Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

O ESPANTOSO BOICOTE A QUEM QUIS TRABALHAR

 (*)

Piquete de greve

 

Uma das consequências da liberdade alcançada com o 25 de Abril foi o direito à greve. Assim, desde o 25 de Abril, cada um é livre de aderir à greve ou não aderir.

 

A liberdade é para isso mesmo: para que cada um opte, livremente, pelo quer ou não quer fazer.


Foi o que aconteceu ontem: uns resolveram fazer greve e outros resolveram não fazer greve. Uns e outros estavam no seu direito.


É por isso espantoso que tenha havido grevistas a tentar, por todos os meios, boicotar os que ontem quiseram ir trabalhar.


Ora, 37 anos depois do 25 de Abril, ainda há gente que não percebeu que a liberdade é mesmo para todos, ou seja, que a liberdade pode ser usada também para ir trabalhar em vez de fazer greve.

 

 Aura Miguel

 

RR on-line 25-11-2011

 

(*)http://www.google.pt/imgres?q=piquete+de+greve&um=1&hl=pt-PT&sa=N&biw=1024&bih=735&tbm=isch&tbnid=gKK0nuL3vXhqsM:&imgrefurl=http://travessadenenhures.blogspot.com/2010/11/greve-geral-em-setubal.html&docid=fJMMgiRstEbhOM&imgurl=https://1.bp.blogspot.com/_2KyoHwzS1x0/TO5JZ48FaiI/AAAAAAAAAUQ/5Ct8RIn2Oug/s1600/002.jpg&w=1024&h=687&ei=wzPRTpWoGYXIhAfd7sDGDQ&zoom=1&iact=hc&vpx=512&vpy=204&dur=6159&hovh=184&hovw=274&tx=107&ty=136&sig=108364103958560163334&page=2&tbnh=167&tbnw=243&start=20&ndsp=12&ved=1t:429,r:2,s:20

AS DESVENTURAS DA DEMOCRACIA

 

Portugal e a Europa vivem mudanças ocultas mas radicais na sua política. Estas provêm da degradação das elites e, por reacção, do excesso democrático que reduz a democracia.

A sociedade precisa de elites políticas, culturais, intelectuais e económicas. Destacando-se da população, elas influenciam decisivamente a evolução social. A democracia não se opõe, pelo contrário necessita dessa classe dirigente, desde que seja aberta, móvel, lúcida e respeite as regras. Nem sempre o povo entende o caminho proposto e é normal que desconfie dos líderes. Estes, sob pressão, sentem necessidade de se justificar, corrigir, gerar resultados. Esta interacção saudável entre classes faz a comunidade progredir, mesmo com zangas e lutas.

Um dos maiores dramas sociais é, portanto, a decadência cíclica das elites. Quando tal acontece aparece a tentação de as eliminar. Há 200 anos os jacobinos e há 100 os comunistas disseram criar a democracia perfeita na "sociedade sem classes". Mas a anulação das diferenças é tonta, como impor igualdade de gostos ou alturas. As classes sociais são um fenómeno tão natural como o sono, a família ou a chuva. Este facto, evidente com um mínimo de atenção, é negado em certas épocas mais arrogantes que julgam poder mudar a natureza humana, acabando por sofrer os efeitos do atrevimento.

O pior de tudo é que, ao insistir na tolice de recusar diferenças, se deixa de actuar onde é conveniente e necessário. O esforço de cada época deve ser, não eliminar desigualdades mas injustiças, não erradicar classes mas evitar a sua degradação e promover a mobilidade. Cada grupo deve cumprir o seu dever no bem comum. Os problemas surgem quando, por cobiça ou preguiça, se alteram os papéis sociais. Como disse Confúcio: "Deixem o dirigente ser um dirigente, o súbdito um súbdito, o pai um pai, o filho um filho." (Analectos XII, 11).

O estádio actual da integração europeia manifesta bem o problema. Desde sempre a CEE constituiu um projecto das elites. Os grandes avanços comunitários de partilha de soberania são rasgos de génio de um punhado de líderes que mal conseguiram o apoio alheio e distraído das massas. Os sucessivos tratados europeus foram aprovados de forma expedita, com o povo concordando tacitamente e sem entender bem o que se passava. Houve erros e abusos, mas grandes benefícios.

O sucesso das elites trouxe a desorientação. A arrogância levou-as à fúria do alargamento que mudou para sempre a Comunidade. Pior, embebedadas de euforia, acharam que o povo ia aprovar a malfadada Constituição Europeia. O resultado foi, não mais representatividade, mas a maior crise institucional da Europa que, se vier a ser resolvida, deixará cicatrizes duradouras.

Entretanto, Portugal caía num mal-entendido equivalente. Adoptando eleições directas para escolher os seus líderes, os grandes partidos mudaram para sempre a natureza da política portuguesa. O resultado, como nos EUA, não é mais democracia ou eficácia, mas mais populismo. Isso trará ao poder dirigentes como Clinton e Bush, Menezes e Santana, com relações ambíguas com os aparelhos e as ideologias.

Os efeitos são lentos. Nas primeiras "directas" as elites partidárias pareceram manter o controlo. O sufrágio de 24 e 25 de Setembro de 2004 no PS, com o poder já próximo, levou as massas a apoiar a liderança. O PP seguiu-se a 18 de Junho de 2005, mas com um só candidato indicado pelo congresso. A coisa só foi a sério a 21 de Abril de 2007, mas, regressando o ex-líder, a elite recebeu o benefício da dúvida, tal como antes no PSD, a 5 de Maio 2006. As bases só se atreveram a desafiar os barões, com evidente confusão e despeito destes, a 28 de Outubro de 2007. As recentes eleições no PSD constituem assim o primeiro exemplo claro daquilo que em breve se tornará normal.

A degradação das elites na Europa e Portugal levou ao sufrágio populista, dos referendos e directas. Mas, sem se equilibrar em classes sociais naturais e saudáveis, a democracia cai na oligarquia ou na demagogia. Como veremos por cá nas próximas décadas.

João César das Neves

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D