Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

NATAL

 

 

Natal já tem traz de porta

Logo cai na quartafêra;

Vença nos armá presepio

E aranjá candêa cera.

Nôs tem sagrada familia,

Pastor, vacca tem bastante;

E tem também três Rê mago

Montado na elephante.

Nôs tem Minino Jesús,

Sam José com Nossiôra;

E tem bastante pastor

Com dez ou doze pastora.

Mandá fazê unga estrado

D' altura de nosso pêto;

Armá presepio de riba

Logo pôde olá bemfêto.

Nôs dipois de missa-gallo,

Vamos sandê todo luz;

Chomá gente de vizinho

Cantá Minino Jesus.

Na Macau padre Manuel

Com mas dôs ou três sium-sium

Chega festa de Natal

Canta: gorung, gorungung

Aqui Adeste fidelis

E venite e más venite;

Como eu non sábe latim

Ai senti que non tem chiste.

Padre Manuel na Macau

Fica na rua de Pala

Já fazê unga presepio

Que ocupá metade sala.

Sua lapa qui bonito...

De fóra inchido de fula.

Minino Jesus na pala

No meio de vaccas e mula

Nossiôra e Sam José

Ali perto dozelado,

Cobri corpo de sua filo

De frio quasi gelado.

A' riba de lapa unga anjo

Aguando desce de ceo

Co´unga letréro escrevido

— Gloria in excelsis Deo. —

Tem uma estrélla na ceo,

Qui bonito vôs olá !

E tem três rés que, de longe,

Bota óculo, observá.

Sim, padre Manuel fallá

Qui aquelle são três rés-magro

Mas eu senti bem de gordo

Tudo costa bem de largo.

Unga ré são portuguez

Otro moro, tem turbante;

Otro cafre beco grosso,

Corpo inchido diamante!

N'unga canto de presepio

Inchido de arve de côoco;

Macaco subi, descê.

Igual como jugá sôco.

Rê Herode com sua tropa

Com espada, chuça e lança,

Corê como diabo solto

Mata tudo criança-criança!

De tanto ancuza que tem,

Que eu agora já esquecê;

Mas tem unga crueldade

Eu de medo já tremê!!

Vôs olá p´ra tudo rua,

P'ra tudo canto e travessa

Inchido criança macho

Tudo morto sem cabeça.

Vae tudo vanda ouvi choro

Tudo mãi berrá, dá grito;

Sam José com Nossiôra

Fuzi com Jesus p'ra Egypto

Padre Manuel são capaz,

Elle tem bastante gêto;

Agora não pôde olá

Presepio assim bemfêto.

 

Filippe M. de Lima

(poeta macaense)

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D