Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

SERÁ QUE OUVI MAL?

 

Jerónimo de Sousa prometeu aumentar o ordenado mínimo para 600 euros se fosse governo e eu julguei que ele já se estava a imaginar no lugar dos Tsipras, embora em Portugal, os quais também se fartaram de prometer coisas com o dinheiro da banca europeia que lhes era devido e com isso ganharam o poder, que a maioria dos gregos parece que nem se importa muito com a proveniência do dinheiro, desde que ele brote de algum sítio. Eu estava a ouvir um pouco distraidamente na Sic Notícias o programa da entrevista de Ana Lourenço a António Vitorino e Santana Lopes, que são pessoas educadas e bem falantes, nos seus comentários à actualidade, como agora se usa muito e ainda bem, para ficarmos mais a par do que se passou e do que se irá passar. A verdade é que o programa acabou e a bola de cristal não funcionou, ninguém percebe, realmente, o que se irá passar, o Parlamento Europeu a perder a paciência com as intrujices do Tsipras e agora também do

Varoufakis e Tsakalotos.jpg Euclid Tsakalotos, que é o novo ministro das Finanças grego, mas anda na mota do Varoufakis e por isso devem ser parceiros na desvergonha, pois ele não levou o trabalho feito, só uns rabiscos nuns papéis, mesmo a gozar com os outros parlamentares europeus, que se fartam de reunir em cimeiras por conta da dívida grega, o que significa mais despesa inútil, mas acabam sempre frustrados, mesmo depois do referendo que só serviu para prolongar a farsa. E cá por casa os nossos blocos esquerdinos e figuras gradas aproveitaram para elogiar a coragem dos gregos, e um deles – bloco - até pediu o apoio solidário do governo, como Alberto Gonçalves refere, em texto que vale a pena ler:

 

PATRIOTAS & PARASITAS

por

Alberto Gonçalves.pngDN, 05 julho 2015

 

Na sexta-feira, os deputados do Bloco de Esquerda levantaram cartazes em que se lia "Solidariedade com a Grécia". Como se o gesto não fosse suficientemente engraçado, submeteram em simultâneo à Assembleia da República um voto com pedido semelhante. Dado que alguns parlamentares têm vergonha na cara, o voto acabou rejeitado. Mas ficou a divertidíssima intenção de condenar as "pressões indevidas que tentam condicionar a escolha livre e democrática do povo". Em português, isto significa que os gregos são livres de escolher a maneira de outros os sustentarem. Quanto à liberdade dos outros, o BE foi omisso. Para cúmulo, que se saiba nenhum dos deputados contribuiu para a campanha iniciada pelo britânico que, através de crowdfunding, procura ajudar a pagar os 1,6 mil milhões da dívida grega. Da última vez que vi, a recolha ia nos 1,6 milhões. Faltava um bocadinho, um bocadinho que, desconfio, não se alcança com cartazes e votos solidários. Nem com lirismo.

O lirismo dominou o encontro "A crise europeia à luz da Grécia", debate também realizado na sexta-feira e abrilhantado pela ausência de divergências. O calibre dos nomes envolvidos explica o estilo e o consenso: Louçã, Pacheco Pereira, Manuel Alegre, o Prof. Freitas, um economista da CGTP e, claro, os imparáveis deputados do BE. A bem da síntese, eis o tom geral: a Europa é uma ditadura (valha-nos Deus); a Grécia simboliza a democracia (desde tempos imemoriais, para não falar do velho esclavagismo e da pedofilia clássica); os gregos resistem ao poder do dinheiro (excepto quando é dado); os gregos, à imagem dos jogadores da bola, levantam a cabeça (excepto para pedir); os gregos são dignos (na medida em que o parasitismo é um critério de dignidade); os gregos, em suma, são patriotas - já os alemães que preferem a Alemanha ou os portugueses que preferem Portugal são traidores. Seja em que país for, patriota é o sujeito que dá a vida ou, vá lá, levanta um cartaz pela Grécia.

