelo nível cultural, pela rectidão, pela coragem…

FASCISMO

Nota prévia – Este é um texto polémico que por certo gerará comentários discordantes não só da minha tese como também entre os próprios comentadores. Como é minha norma, eu lanço o tema para reflexão e debate e, havendo-o, é aos meus leitores que cabe a última palavra.

* * *

Dino Grandi (1895-1988)[i] foi Presidente do Grande Conselho Fascista e Ministro dos Negócios Estrangeiros do populista Mussolini e terá definido[ii] que «Fascismo é a prática do improviso resultante da prodigiosa imaginação do Duce».

Por outras palavras, fascismo é o capricho do ditador.

Daqui se conclui que um Estado governado ao sabor do capricho de alguém, não é um Estado de Direito. O primado do improviso é incompatível com a norma perene, a Lei.

Infelizmente, tanto ao longo da História como mesmo nos tempos modernos, são muitos os exemplos de Estados governados ao sabor do capricho dos respectivos ditadores, ou seja, por regimes fascistas. Limito-me a referir os menos antigos: Mussolini (por definição própria), Hitler, Estaline, Mao Tsé Tung, Franco (nos primeiros tempos do seu regime), Juan Péron, Fidel Castro, Sadam Hussein, Strössner do Paraguai e tantos outros seus contemporâneos na América Latina, todos os Chefes de Estado mais perenes nos Países árabes, Nicolás Maduro, José Eduardo dos Santos, Robert Mugabe e outros que em boa hora esqueço por essa África além...

Não são, pois, arengas de direita ou de esquerda que definem fascismo. Fascismo é a ausência de um quadro jurídico perene que seja universalmente conhecido e aplicado sem procedimentos extravagantes que se lhe sobreponham. O oposto de regime fascista é o Estado de Direito.

Notará o leitor mais atento que na enumeração acima, não refiro o Doutor Salazar.

Seria mentir descaradamente associar o salazarismo à democracia mas é igualmente um absurdo liga-lo ao fascismo.

O chamado Estado Novo (que caiu de velho), praticamente sinónimo de salazarismo, era um Estado de Direito de cariz corporativo e génese autocrática (sem sufrágio universal e transparente) mas publicamente conhecido e universalmente aplicado.

Esta característica da publicidade e da universalidade da aplicação da «sua» Lei exclui o Doutor Salazar das hordas fascistas. Mas recuso-lhe simultaneamente o ingresso no rol dos democratas (por que o próprio nunca se fez passar).

A parangona comunista de «a longa noite fascista» é, pois, uma grosseira mentira. Foi uma «longa noite da democracia», claro, mas sem o tal adjectivo.

Julho de 2020

Henrique Salles da Fonseca

 

 

 

[i] - https://pt.wikipedia.org/wiki/Dino_Grandi

[ii] - Utilizo a expressão «terá definido que… porque perdi a referência à fonte da afirmação e agora a ambliopia impede-me de a procurar. Peço aos meus leitores que me façam a justiça de acreditarem que não inventei a expressão e que a fui buscar a uma fonte segura.

 

NA MORTE DO «BOM-SENSO»

Enviaram-me há dias um vídeo em que um cavalheiro formal e pesaroso anunciava a morte de um seu amigo, o «bom-senso». Sem paciência para figuras de retórica nem para falsos rasgos humorísticos, desliguei.

Mas fiquei a pensar naquilo e quando procurei o vídeo, já não o encontrei. Resta a solução de pensar por mim próprio.

* * *

Na gíria, há uma certa tendência para associar - se não mesmo para confundir - «bom-senso», «senso-comum» e «bem comum» mas desde já faço notar que o «bom» pode não ser «comum» e, vice-versa, o «comum» pode não ser «bom».

Comecemos pelo Dicionário Priberam:

  • Bom-senso – Equilíbrio nas decisões ou nos julgamentos em cada situação que se apresenta;
  • Senso comum –Conjunto de opiniões ou ideias que são geralmente aceites numa época e num local determinados.

Bastou, pois, o recurso ao dicionário para pormos o «senso-comum» fora de jogo – honi soit qui mal y pense – no que respeita à questão do vídeo.

Assim sendo, ficam em apreciação o «bom-senso» e o «bem comum», sempre na perspectiva social, substantiva, de «bom» (daí, o hífen) e de «bem», expressões não adjectivantes.

Estas expressões estão directamente vinculadas ao conceito positivo de «bem social», substantivo, por contraste com «mal social». Mais especificamente, a boa conduta social e à sua oposta, o mau comportamento.

Portanto, o que é a boa atitude social que tem por génese o bom senso?

É aquela que é conforme à harmonia social e se configura pelo altruísmo, pela humildade e pelo sentido do dever[i].

Mas se o pacifismo implícito na harmonia (a da concertação social) for posta em causa pelas doutrinas que têm como base de actuação a luta de classes, o que é bom para uns é mau para os outros e vice-versa. Ou seja, o «bom» transforma-se de substantivo em adjectivo e as características acima referidas transformam-se em egoísmo (vs. altruísmo), em arrogância (vs. humildade) e em irresponsabilidade (vs. sentido do dever), pedras estas que cada facção arremessa à outra.

Isto significa que a cada projecto político corresponde um conceito de bem comum e que a cada um destes corresponde um quadro específico de «bom-senso».

E em democracia pluripartidária é assim mesmo: periodicamente, o modelo de «bem comum» é referendado e ganha aquele a que corresponde a maioria de um certo «bom senso».

