Quinta-feira, 19 de Abril de 2018
BOM DIA, MAJESTADES!

Duques de Bragança.jpg

 

Hoje comecei bem o dia.

 

Parando num semáforo, olhei por acaso para o carro ao lado e eis que vejo o Senhor D. Duarte Pio, Duque de Bragança. De imediato tirei os óculos escuros e cumprimentei com o formalismo que um semáforo permite. Amavelmente correspondido, olhei melhor e vi que a Senhora Duquesa também estava no carro. Voltei a cumprimentar e voltei a ser amavelmente correspondido.

 

A minha opção de Regime em nada me impede de reconhecer que o Senhor Duque de Bragança é possuidor de um notável sentido de Estado e esse é um atributo que tenho por essencial a um alto representante da Nação.

 

Não é todos os dias que começo por cumprimentar um Casal Real e tive verdadeiro gosto em o fazer.

 

Lisboa, 19 de Abril de 2018

 

Holanda-JAN18.JPG

 Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 18:57
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quarta-feira, 18 de Abril de 2018
KALIMERA – 14

 

Δεκατέσσερα (dekatéssera) = catorze

 

OS ANÉIS E OS DEDOS

 

Da fé

 

A povoação mais famosa de Santorini chama-se Oia mas a linguística grega diz que o «O» é mudo pelo que se pronuncia apenas «Ia». Essa povoação é a que aparece em todas as fotografias turisticamente mais divulgadas com o casario a descer em terraços até ao limite do precipício. Na pequena praça principal há uma Igreja e o muito movimento no adro despertou-me a atenção. Entrei. Escura, lá dentro, mas repleta de gente. Turistas que, como eu, estariam cansados e aproveitaram as cadeiras para refazerem o fôlego gasto nas escadarias. Sentei-me. Junto ao altar, numa penumbra recatada, o Padre desempenhava a função que vi em todas as Igrejas que visitei na Grécia, a de guardião presencial da parafernália decorativa e das valiosas alfaias destinadas ao culto. Mas, para além dos turistas, apareceu um devoto que silenciosamente se dirigiu ao Padre e pediu autorização para se aproximar dos ícones expostos. Obtida a autorização também por gesto silencioso, o fiel simulou um beijo no vidro que cobre cada ícone devidamente encaixilhado, fez uma breve vénia frente ao altar e retirou-se. Tudo em silêncio.

 

Se esta foi ou não uma encenação para impressionar turistas, não sei; eu tomei tudo como uma expressão de fé sincera e gostei de ver.

SantoriniBy Wolfgang Staudt from Saarbruecken, Ger

 

Contudo, na perspectiva religiosa, o que mais me impressionou aconteceu em Patmos e teve como protagonista a nossa própria guia, uma pequena Senhora com «S» maiúsculo mas de nome indizível que falava inglês com uma distinção só equiparável à dos melhores locutores da BBC. Sim, absolutamente notável. Foi ela que nos conduziu até ao mosteiro onde se localiza a gruta do Apóstolo João e nos falou do que conta a tradição ortodoxa acerca do local e do próprio Evangelista. E quando se referia a matérias de fé, terminava as frases num diminuendo de autêntica sensibilidade íntima que por certo tocaria o coração mais empedernido que por ali passasse. A elegante eloquência com que o fazia também realçava a seriedade do tema e isso não deixou de ser importante para quem, como eu, notou a profundidade da sua fé. Lindo!

 

E fiquei a pensar…

 

Fiquei a pensar que a fé move montanhas e que a crise por que a Grécia continua a passar não tem qualquer importância perante Valores como os que sustentam uma Civilização, a qual é suportada por uma Religião, a qual se traduz numa fé como esta que presenciei. Isto, sim, é importante; tudo o mais parece irrelevante. Assim penso, apesar de se tratar duma grave crise económica e eu próprio ser economista. Mas… vão-se os anéis e fiquem os dedos.

