Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

TEMAS DA LÍNGUA PORTUGUESA

«A MÃO» ou «À MÃO»

Tem ou não tem crase [1]?

Será «a mão» quando o «a» é o artigo definido feminino singular; haverá crase quando se tratar da conjugação do mesmo artigo definido com o advérbio de localização «em» transposto para «na» (em a) e absorvido pela crase em «à» (em a a mão). Neste caso, será «à mão».

Exemplos:

  • - Esta é a minha mão direita, a de semear.
  • - O lápis está à mão de semear (significando que o lápis está perto da mão que eu uso para semear o cereal)
  • - Ele cose a mão - “a mão” aqui é a parte do corpo humano que estava ferida por objecto cortante e estava precisada de ser cosida (suturada)
  • - Ele cose à mão aqui, “à mão” é locução adverbial, que dá ideia de maneira.

Henrique Salles da Fonseca

(por adaptação de lição do Professor Pedro Valadares)

 

[1] - Crase - substantivo feminino - contracção ou fusão de sons vogais num só

UM MAU SERVIÇO PRESTADO À NAÇÃO

O Acordo Ortográfico de 1990 cabimenta aquilo a que antigamente chamávamos erros de ortografia, privilegia a fonia e ignora a etimologia. Ou seja, numa penada, a língua portuguesa perdeu o seu caracter maioritariamente erudito e transformou-se numa forma de expressão da boçalidade de caipiras, jagunços e outros iletrados. Claramente, o tão medíocre «nivelar por baixo».

Nestes últimos dois séculos, as tentativas de aproximação da nossa escrita à fonia são tão antigas quanto António Feliciano de Castilho cuja proposta «viu»[i] chumbada por quem então tinha poderes para decidir sobre esse tipo de matérias.

Muito mais recentemente, foi o brasileiro Paulo Freire que preferiu combater o flagelo do analfabetismo adulto por uma via de escrita fónica que os destinatários conseguissem entender, ou seja, uma forma despojada da erudição que os sertanejos não conseguiriam absorver.

Pessoalmente, aceito o método fónico como transitório, destinado a uma classe etária já avançada que não criará raízes nas normas oficiais mas que passa assim a ter um meio de comunicação de que anteriormente não dispunha. Contudo, se essa escrita fónica me parece aceitável quando dirigida aos mais velhos, já não a tenho como aceitável junto das crianças.

Foi precisamente o contrário que aconteceu em Portugal: nós, os adultos, preferimos usar a forma erudita e às crianças foi imposta a boçalidade.

Claramente, um mau serviço prestado à Nação.

Fevereiro de 2020

Henrique Salles da Fonseca

[i] - Castilho era cego

  NA MORTE DE MALACA CASTELEIRO

Malaca Casteleiro.jpg

Morreu o Professor João Malaca Casteleiro, principal responsável português do Acordo Ortográfico de 1990.

A minha frontal oposição ao dito Acordo fundamenta-se sobretudo em argumentos políticos e não em razões de técnica linguística.

Não me parece oportuno trazer aqui essa argumentação e, pelo contrário, merece referir agora um sentimento real pela perda de alguém que prosseguiu um ideal e que o defendeu até ao fim da vida.

Ideal que não é o meu mas isso é matéria que não vem ao caso.

João Malaca Casteleiro, RIP

Fevereiro de 2020

Henrique Salles da Fonseca

EXPRESSÕES CURIOSAS DA LÍNGUA PORTUGUESA

18FEV19-1.jpg

DOSE PARA CAVALO

Significado: Quantidade excessiva; demasiado.

Origem: Dose para cavalo, dose para elefante ou dose para leão são algumas das variantes que circulam com o mesmo significado e atendem às preferências individuais dos falantes.

Supõe-se que o cavalo, por ser forte; o elefante, por ser grande, e o leão, por ser valente, necessitam de doses exageradas de remédio para que este possa produzir o efeito desejado.

Com a ampliação do sentido, dose para cavalo e suas variantes é o exagero na ampliação de qualquer coisa desagradável, ou mesmo aquelas que só se tornam desagradáveis com o exagero.

