Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

ROTAÇÃO. TRANSLAÇÃO.

 

E aqui vamos rodando, incansavelmente, nestas discrepâncias ou acordos – (o fechado, como em pescoços ou repolhos, ou coxos, o fenómeno da metafonia ausente, que faz que se abram os ós, dos ovos ou dos impostos que igualmente fazem abrir os cordões à bolsa - aos bolsos, de o aberto, e digo isto por embirrar com os acórdos inconsistentes e mal pronunciados de Costa e outros muitos) – acordos, dizia, de opiniões e de o fechado, que tornam folclórica a nossa democracia, já de si bastante dançarina e gulosa, segundo o provam diversos canais matutinos e vespertinos da nossa televisão.

 

Sempre atento a ela – à democracia, creio que da autêntica, Alberto Gonçalves apresenta um discordante, ao que parece, que quer reduzir “Os Maias” do Eça a uma meia dúzia de páginas, e que apelidou as meninas do Bloco de esganiçadas, o que deve ter sido por falta da leitura integral das obras literárias – obras primas, para mais, no caso de “Os Maias” – o que lhe limitou indiscutivelmente o vocabulário. Esganiçadas elas não são, pelo menos a Mortágua, que tem uma voz disciplinadamente soturna. Quanto à Martins, Catarina de sua graça, eu diria antes voz de trinado, mas não me parece importante o descritivo, a redução dos Maias sendo de uma amplitude bem superior em questão de bacorada.

 

Uma das coisas que sempre referi, quando ensinei português, após o 25 de Abril, – não, contudo, o francês, que foi estreitando cada vez mais o impacto da sua dimensão no nosso mundo escolar, a oralidade impondo-se, comezinha, sobre a escrita que nos conduzia à civilização e à cultura francesas – foi o cuidado posto nos compêndios de acompanhamento dos textos com outros didácticos e exercícios que poderiam ajudar os alunos a abrir a sua inteligência e sensibilidade. Bem diferentes esses compêndios dos do meu tempo de estudante e de professora antes do 25 de Abril, cujas selectas se limitavam ao amontoado de textos ou narrativas de história, geografia, etc,, dependendo do professor a abertura para os problemas interpretativos que esses punham. Tenho visto que em todas as disciplinas se passa o mesmo, cada compêndio fazendo-se acompanhar de mais um ou dois, com ilustrações, explicações, exercícios, fichas … um prazer pelo menos para os acompanhantes adultos que vão ajudando os filhos ou netos, com uma carga de exercícios e trabalhos demasiada, todavia, autêntico massacre, dada a abundância de disciplinas e sobrecarga de horários e de peso nas mochilas.

 

Eça de Queiroz.png

 

E a tola sugestão de Pedro Arroja referida por Alberto Gonçalves, de redução d’OS MAIAS a uma meia dúzia de páginas espanta-me, numa época de maior preocupação cultural favorecida ainda pelos media.

 

E Alberto Gonçalves vai rodando, vai rolando, e nós com ele, e com as novas notícias dos massacres em Paris, interpretadas segundo as cores de cada um, de forma brilhante segundo a mente honesta do sociólogo, avesso aos cinismos e falsa fé de uma sociedade agressiva, os valores morais cada vez menos imperiosos: «Se hoje a França lamenta os seus cadáveres como amanhã lamentaremos os nossos, isso deve-se à cultura de extermínio que distingue o Islão dito menos moderado. E à má-fé que leva inúmeros ocidentais a fingir que não sabem.»

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

Censura prévia

Alberto Gonçalves.jpg Alberto Gonçalves

DN, 15/11/15

 

O pouco que sei de Pedro Arroja chega-me. Lembro-me de, há anos, o homem se ter notabilizado pela aplicação teórica do liberalismo económico a tudo o que se mexesse e não mexesse (se não me falha a memória, o Dr. Arroja propunha, em prol da eficácia, a redução de Os Maias a meia dúzia de páginas). Tenho a vaga impressão de que, talvez aborrecido por não lhe fazerem a vontade, o Dr. Arroja partiu para os EUA. E, talvez desgostoso por os americanos não o consagrarem como deviam, regressou à pátria transformado: afinal, o liberalismo era um arranjinho judaico, a ética protestante causava não sei que prejuízos às almas e, tudo bem espremido, apenas o Deus católico salvaria a espécie e, de passagem, a organização social. Há meses, vi-o de relance no Porto Canal, a lamentar a ausência do divino na política.

