Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

PELO TOQUE DA ALVORADA - 17

Hoje, acordei a lembrar-me de um pensamento de André Maurois que li algures no qual – se não me engano muito - ele considera que a paz amolece os povos como aconteceu com os Celtas britânicos que perderam a sua tradicional vitalidade com a longa paz que os romanos lhes proporcionaram. Logo de seguida me lembrei de que todos conhecemos a Civilização de génese ateniense e tendemos a esquecer a homóloga espartana. Ou seja, mais vale viver em paz e manter uma reserva aguerrida, essa a que chamamos Forças Armadas. E que estas não amoleçam para que o povo não tenha que ir às armas.

NONSENCE SUI GENERIS

ou

TUDO NOS EIXOS

Qualquer dia vem aí a vassourada

E as feministas vão para a tropa,

Os Mamadous são recambiados

Para os Senegais, SenegâmbIas

E quejandos Okavamgos

E a núvem que faz neve em Cascais enegrece

E nós faremos bonecos de carvão

Do pó das centrais do Xi Jin Ping.

Aí, chateado, faço lume na bomba de neutrões

Sobre Xangai

E os passarinhos voltam a poisar

Nas balaustradas da Ponte do Freixo.

E assim, sim, fica tudo nos eixos-

ÁMEN!

PORQUE HOJE É DOMINGO

Hoje, lembrei-me duma expressão que em tempos li algures dizendo que «a remembrance requires prudence» (1).

Para além da beleza fonética, ficou-me a ideia de que é necessário sermos prudentes quando puxamos pelas memórias para que a imaginação não deturpe o passado, para que vejamos hoje a realidade que foi sem os calores da circunstância, para termos uma visão desapaixonada do passado, para que fiquemos em paz com o que aconteceu nas nossas próprias vidas e na de todos, a História.

E por que é que hoje me lembrei disto? Porque hoje é Domingo e me sinto em paz.

18 de Julho de 2021

Henrique Salles da Fonseca

(1) - Talvez num livro de Henry David Thoreau mas a prodência sugere-me que não insista na referência

«FANIE» (conclusão)

Soe dizer-se «a pedido de várias famílias» quando já não conseguimos identificar todos os pedidos de… qualquer coisa. No caso presente, fica, pois, o registo do pedido do meu Amigo Carlos Prieto Traguelho quanto ao modo como o Sô Manel se desenrasca sozinho e ficam sem menção especial os relativos à situação actual da «Fanie». Mais aproveito para informar neste breve intróito que a fantasia ficou lá a trás no texto inicial.

* * *

Cego que se prese usa bengala como valiosa substituta dos olhos falidos. E foi isso mesmo que fez o Sô Maneç durante uns tempos depois de a «Fanie» ter regressado à escola de cães-guia mas, por alguma razão que me escapou, decidiu abandonar o «varapau». Passou então a aceitar a boleia de quem segue na direcção que ele quer. Mas – e há sempre algum «mas» - poucas são as pessoas que sabem conduzir cegos: ou andam muito depressa, ou pegam no braço do cego, ou se esquecem de avisar da presença de um degrau,… Uma molhada de bróculos. 

E, contudo, é muito fácil conduzir um cego:

1º- Deixe que seja o cego a pegar no seu braço ou ombro, não o contrário;

2º- Não puxe o cego, iguale a sua velocidade em relação à dele;

3º- Passe longe dos postes e outros obstáculos pois o cego vai ao seu lado e não a trás de si;

4º- Avise da existência de degraus.

Aos poucos, as pessoas da aldeia já vão sabendo destas normas e o Sô Manel já vai dando muito menos tropeções do que de início. Tout s’arrange…

E a «Fanie»?

Perguntei directamente ao Sô Manel quando, em Julho passado (2020)k também eu quase cego, nos encontrámos na esplanada.

- Mas que coincidência o Senhor perguntar-me por ela e eu ter telefonado ontem a saber se estava tudo bem. Que sim, tem estado como «mestra» de alunos cachorros mas há uma semana que está de licença de parto. Teve uma ninhada de seis canitos pretos, quatro meninos e duas meninas.

HAPPY END

Setembro de 2020

Henrique Salles da Fonseca

 

«FANIE»

 

Canez, a fala dos cães.

O Sô Manel é o cego da aldeia. Cegou já adulto tardio, está reformado com modesto conforto. Embarcadiço que foi, conheceu o mundo mas, agora, o seu mundo é a aldeia e, mesmo assim, nem toda – fica-se pelo parque central e respectivos limites pois mora do lado sul e o café a que vai diariamente fica no do norte. Não lhe conheço família mas pelo modo como veste, adivinho que tenha quem por ele veja e dele cuide – um cego não acerta nas cores nem engoma correctamente os vincos da roupa. Mas o que mais dá para ver na sua indumentária é o boné. Deve ter sido comprado nalgum porto inglês e estou mesmo a imaginar um Lord britânico gorducho e de grande bigodaça à caça do «famoso grouse» debaixo de um boné daqueles. Mas o Sô Manel não caça e limita-se a tomar um café simples, sem «mosca»[i] nem outros baptismos.

