Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

SEM FÓRUM

 

Três títulos: «O escritor Fantasma», de 12/10, «As fitas que as elites fazem», de 5/10, «Os Direitos do indivíduo», de 8/10, nos «Dias contados» do DN de Domingo, 12/10, por Alberto Gonçalves, desaparecido o “FÓRUM” do DN, ou Alberto Gonçalves desaparecido do FÓRUM do DN, para partilhar com outros a rubrica “OPINIÃO”, necessariamente com menos relevo do que a rubrica anterior, o que lamento, por reconhecer em Alberto Gonçalves competência para ocupar sozinho o seu estrado forense, como caso de originalidade discursiva e sanidade moral que não se pode confundir com as lambedelas críticas a que foi emparelhado, juntamente com a banalidade de frases do dia mais ou menos piegas ou de significado banal.

alabardas.pngO primeiro seu artigo é sobre José Saramago, sobre a última obra do Nobel, incompleta, preenchido o volume com páginas de louvor, não sei se póstumo, páginas de anotações, desenhos, e finalmente as 57 páginas do tal “Alabardas, Alabardas, Espingardas, Espingardas”, enxerto polémico, na opinião exultante de Saramago, como os seus demais livros, como tinha gosto em pré-avisar. Não conhecendo o livro, não poderei apoiar Alberto Gonçalves na sua crítica, mas parece-me viável, pelo sentimento de impotência nacional que ele representa, contra o aproveitamento que cá se faz do “galardão” para lançar uma obra mesmo incompleta e sem préstimo, na opinião saudável de um escritor – Alberto Gonçalves – para reconhecer tanto de autênticas aventesmas que se publicam, a coberto do nome e da notoriedade atrevida, num país de bajulices e de penúria mental, dentro de uma “intelectualidade” pretensiosa e insensata tantas vezes.

Na mesma linha crítica, a propósito da subjectividade das elites intelectuais – no caso presente, sobre uma opinião empolada, numa entrevista a António-Pedro Vasconcelos (APV), quer a respeito de si como realizador de cinema, quer sobre a sua opinião a respeito de António Costa, de que Alberto Gonçalves discorda: E conclui: «Ninguém estranhará que APV, vulto da Cultura com maiúscula, despreze o Prof. Cavaco, subido dos Algarves e da classe média rural. Já é esquisito que o seu elevado grau de exigência se satisfaça com o Dr. Costa, o portento que geriu bastante melhor a carreira política do que uma mera autarquia. Em larga medida, é o mesmo que escarnecer de José Cid para louvar os méritos do cançonetista Toy. Mas é justamente essa a especialidade das nossas elites, que APV representa na perfeição. E se as elites traduzem um país, pobre país . »

Quanto a Marinho Pinto, tem sido tanta a pesporrência dramática da sua actuação como embaixador da causa própria, e tão desconforme a sua falta de sobriedade de manifestação - desconcertante, vaidosa, arrogante, tenebrosa de burrice palavrosa e vã - que o texto de Alberto Gonçalves é absolutamente incontornável:

1º Texto: O escritor fantasma

Uma última viagem na sua permanente vocação para agitar consciências, diz o anúncio da Porto Editora. Um acto revolucionário, diz o juiz espanhol Baltasar Garzón. Saramago vintage, diz o editor brasileiro do falecido escritor. Saramago no seu melhor, diz o editor português. Uma obra divertida, diz Eduardo Lourenço.

Tudo isto a propósito de "Alabardas, Alabardas, Espingardas, Espingardas", o dito romance inacabado de José Saramago. Na verdade, de romances inacabados está o mundo cheio. Alabardas inaugura um género novo, o dos romances praticamente por começar.

Não é que não haja um livro: há, aliás com 135 páginas. Seis são notas do autor. Cinquenta são textos de outros autores sobre o autor e o produto em causa. Dez são índices, ficha técnica e diversos. Doze são desenhos de um antigo membro das Waffen-SS. Sobram 57 folhinhas, impressas em fonte crescida e a dois (ou três) espaços. Ninguém se deve admirar se, no mês que vem, publicarem os últimos post-it que Saramago colou no frigorífico, em cinco volumes repletos de ensaios alheios, bonecos para colorir e a oferta de uma echarpe em tons marrom. Meia dúzia de críticos hão-de considerar estarmos perante um momento de ruptura na cultura universal.

Num certo sentido, Alabardas consagra de facto o estilo do Nobel caseiro, que em vida fazia questão de anunciar, ele próprio, o carácter polémico de cada livro antes mesmo de o livro chegar ao público. Um boa estratégia, até porque quando o livro chegava ao público não acontecia nada de especial - excepto se o público se chamava Sousa Lara. Devido a condicionantes óbvias, agora o anúncio da polémica ficou a cargo de terceiros, mas o processo é idêntico e com uma vantagem: se o hábito consiste em privilegiar a algazarra em detrimento do conteúdo, desta vez o conteúdo quase não existe e a algazarra abunda. Saramago vintage, de facto. E, desde que ignoremos os pechisbeques anexos, a minha obra preferida dele. As outras não se liam em horas. Conto não ler esta em vinte minutos.