 

Abril de 2018

Holanda-JAN18.JPG

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 08:32
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Segunda-feira, 16 de Abril de 2018
KALIMERA - 12

A MODÉSTIA ORTODOXA

 

Δώδεκα (diga-se «dódeka») para significar doze (12), a pretexto do número desta croniqueta.

 

Quando será que os gregos se passam para os caracteres latinos? Já passaram, embora não o queiram reconhecer. Compreende-se que não seja fácil cortar abruptamente e por Decreto com milhares de anos de uma das Civilizações mais brilhantes à face da Terra. Mas, na verdade, vivendo (ou sobrevivendo?) numa comunidade, é fundamental garantir a comunicação e na Europa isso não se faz com sinais de fumo nem com «tan-tans», faz-se com uma linguagem compreensível por todos os comunicadores, o que não é assim muito compatível com o alfabeto grego. Pior ainda para quem não saiba matemática.

 

Contudo, nas zonas mais turisticadas da Grécia, a sinalética já está quase toda nos dois alfabetos. Mas falta o «quase». E assim foi que me vi da cor dos gatos pardos para saber para onde nos dirigíamos quando me pespegaram com o letreiro a dizer «Σαντορίνη». E fizeram-no de propósito para chamar a nossa atenção para a questão que levanto nos parágrafos anteriores. Mas eu sabia que íamos a caminho de Santorini e, portanto, o enigma não chegou a existir.

 

Recordando que vínhamos a navegar de Creta onde víramos neve no topo da montanha dorsal da ilha, não me espantei quando, ao largo de Santorini, vi a orla superior da falésia toda branca. Hesitei na interpretação do que estava a ver e não tive vergonha de perguntar se aquilo também era neve. Delicadamente, não se riram na minha cara e disseram que era o casario. – Ah, pois claro, é o casario! Mas que disparate o meu. E, aí, eu tive a certeza de que acertara: era meu o disparate.

 

Santorini tem muito que se lhe diga sob o ponto de vista geológico mas a «capital» da ilha principal, Fira, localiza-se no topo de um penhasco vertical de cerca de 400 metros, de frente para a lagoa da caldeira onde o nosso navio fundeara ao largo não parecendo mais do que um travessão lá longe…

 

Não vou aqui «gastar o meu latim» (ou grego antigo?) a contar o que a Internet profusamente ilustra por exemplo em https://pt.wikipedia.org/wiki/Santorini mas aproveito para dizer que me restam sérias dúvidas sobre a plena sanidade mental de quem se pendura naquelas altitudes e deixa tanto metro na vertical até ao mar. Do cais a que chegáramos em lanchas, amarinhámos por uma estrada que serpenteava pelo penhasco e em que o autocarro quase punha o nariz fora da estrada para fazer as curvas daquela linha num bolso. Já passei por sensações mais agradáveis. Na aflição das alturas valeram-me todos os deuses do Olimpo, mesmo aqueles de que nunca ouvi falar. Mas eles sabiam por certo da minha firme vontade de concluir o cruzeiro e fizeram-me a vontade. O motorista, pelos vistos, não tinha (e espero que assim continue) espírito de kamikaze. Felizmente, no regresso, descemos pelo teleférico.

A «neve» em Santorini.JPG

A «neve» de Santorini

 

E, sem invocar a minha aversão às alturas, tenho um óptimo pretexto para optar por outras paragens: em Santorini, o metro quadrado construído custa actualmente algo como 10 mil Euros. A maior piscina que por lá vi não teria mais do que quatro metros quadrados e, mesmo assim, na época alta do turismo, há cerca de cem aviões grandes que diariamente ali chegam vindos de todas as partes do mundo. Que lhes faça bom proveito!

 

Foi já na parte final da nossa passeata pelos cumes que vi uma planície que se estende pelo lado de fora do anel das ilhas. É claro que foi lá que optaram por colocar o aeroporto, não nos cumes por onde nós andávamos em estradas boas para funâmbulos.