 

QUESTÕES DA NOSSA LÍNGUA - 1

 

A bem da Nação, tratemos a nossa língua com correcção

 

AGRADECENDO…

Em Portugal, agradecemos algo que alguém fez por nós com um «obrigado». Isso significa que nos sentimos obrigados para com esse alguém pelo favor que nos fez.

Quando o agradecimento é individual, em nome apenas de quem o profere, o termo deverá ser usado no singular: Obrigado. «Eu sinto-me obrigado perante si pelo favor que me fez».

Quando o agradecimento é feito em nome de mais do que uma pessoa, o termo será então aplicado no plural: Obrigados. «Nós sentimo-nos obrigados perante si (ou vós) pelo favor que nos fez (ou fizeram)».

Não faz, portanto, sentido o agradecimento que há dias recebi de quem me quis agradecer algo que por ele fiz (e que já esqueci) dizendo «obrigados».

Mas há mais: se quem agradece é do sexo masculino, dirá «obrigado»; se do sexo feminino, dirá «obrigada»; o mesmo se diga para os plurais «obrigados» e «obrigadas».

Obrigado pela atenção que prestaram a esta minha prosa.

* * *

«A FIM» e «AFIM» – qual a diferença?

Os termos «a fim» e «afim», apesar de terem a mesma fonia, têm significados diferentes.

«A fim» - escrito separado, o termo forma a expressão «a fim de», que tem o significado de finalidade; é sinónimo de «com o propósito de», «com a intenção de», «com o objetivo de».

Ex1: Ele estudou bastante A FIM DE passar na prova.

Ex2: O Rui começou a correr A FIM DE perder peso.

«Afim» - escrito junto, o vocábulo indica afinidade; pode funcionar como substantivo ou adjectivo; como adjectivo, refere-se a algo similar, parecido ou relacionado.

Ex: Moçambique é um país AFIM de Portugal, pois as duas nações falam português.

Como substantivo, a palavra indica pessoas que são parentes ou têm algum tipo de afinidade.

Ex: Para a festa, convidarei empregados e AFINS.

Como truque para não confundir as duas expressões, basta lembrar:

  • FIM de FINALIDADE;
  • AFIM de AFINIDADE.

(Adaptado do Clube do Português)

* * *

«A PARTIR DE…»

PERGUNTA

Escreve-se ou diz-se «apartir» ou «a partir»?

RESPOSTA

A palavra «apartir» não existe. Portanto, diz-se «a partir de...» (no sentido de «depois de...») ou «aquilo é para partir» (no sentido de «quebrar»).

A outra palavra parecida que existe é «apartar» que significa «separar».

* * *

«ALGUÉM» e «NINGUÉM»

CONCORDÂNCIA COM OS INDEFINIDOS

«Alguém» e «ninguém» levam, em geral, o adjectivo para o masculino:

- Alguém está cansado?

- Não, ninguém está cansado.

* * *

AVENTURA e VENTURA

AVENTURA

a·ven·tu·ra (4 sílabas)

Substantivo feminino

  1. Feito extraordinário
  2. Caso inesperado que sobrevém e que merece ser relatado.
  3. Acaso

Palavras relacionadas: aventurado, aventurar, aventureiro, aventuroso, odisseia, alvorário, rocambolismo.

VENTURA

ven·tu·ra (3 sílabas)

Substantivo feminino

  1. Fortuna próspera; sorte
  2. Felicidade.
  3. Destino; acaso
  4. Risco; perigo

«À ventura» = AO ACASO, À SORTE

Palavras relacionadas: acaso, felicidade, mascote, desventurar, sem-ventura, venturoso, felícia.

AVENTURAR

a·ven·tu·rar - 4 sílabas

Verbo transitivo e pronominal

  1. Pôr ou pôr-se em risco. = ARRISCAR
  2. Sujeitar ou sujeitar-se à ventura

Verbo transitivo

  1. Dizer ou fazer algo sem certeza (ex.: aventurou uma questão; não quis aventurar alvitres)

In PRIBERAM

(continua)

SILVESTRE E O IDIOMA

 

Silvestre quer saber

Por que razão eu estrago o português

Escrevendo palavras que nem há.

Silvestre quer saber...

