Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

SIMPLESMENTE QUADRATURA

 

Quadratura do Círculo.png

 

Quando as coisas correm a favor dos nossos ideais, as sondagens até que nos dão descanso e podemos dizer coisas amáveis, ou, pelo menos, aparentemente isentas. Mas as sondagens ultimamente mostram vantagens para a Coligação e a Quadratura do Círculo revelou-se extraordinariamente assomadiça, no que toca a Pacheco Pereira e a Jorge Coelho, via-se bem que estavam irados aquando das explicações rancorosas de tal descalabro em que nenhum deles quer acreditar, Jorge Coelho explicando que só no dia 4/10 é que se decide o ganhador, Pacheco Pereira, com ar modestamente iluminado, de quem descobriu a pólvora - que Lobo Xavier, aliás, desmascararia como coisa explicável pelo conhecido - (não de mim, confesso) - método de Hondt - munido de papel e marcador vermelho, dividindo um rectângulo em duas partes desiguais – direita e esquerda – com vantagem para a esquerda, contendo todos os grupos da não governação, estranhando que num país nitidamente virado à esquerda, pois passou a incluir nela o PS, sem ressalvas, era uma escassa direita que governava. Lobo Xavier também achou que era cedo para triunfalismos, e que a tendência das sondagens era para um empate técnico, o que, aliás, Jorge Coelho igualmente corroborou, mais desanuviado. Mas Pacheco Pereira via-se que estava extremamente nervoso, falando na empáfia do PSD e acusando Paulo Portas de ser afrontoso para o país, ao percorrer os estaleiros de Viana como território ocupado, embora Lobo Xavier desmascarasse a perfídia de Pacheco, lembrando que essas passeatas são vulgares nas campanhas eleitorais e que, se o passeio fosse do PS já isso faria sentido para Pacheco Pereira…

 

Enfim, eu estava a ouvir meio abananada, e logo comentei com o meu marido a atitude de “mau perder” de P.P, embora nem sequer houvesse motivos para crer em derrota do PS, num país de tantos PPs presunçosos e não seguidores do lema latino que os três ou quatro mosqueteiros seguiam, já nos tempos de Richelieu – «Unus pro omnibus, omnes pro uno» – cada um avaramente apenas seguidor da sua própria pessoa, de um modo geral. E o meu marido falou naqueles outros heróis antigos, dos princípios da revolução – Freitas do Amaral, Basílio Horta … - que já foram CDS e agora apoiam Costa, com todo o peso das suas importâncias, chamariz de outros amigalhaços. Como se pode mudar assim? Nesses tempos da Revolução eu era jovem, Freitas fora meu herói, ele sabia dizer coisas equilibradas, que eu precisava de ouvir, na revolta contra a destruição pátria que vivia. Mas realmente, nunca Freitas se pronunciou sobre o meu “Cravos Roxos” que lhe enviei, com o calor da minha admiração de então. Os cravos para ele nunca foram, de facto, roxos, tal como para os manobradores da nova pátria.

 

Quanto a Pacheco Pereira, ainda nos interrogámos sobre se ele faria parte do mesmo grupo apoiante de Costa, mas achámos que não. Também ele mudara, diz-se, de MRPP para PSD, mas as suas flutuações levam-no indiscutivelmente, por dever de consciência – talvez quadrada - ao primitivo grupo revolucionário. Ou, definitivamente, a si próprio.

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D