 

E tudo isto me fez lembrar a promessa que nas altitudes peruanas fizera a mim próprio de nunca mais me permitir fazer turismo por lugares mais altos do que o segundo piso da Torre de Belém ou 40 metros acima da altitude média da Lezíria de Vila Franca. Conclusão: nunca digas nunca.

 

A certa altura do passeio, espreitámos por um arco que dava passagem por baixo de um edifício numa ruela pedonal super concorrida e vimos umas freiras de hábito negro que estavam num terraço lá ao fundo. Logo maldosamente comentei sobre como elas se tratavam bem com um terraço daqueles sobre o que adivinhámos uma vista deslumbrante. Logo pedi à Graça que me tirasse uma fotografia tendo como plano de fundo as «santas irmãzinhas da caridade ortodoxa». O resultado é a foto que está aqui no fim do texto. Depois da foto, fui lá ver as freiras que, afinal, … eram dois chapéus de Sol negros. E eu a pensar mal da modéstia ortodoxa. Então, por pensamentos, pecador me confesso.

 

Abril de 2018

 

 Santorini-freiras 1.jpg

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 22:56
link do post | comentar | favorito

Domingo, 15 de Abril de 2018
KALIMERA – 11

 

O GRANDE CASTELO

 

«Cristo recrucificado», «Zorba, o grego», «A última tentação de Cristo», eis alguns dos livros de Níkos Kazantzákis (1883-1957), esse vulto da cultura universal que nasceu em Heraklion e está sepultado em Martinengo, lugar importante da grande muralha da cidade. Na respectiva lápide mandou escrever «Nada espero, nada temo, sou livre».

Túmulo de Kazantzákis.jpg

 

«Heraklion» (do grego antigo), «Iráclio» (do grego moderno), já foi chamada «el Khandak» pelos árabes, «Cândia» pelos venezianos, «Chandax» e «Megalo Cástro» ("grande castelo") já não sei por quem, é a capital regional de Creta e situa-se sensivelmente a meio da costa norte da ilha onde começa o mar Egeu.

 

A cidade actual tem cerca de 174 mil habitantes, foi fundada pelos árabes em 824 que ali criaram o Emirado de Creta mas o antigo nome Ηeraklion foi recuperado no século XIX e tem origem no vizinho porto romano de Heracleu (Heracleum - local de culto a Herácles), cuja localização exacta não é conhecida. É por ali, algures…

 

A cidade parece ter evoluído pouco durante as épocas clássica, helenística e romana, períodos em que era regularmente pilhada por piratas. Essa, uma das justificações para as muralhas e outras obras de defesa. Contudo, a partir da conquista árabe em 824, essa mesma pirataria passou a ser motivo de progresso pois deu acolhimento aos que operavam contra os navios bizantinos e faziam raides contra os territórios imperiais em redor do Egeu.

 

Mas «tantas vezes vai a cantarinha à fonte que um dia lá deixa a asa». E foi isso mesmo que aconteceu: os bizantinos fartaram-se, cercaram a cidade durante 11 meses e o general atacante, Nicéforo Focas, futuro imperador Nicéforo II Focas (nome patusco, convenhamos), reconquista a cidade, saqueia-a, massacra os árabes e reduz a cidade a cinzas. Permaneceu em poder dos bizantinos durante quase dois séculos e meio.

 

Em 1204, os venezianos compraram Creta a Bonifácio de Montferrat como parte de um complicado acordo que envolvia, entre outras coisas, os cruzados da Quarta Cruzada reporem no trono o imperador bizantino Isaac II Ângelo. Os venezianos modificam o nome árabe Khandak (ou Chandax) para Cândia, que assim se mantém na diplomacia europeia até 1898. Os novos senhores fazem grandes obras nas defesas melhorando o fosso e construindo enormes fortificações, grande parte das quais ainda de pé, que em alguns locais chegam a ter 40 metros de espessura, com sete bastiões e uma fortaleza na entrada do porto.

