Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

RETOMANDO...

Que 2019 nos traga

  • o reequilíbrio das contas públicas através da sensatez dos políticos de serviço,
  • o stock da dívida externa comece a reduzir significativamente,
  • o empreendedorismo deixe de ser fiscalmente aturdido e manietado,
  • o acesso à propriedade privada seja democratizado,
  • a Administração Pública deixe de ser asfixiante,
  • o analfabetismo seja recordado como chaga do passado

A ver...

31DEZ18-Estocolmo.jpg

Henrique Salles da Fonseca

(Estocolmo, aos primeiros minutos de 2019)

JÚLIO POMAR

Júlio Pomar, Vincennes II, 1965.jpg

Vincennes II, 1965

 

Júlio Artur da Silva Pomar foi um artista plástico/pintor português. Pertenceu à 3ª geração de pintores modernistas portugueses, sendo autor de uma obra multifacetada, centrada na pintura, desenho, cerâmica e gravura, com importantes desenvolvimentos nos domínios da tridimensão ou da escrita.

Nascimento: 10 de Janeiro de 1926, Lisboa

Falecimento: 22 de Maio de 2018, Lisboa

Períodos: Expressionismo abstrato, Neoexpressionismo, Realismo Social

Nacionalidade: Português

Formação: Universidade do Porto

Cônjuge: Alice Jorge (1924-2008)

Filhos: Alexandre Pomar, Vítor Pomar, Pedro Pomar

Wikipédia

TEOLOGIA, DA MINHA - 17

Platão e o bem.jpg

 

Tenho como dogma a obrigação de praticarmos o bem.

 

Parafraseando o Cardeal D. Manuel Clemente, Patriarca de Lisboa, no seu livro “1810-1910-2010 DATAS E DESAFIOS” na pág. 121, «as coisas não são boas ou más porque Deus as mande ou as proíba; antes as manda porque são boas e as proíbe porque são más».

 

Mas eu não preciso de ordem divina para praticar o bem; tenho a sua prática como algo que é do meu próprio interesse. Nesta linha de raciocínio platónico, quase diria que é por egoísmo que pratico o bem cuja melhor definição me parece ser «a  qualidade de excelência ética atribuída a acções que estejam relacionadas com sentimentos de aprovação e dever».

 

Novembro de 2018

Fonte dos leões-Heráklion.JPG

Henrique Salles da Fonseca

(Nikósia, ABR18)

TRISTEZA

29JUN18 -petit galop 2.jpg

Hoje perdi uma grande amiga.

Com a veneranda idade de 26 anos, morreu hoje inesperadamente a minha égua Lola depois duma grande e longa dedicação à Escola de Equitação do meu Clube e duma reforma de grande felicidade nos últimos 3 anos em que a montei diariamente banindo todo o stress e tudo fazendo com muita suavidade.

Vou ter saudades do relincho com que me recebia ao ouvir a porta do meu carro a fechar anunciando a minha chegada e a malga de cenouras com que a brindava antes de tudo o mais. Seguia-se a limpeza geral para depois irmos passear com ela a mordiscar umas ervas antes de fazermos alguns exercícios de aquecimento em espáduas a dentro a passo e a trote. A saída a galope era quase sempre feita dentro da pirueta a passo a que se seguia um encurtar do trote para aproximação progressiva ao rassemblé.

Pelo que me contaram, o fim terá chegado sem sofrimento. Estava à janela da box como era seu costume e quando meia hora depois o tratador lhe foi dar a ração, já não vivia.

Lola-2018.jpg

 

LIDO COM INTERESSE - 84

DIZ-ME QUEM SOU-Júlia Navarro.png

Título – DIZ-ME QUEM SOU

Júlia Navarro.jpgAutora – Júlia Navarro

Tradutor – Sérgio Coelho

Editora – BERTRAND EDITORA

Edição – 1ª, Novembro de 2011

 

* * *

 

De uma diva, não se espera que apenas cantarole.

 

Esta frase pode dar a ideia de que se trata de um livro bem humorado mas, pese embora alguma graça que possamos encontrar aqui ou ali, o tom geral da obra é duma seriedade absoluta raiando mesmo a sisudez histórica. Não chega às profundezas mórbido-fantasiosas de Edgar Alan Poe mas ultrapassa-o durante algumas cenas, em especial as relacionadas com os «mimos» dispensados pelo KGB e pela Gestapo aos respectivos «hóspedes».

 

São 1070 páginas de texto nesta edição que refiro e por isso mesmo sugiro ao futuro leitor que se equipe de alguma ajuda física para suporte do livro, a menos que queira logo de início ficar com uma dor na mão direita e, a partir da metade, sentir a dor passar para a mão esquerda.

