Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

OS INTELECTUAIS E A ESQUERDA

ou

OS INTELECTUAIS E A MENTIRA

 

Reformistas ou reformadores opõem-se aos revolucionários, aos que querem não melhorar o capitalismo mas sim suprimi-lo. O revolucionário esforça-se, destruindo o seu meio, para se reconciliar consigo próprio, visto que o homem só está de acordo consigo se estiver de acordo com as relações sociais de que é, quer queira quer não, prisioneiro… O revolucionário não tem outro programa a não ser o demagógico. Digamos que há uma “ideologia”, ou seja, a representação de outro sistema, transcendente ao presente e talvez irrealizável. Mas só o sucesso da revolução permite discernir entre a antecipação e a utopia. Por conseguinte, se ficássemos nas ideologias, juntar-nos-íamos espontaneamente aos revolucionários que normalmente prometem mais do que os outros. É forçoso que os recursos da imaginação levem a melhor à realidade, mesmo desfigurada ou transfigurada pela mentira. Assim se explica o preconceito favorável dos intelectuais a favor dos partidos avançados.

Raymond Aron.jpg

Raymond Aron

In “Memórias”, Raymond Aron, ed. GUERRA & PAZ, 1ª edição portuguesa, Fevereiro de 2018, pág. 129

MOVENDO MONTANHAS

No seu livro «O mundo como vontade e representação», Schopenhauer considera que o que conhecemos através dos nossos sentidos, o conhecimento empírico, é a simples representação das coisas mas que a realidade dessas mesmas coisas é praticamente inacessível ao comum dos mortais.

Daí, Sue Prideaux, na sua biografia sobre Nietzsche intitulada «EU SOU DINAMITE» afirmar no final da pág. 69 que…

Toda a vida é anseio por um estado impossível [o da compatibilização entre a representação e a realidade] e, por conseguinte, toda a vida é sofrimento. Kant escreve de um ponto de vista cristão que tornava suportável o estado sempre imperfeito e sempre desejoso do mundo empírico porque seria possível esperar uma espécie de final feliz, caso se fizesse o esforço suficiente. A redenção era sempre possível através de Cristo.

* * *

Esta «saída» kantiana faz-me lembrar que só a fé move montanhas.

 

Julho de 2019

21ABR19.jpg

Henrique Salles da Fonseca

 

MANIAS AO DOMINGO

pares-idosos-em-uma-caminhada-32255200.jpg

 

O mundo é uma velha cena ensanguentada,

Coberta de remendos, picaresca;

A vida é chula farsa assobiada,

Ou selvagem tragédia romanesca.

 

Eu sei de um bom rapaz, — hoje uma ossada —,

Que amava certa dama pedantesca,

Perversíssima, esquálida e chagada,

Mas cheia de jactância quixotesca.

 

Aos Domingos a Deia, já rugosa,

Concedia-lhe o braço, com preguiça,

E o dengue, em atitude receosa,

 

Na sujeição canina mais submissa

Levava na tremente mão nervosa

O livro com que a amante ia ouvir missa!

Cesário Verde

A PARTICULAR BELEZA DO TEMPO

Dalì-la-persistenza.jpg

 

The chief beauty about time is that you cannot waste it in advance.


The next year, the next day, the next hour are lying ready for you, as perfect as unspoiled, as if you had never wasted or misapplied a single moment in all your life.


You can turn over a new leaf every hour if you choose.

Arnold Bennett.jpg

Arnold Bennett

(1867, UK- 1931, UK)

 

ESCRITORES QUASE ESQUECIDOS - 8

Poilão.jpg

 

UM VELHO POILÃO

 

O tempo fez-me vergar

E as minhas raízes saltar,

Agarro-me ao que de mim resta

E tento reconhecer a minha geração

Neste carnaval de extrema solidão.

No meu reino, tenho pesadelos:

Tractores de dentes aguçados;

Ávidos lenhadores de machado em punho.

Meus adoradores

Miram o meu tronco carcomido pelo tempo

À espera da queda fatal.

Angustiado sonho como os belos tempos,

Vejo os meus braços verdes,

O meu tronco firme

Ostentando uma cabeça frondosa

De cabelos encarapinhados

Simulando perfis ocos

De rostos apinhados.

Ainda recordo

As sombras que dei,

Histórias de amor, noites de fogueira...

Quantas não assisti?

Fui símbolo de amor proibido

 

Odete Semedo.jpg

Odete Semedo

(Guiné-Bissau)

 

LOULÉ NO PERÍODO MUÇULMANO

Loulé árabe.png

Al-'Ulya' »»» Loulé

 

Com a chegada dos Muçulmanos no século VIII, nasce a urbe que virá a gerar a cidade histórica actual. Al-'Ulya' (Loulé) é-nos descrita, pela primeira vez, nas vésperas da reconquista cristã, nas crónicas árabes de Ibne Saíde e Abd Aluhaid como sendo uma pequena Almedina (Cidade) fortificada e próspera, pertencendo ao Reino de Niebla, sob o comando do Taifa Ibne Mafom.

 

Esta descrição não deixa de ser relevante apesar dos cronistas, na alusão à Al-'Ulya', se terem preocupado em focar aspectos do estatuto urbano e valor estratégico da Almedina omitindo por completo qualquer tipo de menção sobre o traçado urbano e arquitectónico.