Heráklion-fortaleza do porto.JPG

Os rogos da Graça não foram suficientes para desviar o candeeiro do meio da foto

 

A cidade passou a ser a capital do Duque de Cândia e a área administrativa veneziana de Creta ficou a chamar-se Reino de Cândia (não confundir com o homónimo reino no centro do Sri Lanka). Para assegurarem o seu domínio, os venezianos começaram a fixar famílias de Veneza em Creta a partir de 1212. A coexistência de duas culturas diferentes e o estímulo da Renascença italiana levou a um florescimento das letras e artes em Cândia e em toda a ilha no que hoje se conhece como Renascença Cretense.

 

Depois dos venezianos seguiram-se os otomanos que cercaram a cidade durante mais de 21 anos (1648 - 1669) no que ficou conhecido como o cerco mais longo da História. Durante a ocupação otomana, o porto ficou assoreado e o poder da cidade caiu.

 

Em 1898 foi criado o Estado Autónomo de Creta sob supervisão internacional mas com o príncipe Jorge da Grécia na qualidade de Alto Comissário. Em 1913, Creta foi incorporada no Reino da Grécia.

 

E do que vive hoje a cidade? Pois bem, como toda a Grécia depois da «débâcle», vive sobretudo do turismo. Misto de Cascais e Amadora, vi uma rua direita cheia daquelas lojas das marcas que todos conhecemos de qualquer parte do mundo, vi esplanadas cheias de gente a comemorar o Domingo de Ramos ortodoxo (uma semana de diferença relativamente ao nosso) mas tivemos que escolher com cuidado para encontrarmos uma loja de gelados genuinamente cretense (ou grega, vá lá) em vez de nos sentarmos numa outra qualquer dessas marcas internacionais.

 

Tirando o comércio global, vimos lojas de «recuerdos» e uma feira de rua com muita orientalice na qual metemos o nariz para fazermos de imediato aquela meia volta que se impunha.

 

Sim, é isso mesmo que o leitor está a pensar: o que é grego (e cretense por maioria de razão), está aflito para sobreviver no meio da invasão estrangeira.

 

A menos que o futuro me troque as voltas, não penso lá voltar.

 

Abril de 2018

 

 

Fonte dos leões-Heráklion.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

(frente à «Fonte dos Leões», no centro do fluxo turístico da cidade)

 

BIBLIOGRAFIA: Wikipédia



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 16:43
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sexta-feira, 13 de Abril de 2018
KALIMERA – 10

REI MINOS

 

Chegados de manhã a Creta, desembarcámos directamente, sem a intermediação de lanchas, em Heraklion, a capital, na costa norte da ilha e logo os autocarros nos transportaram para o palácio de Knossos.

 

Dali mesmo avistámos a montanha central de Creta com 2400 metros de altitude, coberta de neve, a grande fornecedora de água doce e, portanto, da capacidade de sobrevivência duma civilização com milhares de anos.

 

Tudo começou com o rei Minos, fundador da civilização Minóica, que fez construir o palácio de Knossos onde se instalou e a partir do qual governou. E aqui estamos nós a ver o correspondente campus arqueológico e trabalhos de reconstrução que foram executados no início do séc. XX pelo arqueólogo inglês Arthur Evans.

 

A diferença entre estes trabalhos e os outros que vi em Atenas e na Turquia é a de que estes trabalhos são horríveis com materiais modernos a cobrir os antigos em vez de – como nos outros campus que louvo – só servirem para suprir as faltas dos materiais antigos e sendo colocados de modo a que não haja a mais pequena sombra de dúvidas sobre o que é antigo e o que é moderno. O cúmulo do horrível são os frescos que parecem acabados de pintar. Esqueceram-se, contudo, de informar sobre a marca das tintas usadas.

Knossos-2.jpg

 

Sobrepondo-se à vergonha da qualidade da reconstrução, o guia teve o bom senso de desviar a nossa atenção para o labirinto onde Minos mandou encerrar o Minotauro. E qual não foi o meu espanto quando a doutrina mais recente aponta para a hipótese de o labirinto terem sido os fundos do palácio e constituído pelo emaranhado de salas, corredores, armazéns e demais dependências numa confusão labiríntica que baralharia quem por lá se metesse. Confesso que as hipóteses antigas me fascinavam mais do que esta que vejo como doméstica e sem aquele misticismo por que eu esperava e que referi quando fui ao Cabo Sounion donde o rei Egeu se fez despencar.