O seu luxo era «Fanie», a cadela guia que o levava de casa ao café e de volta[ii].

Preta, raça Labrador, de meia idade, bem tratada, lembrava-me o tal Lord da bigodaça, estava gorducha.  O seu trabalho diário limitava-se a conduzir o dono ao café e volta numa distância total de menos de trezentos metros. O resto do tempo passava-o a comer, a dormir e a fazer mimos ao dono. Pouco se mexia e o Sô Manel achava que a cadela estava a ficar farta daquela vida, vida estúpida para qualquer cão. E começou a pensar que não tinha o direito de submeter a cadela a tanta desmotivação. Pensou soltá-la no parque mas logo imaginou a canzoada labrega da aldeia à volta dela a tentar indecências na via pública e afastou a ideia. A «Fanie continuava a usar o quintal da casa para as suas precisões.  E de ideia em ideia, foi rejeitando todas as hipóteses sem descortinar uma que lhe agradasse e pudesse dar alguma alegria
a sua amiga. Sentia que a neura avançava pela vida da «Fanie» e desesperava-se com tentar retribuir a bondade da cadela. Ele não se dava ao direito de causar neura a quem só lhe fazia bem. E tomou a decisão: devolveria a «Fanie» à escola dos cães-guia se lhe garantissem que ela ficaria como «mestra» dos cães alunos e que não voltaria a ser submetida a um suplício neurótico a guiar algum cego de mau feitio. Ele próprio havia de se desenrascar sem guia. Já conhecia bem o caminho, tinha um ou outro ponto de referência pelo tacto, contava os passos, ia libertar a cadela.

Telefonou para a escola, obteve a garantia que pediu, combinaram a data e a hora em que estariam na esplanada do café para a «Fanie» regressar à sua origem dos tempos infantis.

Nessa tarde, como sempre, lá foram até à esplanada mas a certa altura, o Sô Manel ouve vozes desconhecidas e sente a cadela a mudar de rumo. Assusta-se e grita: -Fanie, Fanie, para onde vais que me desgraças? Mas logo uma das tais vozes desconhecidas lhe disse que não havia perigo, que o cão estava a desviar-se das obras que estavam a fazer no passeio para os carros não voltassem a estacionar ali e os peões pudessem deixar de andar na estrada.

-  E logo isto havia de acontecer no próprio dia em que combinei mandar a «Fanie» embora! – cogitava o Sô Manel  - Isto tem mensagem… deixa cá compensar o pobre animal pelo berro que lhe dei. – e assim foi que, chegados à esplanada, para além do seu café, encomendou um «bolo de arroz» para a sua amiga. Esta, gulosa, tragou-o num instante quase não dando tempo de abanar o rabo. Vai daí, regressou a rotina e, com ela, o seu par, o tédio. E a sempre presente paciênte bondade de «Fanie» com a mão mole do dono ao longo do dorso numa festa suave…

Até que chegou o dia combinado para a cadela mudar de vida.

Estranhamente, o dono metera quase todos os seus brinquedos (todos menos um dos mais pequenos) num saco grande de supermercado. Não percebia o que se estava a a passar mas lá cumpriu a sua missão até ao outro lado do parque. Lenta, paciente e bondosamente (sem bulhas com gentes nem cães), chegaram à esplanada, tomaram café e «bolo de arroz» sem perceber mas sem perguntas e ali ficaram com as pessoas do costume a dizerem as baboseiras do costume mas o saco dos brinquedos e o «bolo de arroz»…???

Foi então que chegou um carro com o escrito «Escola de cães-guia» que parou ali mesmo à frente. Um rapaz e uma rapariga apearam.se e, mesmo antes de cumprimentarfm o Sô Manel, a rapariga pôs um joelho no chão em frente da «Fanie», afagou-he a cabeça com as mãos por baixo das orelhas, deu-lhe uma pequena turra testa com testa, disse qualquer coisa e a cadela, como só as «mulheres»  sabem fazer, emitiu um gorjeio que toda a gente percebeu ser um choro de felicidade. Era a sua antiga dona nos tempos em que era cachorrinha. O rapaz deu-lhe uma bolacha daquelas de que os cães mais gostam e só então disseram ao Sô Manel que já ali estavam. Cumprimentos feitos, palavras de circunstância, troca dos documentos da identidade da cadela e despedidas rápidas. Ao Sô Manel tremeu-se-lhe o queixo, formou-se-lhe uma bola na garganta, engoliu um soluço e estendeu a mão para afagar o dorso da sua amiga preta mas a cadela já lá não estava. À janela traseira do carro, a «Fanie» sorria como só os cães felizes sabem sorrir.

O Sô Manel ainda sibilou «Fanie, Fanie», meteu a mão no bolso e afagou o pequeno brinquedo que cativara à sua amiga.

Na esplanada fez-se silêncio e naquele dia os donos do estabelecimento ofereceram o café e o «boço de arroz». É que, por ali, todos sabem que em canez, bondade se diz «Fanie».

