Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

«SYLLOGISMUS INVIDIA» - 1

Em ordinário, a língua falada pela ordem comum, a língua vulgar, não especificamente erudita, no nosso caso, o português, o título acima é «O silogismo da inveja». E porquê o título em latim? Por três razões, a saber: porque silogismo é «coisa» que vem da Antiguidade Clássica; porque a inveja é «coisa» muito mais antiga do que a dita Antiguidade Clássica; porque eu quero fugir o mais rapidamente possível do que é ordinário e a inveja é-o, claramente.

Inveja é substantivo mas hoje refiro-me ao adjectivo invejoso que é aquele que não quer que os outros tenham aquilo que ele próprio não tem.

Com esta simplicidade se chega à razão primeira da filosofia marxista. O marxista não quer que os ricos o sejam pois os pobres não conseguem enriquecer. E na visão marxista – estava a dita filosofia a nascer no século XIX, já lá vão quase 200 anos – os ricos eram os causadores da pobreza alheia. Solução? Acabar com os ricos.

Portanto, a inveja é o que está na base da filosofia marxista e para se ser um bom militante marxista tem que se ser um refinado (no sentido de politicamente formatado) invejoso. Tudo o resto são roupagens cujo objectivo consiste em tapar a sua ominosa nudez transformando a genética ordinária em virtuosa estirpe.

Até aqui, tudo semântica mas daqui em diante, «pia mais fino».

Diabolizado o lucro, tanto Lenine como os seus pragmáticos seguidores morderam o anzol que tudo lhes levaria a perder. Sem lucro não há poupança, sem poupança não há investimento, sem investimento não há progresso, sem progresso não há esperança e sem esperança não há sistema político que vingue sustentadamente nem sequer munindo-se de Polícias políticas, de costumes ou outras… Eis o silogismo da inveja que nem as tropelias contra os Direitos Humanos conseguem perturbar eternamente por serem contrárias à essência humana.

E o silogismo conduziu ao ponto mais do que ridículo – e, contudo, dramático para milhões de vítimas – de o determinismo histórico que previa o triunfo do marxismo sobre as ruinas do capitalismo se ter revelado ao contrário da (falsa) profecia com a glória das sociedades livres e socialmente previdentes sobre as ruinas do totalitarismo soviético.

Mas, entretanto, enquanto o pau foi e voltou, em nada folgaram as costas e sobre a Guerra Fria ainda não foi tudo dito. Sem a pretensão de pôr um ponto final sobre esse período da História de que eu próprio sou «documento coevo», direi algo no próximo texto, o do imperialismo soviético.

(continua)

Março de 2021

Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D