 

Pelo menos a presença do Dr. Arroja na referida estação é aparentemente regular e, há dias, o nosso herói aproveitou-a para chamar "esganiçadas" às meninas do Bloco de Esquerda. Entusiasmado, acrescentou que "não queria nenhuma daquelas mulheres, nem dada", na medida em que, com qualquer delas, seria impossível "construir uma comunidade, uma família". Comparado com o que as meninas costumam chamar aos que delas discordam, e perante o rol de inanidades em que são especialistas, "esganiçadas" parece-me meigo. De resto, eu próprio preferiria a solidão dos estilistas a aturar as meninas. Ou a aturar o Dr. Arroja, cujas afirmações exóticas quase passam por sensatas após o espectáculo que se seguiu.

 

O espectáculo, aplaudido pelos maluquinhos do Facebook, consistiu na exigência, a cargo do BE, de um pedido de desculpas ao Porto Canal, sob os argumentos (?) de que "a desigualdade de género mata" e de que "quarenta mulheres são assassinadas pelo seu companheiro e ex-companheiro todos os anos em Portugal". Ficamos pois informados que a recusa em partilhar o lar com uma dirigente trotskista é acto discriminatório e, provavelmente, homicida.

 

Tem gracinha? Nem por isso. A esquerda, já de si avessa à tolerância, anda particularmente vigilante e susceptível. Basta olhar em volta. A tentativa de calar o Dr. Arroja é só um mero tiro - anedótico e por enquanto provavelmente ao lado - nas rajadas censórias em curso. Por muito que se duvide dos "acordos" da "frente popular", convém perceber que os interesses específicos de cada partido incluem um objectivo comum aos três: a domesticação das dissonâncias. Quando o Dr. Costa espera que "o ressabiamento nervoso da direita passe daqui a uns meses", não está a manifestar um desejo, está a definir uma meta. Admito que a supressão da liberdade não seja o "fim último" dessa gente (o PS quer regressar às negociatas e à impunidade dos negociadores; o Bloco quer anexar parte do PS; o PCP quer preservar a clientela dos "serviços" públicos). Mas é no mínimo uma etapa essencial do processo. Nota-se em vésperas da tomada do poder e, caso Cavaco permita o pior, vai notar-se mais a seguir. Depois não digam que não foram avisados. Até porque será complicado dizê-lo.

 

Sábado, 14 de Novembro

 

Uma questão de fé

 

Na manhã de sexta-feira, Obama explicava na televisão que os avanços do Estado Islâmico foram "contidos" na Síria e no Iraque. Horas depois, oferecia ajuda à França em transe. O sucesso da "contenção" passou despercebido aos familiares das vítimas.

 

Mas seria injusto atribuir à relativa apatia da administração americana o sucesso do EI. A verdade é que, talvez sem "células" consolidadas, sem organização "central" e sem um pingo da compreensão do "outro" que às vezes define e às vezes tolhe o Ocidente, é fácil a um punhado de psicopatas desgraçar centenas de vidas e paralisar um país. Basta um sujeito para atear o incêndio que mil bombeiros não apagam. Como prevenir? Convém pensar na resposta, e convém estar preparado para a possibilidade de não haver nenhuma.

 

O que, à semelhança da ajuda tardia de Obama, não contribui para nada de bom é esquecer que os autores dos massacres, de Paris e de tantos outros, são os culpados pelos massacres. Não são "as religiões", em sentido genérico e vago para não ofender a religião comum a tudo isto. Não são os "mercados", que de facto reduzem as desigualdades que nunca motivaram os assassinos. Não são os "racistas" que criticam os refugiados em lugar de os receber sem reservas. Não é a "hipocrisia" dos "países ricos", que por muitos erros estratégicos que cometam não obrigam ninguém a explodir com o público de um concerto pop ou com os clientes de um restaurante. Podia ser o "ódio" de que se queixa o Bloco de Esquerda, embora com típica pulhice atribua nas entrelinhas o sentimento aos que morrem e não aos que matam. E não podia ser Cavaco Silva, cuja demora em indigitar o Dr. Costa é, na avariada cabecinha de Ana Gomes, responsável pela permeabilidade nacional ao terrorismo. Se hoje a França lamenta os seus cadáveres como amanhã lamentaremos os nossos, isso deve-se à cultura de extermínio que distingue o Islão dito menos moderado. E à má--fé que leva inúmeros ocidentais a fingir que não sabem.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D