~

Setembro de 2020

Henrique Salles da Fonseca

NOTA FINAL – Esta história é quase verdadeira; a fronteira com a fantasia situa-se onde o leitor quiser

 

[i] - Vinho moscatel de Setúbal

[ii] - Sugiro a quem ne lê que não se assuste com o tempo pretérito da frase

«EPPUR SI MUOVE»

Galileu.png

- E, contudo, ela move-se – disse Galileu depois de ter sido obrigado a abjurar a sua teoria de que a Terra gira em volta do Sol. Abjurou, sim, mas salvou a pele.

Conta-se a história de dois amigos que foram ao funeral de um terceiro e que, convidados a proferirem palavras de encómio ao defunto, concluíram que, com a morte do amigo, à Terra restava a hipótese da implosão. E, uma vez concluídas as exéquias, um deles pergunta ao outro o que é que ele gostaria que se dissesse quando morresse. A resposta foi imediata: - Mexeu-se!

* * *

Quem nasce, vive e morre. O nascimento é uma ocorrência partilhada com a mãe; a vida é eminentemente social; a morte é o único acontecimento exclusivo, não partilhado. A morte pode ser testemunhada mas não é partilhada. Pode haver várias mortes simultâneas mas cada uma é ocorrência exclusiva.

A vida para além da morte é matéria de fé, não é chamada para este escrito.

«Eppor», se o “A bem da Nação” tiver uma certidão de óbito, isso não impedirá que, esporadicamente, se mexa numa vida para além da morte. Mas disso dará sinal.

Como assim? Limitações de um amblíope.

A ver…

Janeiro de 2020

21ABR19.jpg

Henrique Salles da Fonseca

E PORQUE HOJE É DOMINGO…

… ouso discorrer sobre coisas acerca das quais pouco (ou nada) sei

 

  1. Diz Christine Lagarde que o BCE está a estudar o tema das criptomoedas a fim de saber quais as virtualidades e riscos da criação do Criptoeuro – mais correctamente, de uma criptomoeda denominada em Euros. Como quem diz, «se não os podes vencer, junta-te a eles». Sim, parece-me bem, até porque há que estudar para reduzir as probabilidades de erro aquando da tomada da decisão. Mas haveria alguém que pensasse decidir sem estudar?
  2. Joacine exaltou-se e, em bom português, parece que «atirou com os aparelhos ao ar» - que tudo são mentiras e que está a ser alvo de perseguição política. Também terá dito que «a renúncia ao mandato está fora de questão». Ora, sendo nominativo, o mandato de Deputado é dela e não do Partido com quem está cada vez mais de candeias às avessas. Confirmada a ruptura, o «Livre» perde a totalidade da representação parlamentar, sai de São Bento e vai lamber as feridas para outro lado. Quanto à Deputada Joacine, passa a independente ou integra-se nutra representação parlamentar que a queira aceitar. Por exemplo, se o «Chega» a aceitasse, veria a sua representação parlamentar crescer 100% e adquiria por módica quantia «uma molhada de brócolos».

Janeiro de 2020

Henrique Salles da Fonseca

COSIMA, A CRONISTA

Hans von Bülow deu-lhe três filhas e Richard Wagner mais duas e um filho, Siegfried. E isto, tendo o que à época se dizia uma «cara de cavalo». Teria por certo outras virtudes.

Cosima Wagner.jpg

 

Passou à História da Cultura Alemã como Cosima Wagner mas se não fosse a austeridade teutónica, teria por certo assumido o nome completo de Cosima Francesca Gaetana (nomes próprios), d’Agoult et Flavigny (da mãe), Liszt (do pai), von Bülow (do primeiro marido) e Wagner (do segundo marido). Com um nome desses, haveria de parecer espanhola ou viúva americana.

Nasceu em Bellagio, Itália, em 24 de Dezembro de 1837 e morreu aos 92 anos de idade em Bayreuth em 1 de Abril de 1930. Entre a morte de Richard Wagner em 1883 e 1914, assumiu a direcção do Festival anual no teatro que ajudou a erigir.

Não fora o seu diário e ter-se-ia perdido muita informação sobre si própria e, principalmente, sobre as personalidades que a rodearam ao longo da vida, nomeadamente Nietzsche. Ela terá sido a única pessoa por quem o filósofo se apaixonou. Não consta que o vice-versa tivesse fundamento. Mas foi ela que interpretou ao piano várias composições musicais de Nietzsche e estas não ficaram para a História se bem que uma ou outra tenha chegado a ser orquestrada.

No meio da paixão (não correspondida), Nietzsche decidiu fazer de Cosima uma escritora sugerindo-lhe que passasse a um estilo mais contido, sem tantas exclamações como Oh! e Ah! e construindo frases mais curtas. Ou seja, pedindo-lhe que deixasse de ser o que ela era. Felizmente, Cosima também não correspondeu a estas sugestões e manteve-se fiel a si própria até ao fim. Para o bem das crónicas que nos legou.

Cosima, a cronista de virtudes ocultas.

Novembro de 2019

Henrique Salles da Fonseca

NOTA: Para saber mais, ver, por exemplo, em

 http://www.archivowagner.com/indice-de-autores/93-indice-de-autores/k/kraft-zdenko-von-1886-1979/270-los-diarios-de-cosima-wagner

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D