 

A segunda metade do século XII e princípios do século XIII foi uma época marcada por grande instabilidade política e militar no mundo islâmico com dissensões internas que se reflectem em todo o Garb Andaluz, assistindo-se a um movimento generalizado de construções militares.

 

É bem possível que Al-'Ulya' tenha sido fortificada durante este período.

 

Autores de renome como David Lopes, seguido por Garcia Domingues e José Pedro Machado identificaram o topónimo com uma origem árabe que se radica em significados que remetem para altura, como elevação, colina ou outeiro, donde as formas atestadas no árabe Al-‘Ulyã e Al-‘Ulya teriam evoluído até à forma actual Loulé.

 

(gentileza de Margarida Castro e Álvaro José Ferreira)

 

 

RUI KNOPFLI - AUTO-RETRATO

Rui Knopfli.jpg

 

De português, tenho a nostalgia lírica de coisas passadistas,

de uma infância amortalhada entre loucos girassóis e folguedos,

a ardência árabe dos olhos, o pendor para os extremos:

da lágrima pronta à incandescência súbita das palavras contundentes,

do riso claro à angústia mais amarga.

De português, a costela macabra, a alma enquistada de fado,

resistente a todas as ablações de ordem cultural

e o saber que o tinto, melhor que o branco, há-de atestar a taça na ortodoxia

de certas vitualhas de consistência e paladar telúrico.

De português, o olhinho malandro, concupiscente e plurirracial,

lesto na mirada ao seio entrevisto, à nesga de perna, à fímbria de nádega,

a resposta certeira e lépida a dardejar nos lábios,

o prazer saboroso e enternecido da má-língua.

De suíço tenho, herdados de meu bisavô, um relógio de bolso antigo

e um vago, estranho nome.

 

RUI KNOPFLI

(1932–1997), viveu em Moçambique até 1975, um dos nomes mais importantes da vida cultural moçambicana. Consciente do labor poético, nunca cedeu a imediatismos portadores de ideologias, mantendo a sua independência artística, autonomia e, decerto, exclusividade. Autor bipátrida, cuja obra, para além de outros temas, denuncia uma procura sempre aflita de raízes e identidade (a nível pessoal e literário). Hoje em dia recuperado pela voz de novas gerações de poetas. Dentro da sua obra destacam-se as coletâneas «O País dos Outros» (1959), «Mangas Verdes Com Sal» (1969), «Memória Consentida», «20 Anos de Poesia – 1959/1979» (1979), «O Monhé das Cobras» (1997).

 

ANONIMANDO…

CARNAVAL DE VENEZA

 

carnaval-veneza.jpg

 

O rosto da mulher estava tapado por uma máscara, mas a minha imaginação desenhava-lhe as feições. Mascaradas, todas as mulheres se transformam em beldades famosas que todos os homens conquistam pelo seu encanto. A mulher com quem dançava pôs-se a fazer-me perguntas em italiano. Se eu dissesse uma palavra, todo o país ficaria ao corrente de que eu era americano.

- Ah! – exclamou ela numa voz cantante. – Esperava que fosse chinês.

- Então, sou chinês – disse eu em italiano.

- Sou condessa – disse com orgulho. – A minha família descende do décimo segundo Doge.

- É verdade? – perguntei.

- Esta noite, tudo é verdade. No Carnaval, todas as mulheres são condessas.

O meu italiano tinha chegado aos seus limites, assim, falei-lhe em inglês.

- A máscara torna a mentira mais fácil?

- A máscara torna a mentira necessária – respondeu-me.

- Então, não é condessa.

- Sou condessa, todos os anos, na mesma noite. E espero que toda a gente me preste as homenagens que mereço.

Dei um passo atrás e fiz-lhe uma profunda vénia.

- Minha condessa adorada.

- Meu servo – disse ela e, fazendo uma reverência, desapareceu na multidão.

 

MÚSICA DE PRAIAPat Conroy - Círculo de Leitores, ed. Setembro de 1996, pág. 62

 

 

ESCRITORES QUASE ESQUECIDOS - 5

 

 

Violante do Céu.jpg

Violante do Céu

(Lisboa, 30 de Maio de 1601 (07?) – Lisboa, 28 de Janeiro de 1693)

 

Um de seus poemas já conhecidos (outros haverá por descobrir…) intitula-se abreviadamente «Vozes de uma dama defunta» mas por extenso é…

Vozes de uma dama desvanecida de dentro de uma sepultura que fala a outra dama que, presumida, entrou numa igreja com os cuidados de ser vista e louvada de todos; e se sentou junto a um túmulo que tinha esse epitáfio que leu curiosamente:

 

Ó tu, que com enganos divertida

Vives do que hás-de ser tão descuidada,

Aprende aqui lições de escarmentada,

Ostentarás acções de prevenida.

 

Considera que em terra convertida

Jaz aqui a beleza mais louvada,

E que tudo o da vida é pó, é nada,

E que menos que nada a tua vida.

 

Considera que a morte rigorosa

Não respeita beleza nem juízo

E que, sendo tão certa, é duvidosa.

 

Admite deste túmulo o aviso

E vive do teu fim mais cuidadosa,

Pois sabes que o teu fim é tão preciso.

 

* * *

 

Para saber mais, ver por exemplo em

http://alfarrabio.di.uminho.pt/vercial/violante.htm

 

Dezembro de 2018

Jakarta - 3 (SET18).jpg

Henrique Salles da Fonseca

(Jakarta, SET18)

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D