Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

TEATRO MUITO RÁPIDO

 

NOBLESSE OBLIGE

A cena passa-se no interior nortenho, zona rural abandonada pela sorte desde o tempo dos suevos e dos alanos…

- Olá, bom dia, Senhora! – diz o novo mestre escola da aldeia vizinha.

- Bom dia, meu Senhor! – respondeu a velhota com um molho de carqueja à cabeça.

- A Senhora sabe quem eu sou?

- Não sei, não Senhor, mas se é para me roubar, fique sabendo que não tenho nada que preste e só lhe posso dar esta carqueja que fui buscar aos montes antes que lhe botem fogo.

- Oh! Senhora de Deus! Não pense nisso; eu não faço mal a ninguém! Eu sou o novo mestre da escola da aldeia e ando a dizer às pessoas que já podem voltar à escola.

- Mas eu nunca fui à escola e agora já sou velha para ir aprender isso que o Senhor lá ensina.

- Então, quantos anos é que a Senhora tem?

- Oh meu Senhor: eu casei aos 20, estive casada 50 até que o meu home morreu vai para 15.

- Então, tem 85.

- Seja! Se o Senhor o diz…

- E tem muita família?

- Tenho, mas está quase toda na França. Só cá me deixaram um neto mas esse também abalou para o Porto.

- E que faz ele no Porto, trabalha?

- Não, Senhor, anda na escola. – diz a velhota toda ufana.

- BRAVO! E em que escola anda ele?

- Na escola dos gatunos.

Cai o pano

* * * 

Foi durante uma visita oficial a Trás os Montes no início da década de 80 do século XX que esta história me foi contada como absolutamente verdadeira por quem eu considerava merecedor de todo o crédito, o então Director Regional de Agricultura de Trás os Montes e Alto Douro, Eng. José Herculano Brito de Carvalho.

Setembro de 2019

Henrique Salles da Fonseca

VIANNA DA MOTTA E AS CORRIDAS DE CAVALOS

Columbano_-_Vianna_da_Motta_1923.jpg

José Vianna da Motta - São Tomé, 22 de Abril de 1868 — Lisboa, 1 De Junho de 1948 (80 anos)

* * *

Dizem-me que apareceram há pouco dois manuscritos de Vianna da Motta – partituras, claro – relativas a peças para piano com a informação de que são inspiradas nas corridas de cavalos a que o compositor terá assistido em 1880 em Portugal.

Quem está a estudar as ditas peças estranhou – e por isso me contactou – que elas tenham uma tonalidade e outras características que as associam à música espanhola e mesmo ao folclore cigano. Aproveitava o meu interlocutor para perguntar se as ditas corridas teriam sido realizadas no actual hipódromo do Campo Grande, em Lisboa.

Eis a resposta que dei ao interessado artista:

Exmo. Senhor,

É com todo o gosto que, melómano e cavaleiro, passo a responder às suas questões, em especial ao que Mestre Vianna da Motta possa ter visto.

Assim, começo por dizer que em Portugal nunca houve verdadeiras corridas de cavalos. O que sempre houve (e continua a haver) eram (e são) correrias com pilecas nacionais (não vocacionados para a modalidade) e cavalos estrangeiros de refugo. Nada do profissionalismo inglês nem sequer francês. Nada me espanta, pois, a inspiração espanhola nem sequer a cigana.

Mais: as correrias começaram pelos inícios do séc. XIX em Évora, daí passaram para a Granja de Sintra, daí para Belém e já no reinado de D. Manuel II, para o nosso Long Champ a que chamamos Campo Grande. Sim, no actual jardim, não propriamente no actual hipódromo que era então campo aberto rodeado de azinhagas.

Foi com a urbanização do actual Jardim do Campo Grande que os terrenos seus anexos passaram a ser usados equestremente pelo Jockey Club que iniciou obras de arranjo, nomeadamente pistas de corrida e bancadas (ainda existentes). Realizou uma única jornada de corridas no dia 27 de Junho de 1915 e apresentou-se ä falência.

O local ficou então na posse efectiva do seu proprietário, o Estado Português, até que em 1930 nos foi entregue, à Sociedade Hípica Portuguesa, por arrendamento. Até hoje.

Portanto, em 1880, Mestre Vianna da Motta terá visto umas correrias de muito provável inspiração espanhola e talvez mesmo cigana apesar do afluxo da melhor sociedade de então que de corridas verdadeira NADA saberia. Onde foi que isso aconteceu? Ou na Granja de Sintra ou em Belém. Duvido seriamente de que no Campo Grande.

Tenho para mim que o tom das peças tem tudo a ver com o que o Compositor possa ter visto.

Atenciosamente,

Henrique Salles da Fonseca

«RAINHA JINGA»

Rainha Jinga.png

 

Ao fundo da coxia daquela enfermaria de hospital, depois da última cama, no canto ao lado da grande janela com vista deslumbrante, o cadeirão em que se sentava a «rainha Jinga», aquela Senhora negra de quem nunca soube o nome. Caíra do alto do seu metro e oitenta fracturando a coluna e ali estava entregue à esperança de os médicos conseguirem pô-la de novo em pé. Movimentos entre a cama e o cadeirão executados com a ajuda de um pequeno elevador que alguém manobrava: o marido, que lhe dava as refeições, as filhas e filhos que a toda a hora lhe faziam companhia, as amigas que lhe contavam as histórias que a «rainha» gostava de ouvir, todos a ajudarem, bom ambiente, calor humano.