 

Mais uma decepção. Mas esta, mitológica.

 

E dali seguimos para uma visita à cidade, Heraklion. Vamos lá…

 

Abril de 2018

Knossos 1.JPG

 Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 08:49
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quarta-feira, 11 de Abril de 2018
KALIMERA – 8

 

GÜNAYDIN

035.JPG

 Palavras para quê, se a imagem diz tudo?

 

“Günaydin” significa em turco o mesmo que “kalimera” em grego e que “bom dia” em português.

 

E aí estamos nós, a Graça e eu, a prepararmo-nos para pôr pé em terra turca pela terceira vez.

 

Da primeira, foram três dias em Istambul durante os quais tivemos como guia um Professor universitário de História de Constantinopla que, para grande tristeza de alguns companheiros do nosso grupo turístico, não sabia quantos lugares tem o estádio do Galatasarai; da segunda, tivemos como cenário a «riviera» turca centrada em Antália percorrendo mais de mil quilómetros em visita a lugares históricos tão importantes como Afrodisias e Éfeso; desta terceira vez, em regime de «visita de médico», iriamos (e fomos) a Éfeso.

 

Relativamente à cidade moderna, há que lhe dar a conotação local, ou seja, dizendo «kuchadasi» em vez do que lá vemos escrito. Até porque essa coisa de um S com cedilha…

 

A cidade é hoje um polo turístico de primeira grandeza mas historicamente é a reposição de Éfeso, essa cidade onde S. Paulo pregou aos efésios. E porquê a substituição? Porque o porto de Éfeso foi assoreado e o comércio cessou. A partir do momento em que a motivação económica desapareceu, tudo o mais se desvaneceu e a cidade teve que mudar de poiso para o novo litoral, o actual. A cidade greco-romana está actualmente a cinco quilómetros da costa integrada numa zona agricolamente ubérrima. Sim, na Turquia deve funcionar um método lógico de formação dos preços agrícolas pois a agricultura é pujante.

 

Nesta segunda visita a Éfeso, confirmei que a liderança dos trabalhos arqueológicos continua a ser da Universidade de Viena e notei muitos progressos na recuperação de edifícios e monumentos; o «mar» de visitantes financia a bilheteira de acesso ao campus e o Estado turco não tem custos. Mas a maior parte das legendas está… em alemão.

 

É claro que imaginei soluções semelhantes (com legendas em português) para os nossos campus arqueológicos, nomeadamente o de Conimbriga, o de Miróbriga e o que ainda não está constituído em Balsa onde tudo está por fazer.

 

Eis como a Turquia está a corrigir o desleixo das gerações anteriores. Nós ainda não.

 

Abril de 2018

114.JPG

 Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 07:40
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 10 de Abril de 2018
KALIMERA – 7

 

PELO MAR EGEU

Celestyal Majesty.jpg

 

Diz quem sabe que a Grécia tem uma das maiores frotas comerciais a nível mundial mas as bandeiras de conveniência relegam-na para os níveis medianos da tabela. Este, em que embarcámos, o “Celestyal Majesty”, tem bandeira de Malta e Valeta como porto de amarração. Mentira, claro. É grego e tudo se trata no Pireu. Porquê isto? Porque o quadro legal grego é mais pesado que o homólogo maltês e só paga mais quem não pode pagar menos.

 

Lançado ao mar em 1992 no estaleiro turco que o viu nascer, tem 40 mil toneladas, uma tripulação de 600 profissionais e alberga 1200 folgazões.