Ou seja, o «bom-senso» não morreu, ele apenas é diferente (eventualmente, muito diferente) do da opção do cavalheiro formal e pesaroso do vídeo que não vi na íntegra. Mas, adivinhando, sou capaz de lhe dar alguma da minha simpatia.

Maio de 2020

Henrique Salles da Fonseca

 

 

[i] - O que é que eu posso fazer por ti sem o prejudicar a ele, esse terceiro que até pode não estar identificado?

LE DÉSERT DES CHAMEAUX

Nota prévia: texto originalmente escrito em francês a propósito dos «coletes amarelos» e posteriormente traduzido e adaptado à circunstância portuguesa; mas mantive o título original

* * *

Au désert des chameaux.jpg

Qu'ils sont joyeux au désert des chameaux!

 

Por favor, não confundir Balduíno com beduíno – para além de prestigiado rei da Bélgica no século XX, outro Balduíno houve que foi «só» chefe da Primeira Cruzada e o primeiro rei cristão de Jerusalém; os que cabem na segunda palavra a não confundir, são os calcantes das dunas do Sahara, guardiães de camelos e cumpridores da lógica de Talião.

A actual desorientação europeia resulta muito da destabilização que os beduínos provocam na vida dos balduinistas, mas não só - o relativismo cultural[i], o hedonismo e o silencio em torno da definição do bem comum, são responsáveis por grande parte do resto do desnorte global por que passamos. Abreviadamente, o triunfo efectivo do anarquismo.

Eis por que aqui cabe referir o perigo do mau uso do liberalismo que se transforma em anarquia, a deturpação do uso da liberdade transformada em libertinagem, a autoridade transformada em autoritarismo, a eleição democrática assumida como missão de caudilhismo… Não muito longe do «politicamente correcto» em vigor.

Todos com políticas iguais, apenas discutindo factos e pessoas, conduziram a Europa à vacuidade do debate de ideias. E quando aparece alguém a sugerir a discussão de conceitos que fundamentem políticas, logo o establishment se une ostracizando o inovador, alcunhando-o de extremista ou, no sentido ascendente das hierarquias políticas e muito benignamente, classificando as suas mensagens de SPAM.

Então, o que é necessário é que os dirigentes europeus reconheçam que se equipararam a beduínos e fizeram da Europa o deserto dos camelos, nós.

Dezembro de 2019

Henrique Salles da Fonseca

 

[i] - O relativismo cultural é um processo de observar sistemas culturais sem uma visão etnocêntrica em relação à sociedade do pesquisador, ou seja, realizar a observação sem usar o parâmetro da cultura ocidental. E, com isso, realizar a avaliação sem privilegiar os valores de um só ponto de vista e estruturar o corpo social a partir das suas próprias características. (adaptado da Wikipédia)

OS INTELECTUAIS E A ESQUERDA

ou

OS INTELECTUAIS E A MENTIRA

 

Reformistas ou reformadores opõem-se aos revolucionários, aos que querem não melhorar o capitalismo mas sim suprimi-lo. O revolucionário esforça-se, destruindo o seu meio, para se reconciliar consigo próprio, visto que o homem só está de acordo consigo se estiver de acordo com as relações sociais de que é, quer queira quer não, prisioneiro… O revolucionário não tem outro programa a não ser o demagógico. Digamos que há uma “ideologia”, ou seja, a representação de outro sistema, transcendente ao presente e talvez irrealizável. Mas só o sucesso da revolução permite discernir entre a antecipação e a utopia. Por conseguinte, se ficássemos nas ideologias, juntar-nos-íamos espontaneamente aos revolucionários que normalmente prometem mais do que os outros. É forçoso que os recursos da imaginação levem a melhor à realidade, mesmo desfigurada ou transfigurada pela mentira. Assim se explica o preconceito favorável dos intelectuais a favor dos partidos avançados.

Raymond Aron.jpg

Raymond Aron

In “Memórias”, Raymond Aron, ed. GUERRA & PAZ, 1ª edição portuguesa, Fevereiro de 2018, pág. 129

ADIVINHOS E PROFETAS

Todos queremos mais do que temos e eu, entre outras queixas, tenho a de que na minha putativa longevidade não conseguirei encaixar tudo o que gostaria de estudar - por exemplo, aquela obra em dois tomos de Karl Popper “A sociedade aberta e os seus inimigos”. Já estive com ela várias vezes na mão mas são dois tomos e… afasto-me do escaparate às arrecuas.

Contudo, de forma totalmente inesperada, foi Raymond Aron que a págs. 116 da edição portuguesa das suas “Memórias” me facilitou a vida transcrevendo uma passagem do dito livro, logo da terceira página do primeiro tomo, em que Popper resume o que se propõe fazer com a dita obra: Este livro tenta mostrar que a sabedoria profética é nociva, que a metafísica da História obsta à aplicação do método científico, elemento por elemento, aos problemas das reformas sociais. E esforça-se também por mostrar como podemos tornar-nos fazedores do nosso destino quando pararmos de nos arrogar o papel de profetas.

Pela informação de Aron se fica a saber que Popper se referia com erudição ao falhanço já então previsível da profecia a que há quem chame o determinismo histórico marxista e nós, testemunhas da queda do muro de Berlim e do colapso da URSS, sem erudição, podemos afirmar que Marx foi, afinal, um adivinho que não acertou.

Julho de 2019

Henrique Salles da Fonseca

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D