 

Não é a pessoa que escolhe a palavra,

É o inverso.

Isso eu podia ter respondido.

 

Mas não.

O tudo que disse foi:

É um crime passional, Silvestre.

É que eu amo tanto a Vida

Que ela não tem cabimento

Em nenhum idioma.

 

Silvestre sorriu.

Afinal, também ele já cometera

O idêntico crime:

Todas as mulheres que amara

Ele as rebaptizara, vezes sem fim.

 

Amor se parece com a Vida:

Ambos nascem na sede da palavra,

Ambos morrem na palavra bebida.

Mia Couto.pngMia Couto

in "Idades, Cidades, Divindades", Lisboa: Editorial Caminho

ORIGEM DA PALAVRA SALOIO

 

 

Designa-se como saloio o habitante natural das zonas rurais do início do século XX em volta de Lisboa, a região saloia. A dita região compreende vários Concelhos, sendo os seus limites discutíveis. Há quem a defina como a correspondente aos concelhos da Amadora, Arruda dos Vinhos, Cascais, Loures, Mafra, Odivelas, Oeiras e Sintra.

 

ORIGEM DA PALAVRA SALOIO

Quando D. Afonso Henriques conquistou Lisboa aos mouros, para não despovoar a terra, deixou-os ficar na posse dos seus bens, impondo-lhes, contudo, certos tributos. Benefício e tolerância que a politica e a humanidade aconselhavam, estendeu-se aos lugares circunvizinhos da cidade. Esta foi logo aumentando em população cristã, que em si absorveu a mourisca pelo decurso dos tempos, o que não era tão fácil no campo. Dizem que a estes mouros dos arredores davam antigamente o nome de Çaloyos ou Saloios, tirado do titulo da reza que repetem cinco vezes no dia, chamada çala. Ficou o nome, ainda depois de povoados esses lugares apenas por cristãos; e talvez da mesma origem proviesse um antigo tributo que se pagava do pão cosido em Lisboa e seu termo e que era conhecido pela denominação de çalayo.

 

Saloias - Silva Porto.png

 Saloias, por Silva Porto (1850-1893)

 

Adaptado de O Panorama - Jornal Litterário e Instructivo da Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Úteis, 21 de Abril de 1838

 

TEATRO MUITO RÁPIDO – 3

Pano de boca de teatro.jpg

  

TRIPAS À MODA DO PORTO

 

ACTO ÚNICO

CENA ÚNICA

 

O forasteiro chega ao Porto cheio de vontade de experimentar tripas à moda do Porto e entra na primeira tasca que encontra.

 

Forasteiro – Bom dia! O Senhor serve tripas à moda do Porto?

Tasqueiro – Oh! meu Sinhore, as milhores do Puorto.

Forasteiro – E o Senhor costuma lavá-las bem, muito lavadinhas, muito lavadinhas?

Tasqueiro – Bem, lavamos as tripas, sim, mas deixamos-lhes o sabor; não as lavamos assim tão por completo como o Sinhore está a dizer.

Forasteiro – Ah, sim! Então coma-as o Senhor!

 

CAI O PANO RAPIDAMENTE

 

Henrique Salles da Fonseca-16AGO16-2

Henrique Salles da Fonseca

TEATRO MUITO RÁPIDO - 2

Pano de boca de teatro.jpg

  

O LIVRO DOS PROBLEMAS

 

ACTO ÚNICO

CENA ÚNICA - Na livraria

 

ClienteBom dia! Os Senhores têm o livro «COMO RESOLVER METADE DOS SEUS PROBLEMAS»?

 

EmpregadoUm momento por favor, vou ver aqui no computador… (passam alguns momentos) … Sim, temos esse livro nos nossos registos. Deixe-me agora ver se temos algum exemplar em stock nesta loja… (passam mais alguns momentos) Ora bem, sim, parece que estamos com sorte, temos dois exemplares.

 

Cliente – Óptimo! Então, embrulhe-me esses dois exemplares que é para eu resolver todos os meus problemas e não apenas metade.

 

CAI O PANO RAPIDAMENTE

9JUL18.jpg

Henrique Salles da Fonseca

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D