 

Formalidades de embarque cumpridas logo pela manhã nascente, eis-nos confortavelmente instalados e prontos a assistir ao início da viagem rumo a Mykonos, lá para a meia distância da Turquia. Chegados, ficou o navio ao largo e desembarcámos em lanchas. Fomos de autocarro até à «cidade», demos um giro, fizemos umas fotos e tomámos o autocarro de volta antes que nos cansássemos mais do que nos apetecia.

Mykonos.jpg

 

E o que se faz por ali? Pois creio que pouco ou mesmo muito pouco. Ver o mar será monótono quando as ondas nem sequer existem mas disseram-nos que quando as há, que entram pelas casas dentro. Sim, creio que isso faça algum «frisson», o que em grego se escreve συγκίνηση e se diz “synkínisi”. Mas, pelo que vimos, isso só acontece de vez em quando porque os ventos predominantes sopram do lado oposto da ilha.

 

Fazendo jus ao estilo local, foi com muita calma que regressámos ao navio, jantámos e zarpámos para uma navegação nocturna rumo ao Império de Erdogan para aportarmos um bocado a sul do sítio onde os outros se intrometeram com um cavalo de pau.

 

Abril de 2018

 

Grécia, algures.jpg

 Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 08:32
link do post | comentar | favorito

Domingo, 8 de Abril de 2018
KALIMERA – 5

 

DOS NARIZES DE CADA UM

 

O nariz grego, que forma uma linha recta do topo interciliar à ponta, é considerado o nariz perfeito."

Harriet Hubbard Ayer.jpg

Harriet Hubbard Ayer (1849, Illinois - 1903, Nova Iorque)

 

 

E foi nestas divagações que dei por mim quando me meti num pequeno navio (ou seria um grande barco?) zarpando do Pireu rumo a Hidra com uma perspectiva de navegação de quase três horas e sem nada que fazer a não ser olhar o mar. A Graça, muito bem, deixou-se aquecer ao Sol da Primavera numa «chaise longue» mas as minhas lentes de contacto não me autorizam fechar os olhos para ensaiar algum «passe por brasas». Eis por que me dediquei a olhar para os narizes das gregas que passavam por nós e a lembrar-me de que todas eram naso-sósias da Maria Callas.

Maria Callas.jpg

https://www.youtube.com/watch?v=sNEUdGZutGw

Não lhes perguntei se também cantavam ópera.

 

E a propósito da Callas (1923, Nova Iorque - 1977, Paris), contava-se que ela tinha uma irmã que, essa sim, era uma grande cantora, muito melhor do que a Maria, no dizer da professora de canto que nas respectivas juventudes ambas tinham tido na Nova Iorque natal. E as pessoas que contavam essa história (eventual balela cuja veracidade nunca investiguei) concluíam com a questão de se imaginar como teria sido se a irmã tivesse enveredado pela carreira lírico-dramática. Ao que eu tenho duas respostas para dar: 1ª – Não podem ser conhecidos os resultados duma experiência não experimentada e, portanto, daí resulta que todos os pensamentos não passem de meras especulações; 2ª – Se a «mana» se tivesse dado ao trabalho de “trabalhar a voz” e de estudar música como Maria fez, talvez pudesse ter sido alguém no canto lírico ou dramático mas optando por cozer meias e alinhavar bainhas de saias e calças, entrou no esquecimento das multidões que nunca a ouviram (nem, como eu, sequer sabem da sua existência).

 

Nem sequer sei se ela tinha a nacionalidade grega mas eu não podia estar na Grécia ignorando Maria Callas. Seria o mesmo que ir a Roma e não ver o Papa.

 

A propósito de Roma, também me lembrei de outra história que se conta dos italianos na Grécia.

 

A certa altura da II Guerra Mundial, o palhaço «Duce» decidiu invadir a Grécia e foi um grande escândalo quando um Batalhão inteiro foi encurralado por uma pequeníssima força guerrilheira grega. Perguntado sobre quantos guerrilheiros os tinham detido, o Comandante italiano respondeu que eram dois.

- Como foi, então, possível que apenas dois guerrilheiros tivessem detido um Batalhão inteiro?