 

Bata amarela dos Voluntários naquele hospital, baixinha, na casa dos 60, sorriso tímido, em silêncio, a mão acenando levemente a quem estava nas camas por que ia passando, chegou a Senhora, «a senhorinha».

 

O marido da «rainha» teve que ir ali fora ao corredor, a filha que estava presente decidiu ir com o pai comprar não sei quê, a amiga disse que já vinha e a Senhora baixinha da bata amarela, com o seu sorriso tímido, chegou junto da «rainha». Acariciou-lhe a mão inerte e falaram em surdina. Eu estava junto da cama ao lado e não tentei ouvir o que diziam mas sei que rezavam. E rezaram…

 

No final, «a senhorinha» afagou novamente a mão inerte da «rainha», despediu-se de mim com um sorriso tímido e eu fiquei na dúvida sobre se o aceno da sua mão não seria uma bênção. Creio que sim e gostei.

 

Pois é, andam Santos por aí e nós nem damos conta.

 

Abril de 2019

21ABR19.jpg

Henrique Salles da Fonseca

NB: cena real, passou-se em Junho de 2014

TENTAÇÕES MEDIÁTICAS

Assange.png

 

Há temas que habitualmente ladeio por me parecerem menores ou apenas circunstanciais mas, de vez em quando, há um ou outro que inesperadamente chama a minha atenção. É o caso de Assange.

 

E a questão que me coloco é a de saber se Assange é um bandido ou um herói da transparência contra as manigâncias daqueles que estão habituados a manipular o rebanho dos mansos e amorfos. Só que estes mansos e amorfos votam e, portanto, os poderosos não podem prescindir deles num processo que se diz democrático.

 

E, de preferência, querem-nos – aos mansos e amorfos - devidamente manipulados, bem mansos e bem amorfos, distraídos.

 

A confirmar-se uma circunstância deste género, a da manipulação, quero crer que Assange deve ser considerado um herói.

 

Mas – e lá vem o tal «mas» que sempre existe – há questões legais (e éticas, haverá?) que o incriminam. E parece serem muitas, essas questões desde a invasão da privacidade individual até à extorsão e outras coisas horríveis…

 

Fica agora a minha dúvida sobre se este monte de ilegalidades de que o acusam não será, afinal, o castelo defensivo dos tais poderosos que se estão a ver descobertos e, apressadamente, o querem calar a todo e qualquer preço.

 

Por muito que venham por aí agora todas as costumeiras parangonas a dizer que o tipo é um bandido, eu fico na dúvida.

 

Mas, cautelosamente e por enquanto, não ponho as mãos no fogo em sua defesa. Por enquanto…

 

Idem, para com Rui Pinto.

 

13 de Abril de 2019

Bondi-2017.JPG

Henrique Salles da Fonseca

(arredores de Sidney, pelas terras de Assange)

AH! MAFAMEDE, MAFAMEDE…

… VALHA-ME SANTA LUZIA!!!

Santa Luzia.png

 

Foi por terras de Mafamede que me lembrei de Santa Luzia.

 

Santa Luzia de Siracusa (~283-304), Santa da Luz segundo a tradição da Igreja Católica. Mesmo sem olhos, nascida numa família rica de Siracusa, foi venerada como virgem e mártir cristã que, segundo consta, morreu durante as perseguições do imperador Diocleciano.

 

Na antiguidade cristã, juntamente com Cecília, Águeda e Inês, todas elas atempadamente canonizadas, a veneração a Santa Luzia foi das mais populares e, como as primeiras, tinha ofício próprio chegando a ter vinte templos em Roma nomeados em sua devoção.

 

O episódio da cegueira, ao qual a iconografia a associa, deverá estar ligado à faculdade espiritual de captar a realidade sobrenatural. Por este motivo, Dante Alighieri, na Divina Comédia, lhe atribui a função de «graça iluminadora».

 

E assim foi que ficou como padroeira dos amblíopes, zarolhos, cegos e, claro está, dos oftalmologistas – e presumo que dos optometristas, oculistas e outros que tais…

 

E porque foi em terras de Mafamede que me vi metido em trabalhos com o meu olho direito, lembrei-me dela. E muito!