 

De maneira a não estragar a leitura dos futuros leitores, apenas refiro que se trata da história duma belíssima jovem espanhola loira, magra e alta (o que só por si foge ao padrão por que esperávamos numa espanhola) que começa durante a Segunda República espanhola, passa pela II Guerra Mundial e pela Guerra Fria estendendo-se até à queda do Muro de Berlim.

 

Nem sei como classificar os personagens pois são vários os de importância central. Trata-se de um bisneto que foi encarregue por uma tia de desvendar a vida duma misteriosa bisavó que durante várias gerações foi tabu na família. Os narradores são vários e todos são importantes pois sem eles nada saberíamos. Sim, é uma tessitura do mais curioso que tenho lido e que, para nosso grande espanto, não conduz ao labirinto. Pelo contrário, tudo é rectilínio na marcha do tempo e a cada página nos sentimos mais interessados pelo que irá decorrer ao longo da História da Humanidade neste período do séc. XX.

 

É na página 924 que encontro um enigma pelo que desafio o leitor a descobrir como é que a visita entrou na casa se o visitado, paralisado e agarrado a uma poltrona, estava sozinho e longe da porta. Ou estaria numa cadeira de rodas?

 

Sim, é um romance mas é tão verosímil que só perderá em cultura histórica quem o não ler.

 

E não se esqueça, leitor: são 1083 páginas contadas.

 

Mais: assim como com a diva, de uma espanhola também não se espera que passe pela vida a cantarolar; espera-se que cante a plenos pulmões correndo a pauta por completo.

 

E foi isso que fez Amélia.

 

E quem é Amélia? Leia o livro.

 

Novembro de 2018

TAVIRA-AGO18 - 2.pngHenrique Salles da Fonseca

 

ECCE POPULISMUS – 5

 

ABAIXO O FASCISMO!

 

Fascismo de esquerda ou de direita é coisa horrível mas o populismo é um poderoso mecanismo de integração de toda a gente na vida política - uns como apoiantes e outros como críticos mas todos por claras motivações.

 

O populismo nasce por reacção contra uma sociedade cristalizada e, portanto, tem uma essência revolucionária independentemente de se tratar de bonapartismo esquerdino ou de direita.

 

O sistema de Partidos definidos numa base doutrinária cujas lideranças são democraticamente eleitas dentre um conjunto coeso de eleitores, é posto em causa pelo culto da personalidade de um caudilho com mais ou menos carisma que facilmente se pode transformar em ditador. A História está recheada de exemplos e como todos os meus leitores bem sabem, houve-os de esquerda e de direita mas todos obviamente fascistas.

Dino Grandi.jpg

E recordo as palavras atribuídas a Dino Grandi (Presidente do Grande Conselho Fascista e Ministro dos Negócios Estrangeiros do populista Mussolini) quando terá definido que «Fascismo é a prática do improviso resultante da prodigiosa imaginação do Duce».

 

Eis por que creio prudente pormos travão ao populismo seja ele de esquerda ou de direita e, para reforço do sistema partidário tradicional, tudo fazermos com vista ao regresso às respectivas bases doutrinárias em vez de quase todos os Partidos praticarem uma mesma política e apenas se distinguirem pelos interesses pessoais dos seus membros mais influentes. É que o caudilhismo dá asneira com muita probabilidade quer ele nos chegue pela esquerda como pela direita.

 

FIM

 

Outubro de 2018Holanda-JAN18.JPG

Henrique Salles da Fonseca

PERGUNTANDO…

 

 

Pior que ser explorado por um capitalista, é não haver um capitalista que nos queira explorar.

Rosa Luxemburgo

Rosa Luxemburgo.jpg

 

Filósofa marxista polaco-alemã. Tornou-se mundialmente conhecida pela militância revolucionária ligada à Social-Democracia da Polónia, ao Partido Social-Democrata da Alemanha e ao Partido Social-Democrata Independente da Alemanha.

 

Nascimento: 5 de Março de 1871, Zamość, Polónia

Falecimento: Assassinada em 15 de Janeiro de 1919, Berlim, Alemanha

Cônjuge: Gustav Lübeck (desde 1898)

Formação: Universidade de Zurique

 

Ao fim de muitos anos, ainda hoje me pergunto se não terá sido Rosa Luxemburgo a sugerir os fundamentos do Baader Meinhof.

 

Que acham os meus leitores?

 

31 de Outubro de 2018

Holanda-JAN18.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

 

BIBLIOGRAFIA:

Wikipédia

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D