 

A resposta terá sido imediata:

- Eles cercaram-nos.

 

Verdade ou «história» (que também nunca me dei ao trabalho de tentar verificar), daqui se conclui da falta de convicção com que “lutavam” os italianos e da verdadeira valentia dos gregos.

 

Decididamente, os gregos não se deixaram influenciar pela «Commedia del Arte».

 

Terá o feitio do nariz alguma influência no caracter? Talvez… mas também não investigarei essa hipótese.

 

8 de Abril de 2018

 

Porto de Hidra.JPG

Henrique Salles da Fonseca

(no porto de Hidra)



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 13:36
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 6 de Abril de 2018
KALIMERA – 4

 

POSSEIDON

 

Manhã clara, deu para ver o Sol nascente e por isso me lembrei do «Loro Sae» timorense. Mas logo de seguida tudo se toldou e a chuva começou. E foi sob céu plúmbeo que fizemos o resto do dia.

 

Saidos, então, de Atenas rumo ao Sol nascente, fizemos um pouco mais de 100 kms ao longo da costa sul do Pireu a caminho do Cabo Sounion. Trata-se duma «rivière» de relativamente boa qualidade com inúmeros empreendimentos turísticos e baías – umas a seguir às outras – que se enchem de banhistas e barqueiros no Verão mas que agora estavam vazias. Mas deu para perceber que é assim que a Grécia está a tentar perfilar-se perante as consequências da crise que estoirou em 2014-15.

 

Chegados ao destino, ali estava uma paisagem com vegetação em tudo semelhante à nossa Serra da Arrábida fazendo-me lembrar o que nos ensinaram no Liceu de que, sendo Portugal um país atlântico, tem, mesmo assim, diversos locais de clima mediterrâneo. Mas o que nós não temos é a profusão de templos que os gregos têm. E aqui, no extremo oriental do Pireu, o orago é Posseidon, o deus dos mares.

Templo Posseidon Cabo Sounion, Grécia.jpg

 

E se os gregos antigos tinham o local como místico, também Byron se deixou enamorar pelo local ou por algum guardião das ruinas fazendo de Sounion a morada dos seus quase últimos dias mas acabando-os um pouco mais a Ocidente, em Mesolóngi a 19 de Abril de 1824. De qualquer modo, ainda teve forças para fazer gravar o seu nome numa das pedras fundamentais do templo. E os turistas lá vão tirar fotos como se esse fosse o carisma local. Não é!

 

A questão religiosa centrada em Posseidon era de grande relevância para o rei ateniense Egeu que já sonhava com o crescimento marítimo do seu «império» a fim de ganhar a dimensão que lhe permitisse tornar-se independente da vassalagem a Minos, rei de Creta.

 

Assim como vários séculos mais tarde a mitologia lusitana põe o Infante D. Henrique em Sagres a maquinar os descobrimentos, também a mitologia grega põe Egeu em Sounion a imaginar o domínio sobre o arquipélago fronteiro.

 

Então, quando Minos determinou que os reinos vassalos deveriam enviar anualmente a Creta não sei quantos adolescentes para servirem de alimento ao Minotauro, a ira assumiu proporções de ruptura e Egeu enviou o seu filho ao palácio de Knossos para entrar no labirinto e matar o monstro antropófago. O jovem zarpou de Atenas e deveria regressar hasteando velas brancas se tivesse acabado com a sorte ao Minotauro mas se tivesse sido vencido pelo monstro, os sobreviventes deveriam hastear velas escuras. Só que o jovem príncipe, chegado a Knossos, enamorou-se pela filha de Minos e entre a refrega da luta que levou à morte do Minotauro e os calores dos amores com a princesa cretense, esqueceu-se de hastear as velas brancas e chagando ao largo do Cabo Sounion, induziu Egeu em erro sobre o resultado da missão. O rei, em desespero perante a hipótese de ter ficado sem o seu amado filho, despenhou-se do promontório e afogou-se nas águas do mar que assim passou a chamar-se Egeu.