2º texto: As fitas que as elites fazem

António-Pedro Vasconcelos.png Deixem-me citar António-Pedro Vasconcelos (APV), em entrevista ao DN a pretexto do seu recente filme: "(...) Isso levou-me a pensar muito no Frank Capra e no Vittorio De Sica, que fizeram filmes em momentos de crises terríveis, mas sem deitar as pessoas abaixo. A questão é que o Capra tinha o Roosevelt e nós temos o Cavaco. É um bocado diferente. O neorrealismo partiu de coisas atrozes como a guerra e o fascismo, mas havia um horizonte de esperança."

Passemos ao ponto da situação. Para APV, APV é um cineasta comparável a Capra e a De Sica. Roosevelt suscitava admiração. O fascismo permitia, ou até estimulava, o optimismo. A Depressão e a II Guerra eram preferíveis à austeridade da troika. E o Prof. Cavaco é o mais reles dos estadistas, tão mau que embora presida ao regime que subsidia as pérolas de APV, indirectamente impede um génio do calibre de APV de fazer o tipo de fitas que os seus heróis fizeram.

Porém, APV faz outras fitas. Entre elas, apoia António Costa. E não se trata de um apoio casual: APV foi a acções de campanha do homem, apareceu excitadíssimo na noite da vitória nas primárias, atribui-lhe virtudes como a "paixão", o "rigor" e a "seriedade".

Ora aqui é que a coisa se complica. Ninguém estranhará que APV, vulto da Cultura com maiúscula, despreze o Prof. Cavaco, subido dos Algarves e da classe média rural. Já é esquisito que o seu elevado grau de exigência se satisfaça com o Dr. Costa, o portento que geriu bastante melhor a carreira política do que uma mera autarquia. Em larga medida, é o mesmo que escarnecer de José Cid para louvar os méritos do cançonetista Toy. Mas é justamente essa a especialidade das nossas elites, que APV representa na perfeição. E se as elites traduzem um país, pobre país.

3º Texto: Os direitos do indivíduo

António Marinho e Pinto.png Marinho e Pinto prometera um striptease do salário e fê-lo em meros 17 dias, pelo que demorou apenas um pouco mais que o striptease literal da dançarina exótica média. Infelizmente (ou felizmente, que aqui a doutrina divide-se), ficou uma peça de roupa por tirar, ou por declarar ao TC: os 54 mil euros que Marinho e Pinto recebeu da Ordem dos Advogados a título de subsídio de "reinserção na actividade profissional". "É vida privada", explicou o homem que veio purificar a política.

E "privada" é favor. O tal subsídio foi criado em 2008 pelo então bastonário da Ordem, por coincidência Marinho e Pinto. "Tudo o que fiz foi de acordo com a lei e com as regras estabelecidas", afirma o justiceiro, sem falsos pudores perante o facto de a lei e as regras serem da autoria dele ou de confrades dele. Ao mesmo tempo, e talvez sem dar por ela, Marinho e Pinto estabelece uma mudança radical na relação dos contribuintes com o fisco. Se o precedente vingar, a partir de agora é o cidadão que decide qual a parte dos rendimentos susceptível de impostos e qual a parte isenta. Nunca antes se defendeu tão bem os direitos do indivíduo, o indivíduo Marinho e Pinto, claro.

Os direitos do indivíduo

Marinho e Pinto prometera um striptease do salário e fê-lo em meros 17 dias, pelo que demorou apenas um pouco mais que o striptease literal da dançarina exótica média. Infelizmente (ou felizmente, que aqui a doutrina divide-se), ficou uma peça de roupa por tirar, ou por declarar ao TC: os 54 mil euros que Marinho e Pinto recebeu da Ordem dos Advogados a título de subsídio de "reinserção na actividade profissional". "É vida privada", explicou o homem que veio purificar a política.

E "privada" é favor. O tal subsídio foi criado em 2008 pelo então bastonário da Ordem, por coincidência Marinho e Pinto. "Tudo o que fiz foi de acordo com a lei e com as regras estabelecidas", afirma o justiceiro, sem falsos pudores perante o facto de a lei e as regras serem da autoria dele ou de confrades dele. Ao mesmo tempo, e talvez sem dar por ela, Marinho e Pinto estabelece uma mudança radical na relação dos contribuintes com o fisco. Se o precedente vingar, a partir de agora é o cidadão que decide qual a parte dos rendimentos susceptível de impostos e qual a parte isenta. Nunca antes se defendeu tão bem os direitos do indivíduo, o indivíduo Marinho e Pinto, claro.

Berta Brás.jpg

 Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D