 

Então, foi assim…

 

… meti-me a fazer um rally pelas dunas do deserto do Dubai e na manhã seguinte apareci com a sensação de que ia fazer um treçolho. Só que não tinha a pálpebra inchada. O pseudo-treçolho desapareceu mas surgiu uma mancha opaca. No hospital do barco deram-me um antibiótico oftálmico e um anti-inflamatório. Assim me tratei até ao final do cruzeiro (rejeitei uma ida a um oftalmologista em Aqaba) e apresentei-me no Banco do Hospital de Santa Maria no dia seguinte à chegada a Lisboa. Médicos em polvorosa a espreitarem cá para dentro, análises (normais), TAC (normal), ida à Neurologia (saído limpo)… mais análises na manhã seguinte mas, entretanto, tome lá isto mais aquilo. E tomei. Vá ter connosco ao «Instituto Gama Pinto». Fui. Devo ter sido observado por cerca de uma dúzia de especialistas. Absolutamente formidável a atenção que me dispensaram. Derrames e inflamações desde a córnea ao disco e ao próprio nervo óptico. Como acontece uma coisa destas? Sabemos lá! Vi-os «à nora» e foram muito sinceros (e sérios, claro!): Quando não sabemos o que fazer, receitamos cortisona. Tome isso! Tomei tudo nas doses prescritas.

 

Voltei lá hoje e viram-me pormenorizadamente. Que estou incomparavelmente melhor. Reduziram-me a medicação. Posso montar de novo a cavalo mas com cautela. Querem ver-me no final do mês e então é que se vai ver quanta visão mantenho no olho afectado. A ver, como se diz em Oftalmologia.

 

Valham-me Santa Luzia e os médicos do Gama Pinto.

 

Sim, quem se mete por terras de Mafamede… é como quem adormece com crianças, sai húmido.

 

Lisboa, 11 de Abril de 2019

 

Arábia-3.png

Henrique Salles da Fonseca

 

BIBLIOGRAFIA:

Wikipédia, sobre Santa Luzia

 

 

DA PRIORIDADE AOS «PRIORITÁRIOS»

Mega carrinho de bébé.jpg

 

Querendo entrar no elevador de «Aquele sítio que todos conhecem», em Lisboa, diz a jovem mãe a empurrar um carrinho de bébé: - A Senhora tem que sair para eu entrar.

Respondeu a interpelada: - Ora essa, eu já cá estou dentro por direito próprio, a prioridade aos prioritários é no acesso e um carrinho de bébé não corresponde a qualquer urgência e muito menos a uma emergência.

Continua a jovem mãe: - A Senhora pode ir pelas escadas.

Responde a interpelada: - E a Senhora sabe se eu posso mesmo ir pelas escadas? Passo-lhe já a dôr neuropática e a catrefada de remédios que tenho que tomar diariamente.

 

Os demais passageiros puseram fim à conversa e a jovem mãe ficou à espera de exercer o seu direito de prioridade no acesso ao elevador na próxima vez que ele ali parasse com espaço suficiente para ela poder entrar.

 

  • Deve ser dada prioridade aos prioritários no acesso aos equipamentos de uso público (p. ex. elevadores, carruagens, autocarros, eléctricos, etc.);
  • Salvo casos de emergência evidente de um prioritário, quem já se encontra dentro do equipamento não tem que sair para que entre um prioritário não-emergente pois a presença dentro do equipamento consubstancia um direito adquirido pelo não-prioritário;
  • Havendo lugares reservados a prioritários, os utentes não-prioritários estão logicamente proibidos de ocupar esses lugares mas não têm que ceder lugares comuns a prioritários em demasia relativamente aos lugares que lhes estejam reservados;
  • Carrinhos de bébés e cadeiras de rodas são não-emergentes.

 

Se a lei não trata disto, deveria tratar.

 

Março de 2019

Rua mais estreita de Estocolmo.JPGHenrique Salles da Fonseca

CRISTIANO RONALDO

Ronaldo.jpg

 

Estranhará o meu Leitor que refira este simpático personagem do futebol mundial mas faço notar que nos meus escritos cabem todos os assuntos que respeitem à nossa Nação e Ronaldo é inultrapassável nesse tema.

 

E, isto, apesar de eu não ligar absolutamente nada à «indústria de bafordos».

 

Contudo, para se entender esta minha entrada, basta que eu refira algo tão simples como: quando nas minhas viagens por esse mundo além, me perguntam donde sou e eu respondo que de Portugal, logo referem Ronaldo com largos sorrisos e demais sinalética de evidente simpatia [1].

 

Então, o que hoje refiro é o espanto que se apoderou de mim quando, indo ao Google à procura de «escritores portugueses», me deparei com Cristiano Ronaldo.

 

Bouche bée, não desisti e cliquei nalgumas entradas que me foram apresentadas. Poderia ter ficado a saber muito sobre os golos, as namoradas, os filhos, os carros e etc. mas confesso que não o fiz. Entretanto, não encontrei a mais pequena referência a uma só linha que o nosso (sim, ele é nosso, português) simpático e importante atleta alguma vez tenha escrito.

 

Admito que a minha busca possa não ter sido exaustiva mas, compreenderá o Leitor, a expectativa comum sobre Ronaldo não é no campo da literatura e é, sim, no do futebol. Vai daí, desisti.

 

Conclusão: o Google não é infalível – até prova em contrário.

 

Janeiro de 2019

Urinol público Estocolmo.JPG

Henrique Salles da Fonseca

 

[1] - Há uns quantos anos, o personagem logo referido em circunstâncias semelhantes era Luís Figo, donde vem a simpatia que por ele continuo a nutrir

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D