Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

O CENTRO É PRECISO

 

Houve tempos em que a Terra ocupava o centro do Universo e este girava à volta dela, mas o Copérnico e o Galileu mostraram, através das mudanças ou fases de Vénus, em relação à Terra, e os seus diferentes tamanho aparente e brilho, que Vénus se movia em volta do Sol, e daí que também a Terra fazia o mesmo, que era, como aquela, um planeta, perdendo esta o seu protagonismo geocêntrico. Ou direi antes, antropocêntrico, que ainda se não descobriram outros exemplares habitacionais nas esferas do mundo, apesar dos selenitas e marcianos de que se chegou a falar, antes desta revolução tecnológica que cada vez nos tira mais do sério, na questão dos conceitos, e bem fez o Einstein em lhes chamar relativos, embora tudo isso nos deixe muito desconcertados.

 

Já não há certezas de nada, a não ser dos ódios que opõem os seres e dos amores que os unem momentaneamente. É certo que quando recebo e-mails com fotos das maravilhas da Terra, não só as naturais como as construídas pelo Homem, a minha gratidão a um centro criador disso, porque um centro deve haver criador disso, encrusta-se-me, suponho, no coração, que é um órgão, ao que dizem, central da vida, e aí estou eu a agradecer a esse centro criador. Por outro lado, cada ser da natureza é ele próprio criador, não só de filhos como de tantas outras coisas, e também isso é milagre que nos arrebata, se for bom, ou irrita, se for mau.

 

Não tinha reparado que o centro desaparecera, como explica Vasco Pulido Valente no seu artigo de 13/11, para mim o centro polarizador do melhor possível na questão política sendo os defensores do que eu própria achava justo, ainda que tivesse que pagar por isso.

 

Mas realmente, desde que se tentou aplainar a sociedade, segundo o falso conceito da igualdade, encontramo-nos mais perdidos e entregues às disputas e ódios e atropelos.

 

E retomamos Sá de Miranda, que observou como se fazia no mundo animal, o que os programas do National Geographic explicitam ainda melhor:

 Sá de Miranda.png

A cabeça os membros manda;

Seu rei seguem as abelhas.

A seu tempo o rei perdoa;

A tempo o ferro é mezinha:

Forças e condição boa

Deram ao leão coroa

De sua grei montesinha.

Às aves, tamanho bando,

Doutra liga e doutra lei,

Por vencer todas voando,

A águia foi dada por rei,

Que o Sol claro atura olhando.

 

Essas normas do bom convívio entre os homens são interpretadas como de carneirada, mais indisciplinados e pretensiosos aqueles do que os animais ditos irracionais. Até se falava de rebanho, no tempo de Salazar. E no entanto, não era assim. As pessoas cumpriam – melhor ou pior – mas dentro de regras que as valorizavam como seres humanos. Os excessos de liberdade, que não se praticam assim, noutros países mais cumpridores e ordeiros, conduzem uma juventude universitária, por exemplo, entre nós, a puras desvergonhas que raiam o grotesco e a infâmia e o próprio crime. E as Universidades permitem e os Governos não actuam e a justiça ignora.

 

Era mesmo preciso um centro.

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

 

A misteriosa desaparição do centro

Vasco Pulido Valente.png Vasco Pulido Valente

Público, 13/11/2015

 

Lamento dizer, mas não me preocupa muito a desaparição do “centro”. As forças muito bem arrumadinhas na Assembleia da República entre a esquerda e a direita são um bom retrato do que Portugal sempre foi, desde 1820 e principalmente desde a lamentada morte do Senhor D. João VI, em que a legitimidade (hoje tão discutida) se perdeu para sempre. Em França, nosso exemplo e guia, aconteceu o mesmo. Depois de 1789, esteve perpetuamente dividida em vários corrilhos que se queriam matar (e muitas vezes se mataram). O que nunca conseguiu foi criar um “consenso” sobre o que era indispensável e básico, ou seja, um regime liberal digno desse nome. Apesar de Tocqueville ou de Guizot, os franceses continuam a achar o “liberalismo” uma ideia inglesa e uma palavra porca. Tal qual como cá.

 

Entre 1829 e 1910, a Monarquia não passou de uma sucessão de guerras civis, insurreições, pronunciamentos, golpes de Estado ou golpes de palácio. Verdade que a partir de 1851-52 houve uma certa tranquilidade, embora descontínua e precária. A crise de 1890-1893 acabou com esse efémero intervalo de civilização. Dali em diante, o rei, os partidos do regime e o partido republicano entraram num conflito aberto que levou, como devia levar, ao assassinato do rei e à revolução. Da I República quase não vale a pena falar. Excepto para especialistas, as balbúrdias de um regime terrorista, em que um décimo de Portugal insistia em sufocar os nove décimos que sobravam, não merece nem grande atenção, nem grande interesse. No fim do “regabofe”, como lhe chamavam, veio Salazar. Os portugueses, como os franceses, não gostam de liberalismo, mas suportam bem uma boa dose de despotismo.

 

O partido comunista inaugurou a III República com a tentativa de transformar Portugal numa espécie de Cuba da Europa. Perdeu, mas nunca se arrependeu e não deixou ainda de intimidar a direita, que se proclama muito “social-democrata” e amiga dos pobres; por interesse, claro, e também por medo. No meio desta “hipocrisia institucional”, como dizia Sá Carneiro, o ódio persistiu e, agora, com a “austeridade” e a corrupção, voltou à superfície. Nada sairá daqui, a não ser uma tirania qualquer, com o nome ou sem ele. O Dr. Cavaco não percebeu um ponto básico: em Portugal não é o consenso que produz prosperidade; é a prosperidade que produz consenso. Se houver evidentemente quem nos dê dinheiro.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D