A Grécia ou, diga-se em nome da exactidão, o Syriza, o que não é exactamente o mesmo. Há dias, o ministro Varoufakis disse preferir perder um braço a prejudicar a Grécia. Ora o homem não é maneta e, com uma perna às costas, nos intervalos das poses para retratos ao piano já transformou a situação que os gregos viviam há seis meses numa saudade. O pedaço que falta aos senhores do Syriza é uma cabeça em que caiba coisa diferente de ideologia, infantilidade, ressentimento, fanatismo e todos os ingredientes da toleima de que nos lembrarmos.

E é isso, não os "gregos" ou a "Grécia", que move os apoiantes do Syriza. Nos plenários excitados de Lisboa, Caracas ou Moscovo, é o currículo marxista e maoista do bando que seduz (por pudor, não menciono os neonazis da coligação). A retórica da "democracia" é, naturalmente, cosmética, quase irónica: gosta-se do Syriza porque o Syriza representa a enésima esperança de derrubar o "capitalismo", ou o "sistema", ou a "Europa", ou o que quer que defina o Ocidente que, afinal, se abomina. Os "gregos" são os "trabalhadores" ou o "povo" do costume: cobaias mais ou menos voluntárias de uma experiência que invariavelmente corre mal. O referendo, e a reacção dos "democratas" ao referendo, decidirá se corre ainda pior.

 

A verdade é que logo a seguir ao debate entre A. Vitorino e S. Lopes, ouvi Jerónimo de Sousa a prometer aumentar o ordenado mínimo e logo imaginei que Sousa era o nosso próximo Tsipras, e tudo recomeçaria, mas por cá. A Grécia a primeira a sair do euro, nós a seguir, à pala das promessas de Jerónimo. E “vou tresvaliando, como em sonho”, como José Pacheco Pereira gosta de frisar, montado no corcel mirandino da sua paráfrase poética. Todavia, é de puro pesadelo,  este meu tresvaliar, mais próximo de desvairar, prosaicamente ciente  da carne para canhão em que nos estamos todos tornando.

Por tal motivo, o melhor é mesmo deliciarmo-nos com a continuação do artigo de Alberto Gonçalves, que “tresvalia” de olhos bem abertos à janela do mundo:

 

Um balanço extremamente positivo

Domingo, 28 de Junho

 

Acho que já tudo se disse sobre a participação portuguesa nos Jogos Europeus em Baku, com dez medalhas conquistadas, três delas de ouro. Sem querer estragar a festa, acho que ainda falta dizer qualquer coisa sobre Baku. Baku é a capital do Azerbaijão, que por sua vez é uma ditadura mal-disfarçada de democracia representativa. As eleições são fraudulentas. A liberdade de expressão é um mito. As televisões são controladas pelo governo. Os jornalistas são presos por delito de opinião. Os populares que se manifestam são presos, torturados e, ocasionalmente, desaparecem sem deixar rasto. E isto é a parte simpática: no Naquichevão, a repressão agrava-se a ponto de o enclave merecer o cognome de Coreia do Norte. No meio da pobreza geral, material e não só, a típica vaidade do presidente Aliyev, ele próprio um recordista na modalidade da corrupção, decidiu receber os tais Jogos, nos quais gastou mais de mil milhões de dólares na propaganda do seu estimável regime e da sua egrégia pessoa. Numa tradição tão velha e corrupta quanto o desporto organizado, democracias a sério enviaram delegações a fim de legitimar o grotesco exercício. E Portugal terminou a celebrar a vitória de uma senhora no judo, embora a vergonha tivesse ido ao tapete há muito.

 

O povo que sabia de menos

Segunda-feira, 29 de Junho

 

Uma sondagem do DN informa que quase metade dos portugueses nunca ouviram falar de Sampaio da Nóvoa e que apenas 5% acham muito provável votar nele nas "presidenciais". Com estes índices de notoriedade e prestígio, o (discutivelmente) distinto académico parece tão próximo de se instalar em Belém quanto o (comparativamente) célebre Ninja de Gaia. O ligeiro revés, porém, não impede o Prof. Sampaio da Nóvoa de jurar que irá vencer as eleições. Como? Passo a citar: "De uma maneira ou de outra." É evidente que o Prof. Da Nóvoa sabe alguma coisa que nós não sabemos, proeza normal em quem sucedeu ao autor de Joana Come a Papa no cargo de reitor da Universidade de Lisboa. E, com franqueza, não gostaríamos de saber.

 

Berta Brás.jpgBerta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D