 

Mais um local onde tentei «viver» a epifania joyceana com algum recolhimento.

 

O autocarro deu meia volta e regressámos a Atenas mas não consta que algum dos meus companheiros de viagem tenha sentido mais Egeu do que Byron.

 

6 de Abril de 2018

Cabo Sounion 1-MAR18.JPG

 Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 16:19
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 5 de Abril de 2018
KALIMERA – 3

 

O PESO DA HISTÓRIA

 

Tenho as ruinas como um monumento ao desleixo das gerações anteriores.

 

Daqui resulta o meu muito apreço pelo trabalho dos arqueólogos que presumo seguidos por engenheiros, arquitectos e canteiros.

 

Chegando ao sopé da Acrópole de Atenas, lembrei-me de Beethoven e da sua obra majestosa, «As ruinas de Atenas».

 

https://www.youtube.com/watch?v=GuW_T3RP1TE

 

Muito pausadamente, enquanto subíamos, ainda deu para trautear em surdina uma ou outra passagem mais «cantabile» que tenho de memória mas quando chegámos ao topo, a primeira vista que se me ofereceu foi uma oficina de cantaria. E foi com agrado que passei da minha surda cantoria para a cantaria dos canteiros.

 

Logo me lembrei de um amigo, arquitecto, que já está noutra dimensão, que me respondeu à questão de saber como se ia resolver o puzzle das pedras desmontadas - ou em falta - do arco de S. Bento então espalhadas pelo chão da zona central da Praça de Espanha em Lisboa: - Não há faltas na ponta do cinzel de um canteiro[i].

 

Continuámos a subir com a ligeireza que os meus mais de 70 anos sugerem e estava eu todo entusiasmado com o Pártenon quando a guia turística me diz que aquilo é só tamanho, que importante é o outro templo bem mais pequeno onde predominam actualmente as famosas Cariátides, ao lado do qual está a oliveira mais antiga do mundo. E aí começou ela uma dissertação em que não faltou o tridente de Posseidon que se espetara não sei exactamente onde fazendo brotar uma planta que deu azeitonas e de que se fez mel. Ou terá sido azeite? Não interessa, é tudo Mitologia e como tal deve ser considerado. Andando…

 

O Parténon é formidável e deixemo-nos de mesquinhezes que para pequeno basto eu. E sobre essa obra já foi dito o suficiente para que tudo o que eu afirme só possa passar por redundante.

Cariátides - Acrópole de Atenas.jpg

 Cariátides de Erecteion, na Acrópole de Atenas

 

Mas fiquei triste ao saber que os trabalhos de recuperação daquelas ruinas vão ficar pouco mais do que já estão. Que não vão reconstruir tudo. Porquê? Pensei que fosse por causa da falta de verba mas não, que é para não entrar em conflito com os gatunos que levaram frisos e outras partes para os Museus dos seus países lá para as bandas do Tamisa e mais não sei onde…

 

Mas não será mesmo verdade que não haja faltas na ponta do cinzel do canteiro? Então, se – muito bem, na minha opinião – preenchem as faltas com mármore branco para não enganar turistas nem historiadores nos próximos séculos, não vejo razão para que se continue a homenagear o desleixo de quem deixou tudo aquilo chegar ao ponto vergonhoso em que estava antes das actuais obras terem sido iniciadas. Espero que Governos futuros avancem até à reconstrução total de monumentos formidáveis como aqueles mostram ter sido.

 

A ver…

 

Abril de 2018

Partenon 1.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

 

[i] - Em crónica seguinte contarei como a «Universidade de Viena» está a resolver este mesmo problema nas obras de reconstrução de Efeso.



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 18:06
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


artigos recentes

BOM DIA, MAJESTADES!

KALIMERA – 14

KALIMERA - 12

KALIMERA – 11

KALIMERA – 10

KALIMERA – 8

KALIMERA – 7

KALIMERA – 5

KALIMERA – 4

KALIMERA – 3

arquivos

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds