Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

O NOVO FREI LUIS DE SOUSA

 

 

Quando voltou Francisco de Villa-Lobos percebeu que lhe tinham vendido todos os seus bens

 

Quando Francisco do Carmo Laboreiro de Villa-Lobos regressou da Grande Guerra já ninguém o esperava. Tinham passado meses desde o Armistício e, em Lisboa, o sentimento entre quem lhe guardava os bens era o de que Francisco teria sido mais uma das vítimas mortais do Corpo Expedicionário Português, em França. Por isso, quando o lisboeta desembarcou na capital portuguesa, a 15 de Abril de 1919, descobriu que todos os seus bens tinham sido vendidos.

 

Durante uns dias, a sua única posse foi a farda que trazia vestida, e até esta sofreu as consequências do perda dos bens de Francisco – como era proibido usar uniforme militar nas ruas, após o final da guerra, o soldado português teve de substituir os botões e arrancar as divisas da Arma de Infantaria.

 

Francisco do Carmo Laboreiro de Villa-Lobos nasceu em Lisboa, a 5 de Fevereiro de 1899. Oriundo de uma família aristocrata com raízes no Alentejano, percebeu cedo que o estatuto familiar não era sinónimo de felicidade, quando, com apenas 10 anos, ficou órfão. O resto da infância passou-a na casa da avó paterna, com o irmão e as duas irmãs, e, com apenas 16 anos, alistou-se no Exército.

 

A Grande Guerra já tinha começado e, em breve, os portugueses haveriam de ser chamados a participar activamente em combate. Francisco embarcou para França a 8 de Agosto de 1917, como soldado da 3.ª Companhia do Batalhão de Infantaria n.º 2. A sua placa de identidade ostentava o número 61239.

 

O lisboeta haveria de sobreviver à Batalha de La Lys, a 9 de Abril de 1918, que roubou a vida a tantos portugueses, e antes do final da guerra ainda foi transferido para a 2.ª Companhia do 2.º Batalhão da 5.ª Brigada de Infantaria e, mais tarde, para a 2.ª Companhia do 3.º Batalhão da Brigada do Minho. Após a assinatura do Armistício, a 11 de Novembro de 1918, nos bosques que rodeiam a cidade francesa de Compiègne, Francisco passou para a 2.ª Companhia do Batalhão de Infantaria n.º 14. A Grande Guerra tinha terminado, mas os seus efeitos estavam muito longe do fim.

 

Para Francisco, as provações da guerra incluíram a inalação de gás mostarda, nas trincheiras da Flandres, o que acabaria por lhe afectar a saúde para sempre. A 11 de Abril de 1911, o soldado embarcou no S.S. Nenominée, da Star Lines, rumo a Lisboa. A chegada à capital foi brindada com a surpresa de que já falámos, mas nada que Francisco Villa-Lobos não ultrapassasse.

 

De regresso a casa, Francisco casou com a namorada, Sara, e teve três filhos. Segundo o neto, também de nome Francisco, em memória do avô – e que contou a sua história à investigadora Fátima Mariano, do Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa -, a inalação de gás mostarda, na Flandres, acabaria por ditar a morte prematura do soldado português. Com apenas 34 anos, em 1933, Francisco do Carmo Laboreiro de Villa-Lobos acabaria por morrer. Está sepultado na cripta do talhão dos Combatentes da Grande Guerra do Cemitério do Alto de São João, em Lisboa.

19/08/2014

 

  Patrícia Carvalho

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D