Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

RETRATOS NACIONAIS


Duas personalidades portuguesas de que o país se deve orgulhar, pela qualidade da sua inteligência crítica e intelectual - o discurso ético da ponderação e a nobreza da isenção partidária, próprios de Francisco Assis, o propósito satírico geralmente saliente, nas lúcidas análises de Vasco Pulido Valente. Não resisto a transcrevê-los a ambos, nesta análise selectiva que ambos praticam no balanço final do ano:


UM ANO, SEIS PERSONAGENS
Esta legislatura não vai durar quatro anos
http://abemdanacao.blogs.sapo.pt/um-ano-seis-personagens-1551560

Francisco Assis.png

 Francisco Assis

 

OS MELHORES DO ANO

Vasco Pulido Valente.pngVasco Pulido Valente
Público, 26/12/2015


Pedro Passos Coelho – Pelo que fez nestes quatro anos. Foram anos para muita gente de sofrimento e miséria. Mas tudo teria sido pior sem a tranquilidade e constância do primeiro-ministro. Não houve nada que a esquerda não dissesse sobre ele: não houve insulto, nem calúnia, nem mentira que não saísse da sua habitual grosseria e desonestidade. Passos Coelho aguentou tudo e transmitiu ao país, no meio da catástrofe em que o meteu o PS, alguma confiança e algum ânimo. Merece o nosso respeito.


Paulo Portas – Equilibrou a coligação, quando ela começava a deslizar para a incoerência, e conduziu a sua política sem se perturbar com os limites que lhe punha o azedume do PSD e o frenesim da esquerda.


Mariana Mortágua – A inteligência e a sobriedade com que se comportou na comissão de inquérito ao grupo Espírito Santo deu ao parlamento algum prestígio (de que urgentemente precisa) e aos portugueses muito prazer.


José Manuel Fernandes, Rui Ramos, David Dinis – Criaram o primeiro grande jornal online, o “Observador”. Numa altura em que toda a gente fala numa língua que não chega a ser português, é bom saber que ainda aparece quem escreva português e, às vezes mesmo, bom português.


Henrique Medina Carreira – Continua a explicar com uma exemplar clareza a situação do país. Mas não perdeu o humor, nem a rudeza que ajuda a compreender a verdade.


Catarina Martins – Sem nada: sem saber economia ou finanças; sem um pensamento político pertinente e organizado; sem um passado que a impusesse ao público; sem qualquer prestígio fora da agremiação exótica a que pertence, Catarina Martins conseguiu atrair os votos de uma imensa quantidade de portugueses. E, não contente com isto, também ajudou à formação do governo de António Costa. É o símbolo da vitória da insignificância.


Ricardo Araújo Pereira – Finalmente, já ninguém lhe acha graça.


Adolfo Mesquita Nunes – Aos 38 anos presidiu ao maior aumento do turismo em Portugal. Só que não gostou da política. Não se candidatou a uma carreira de ócio como deputado e, quando o governo caiu, voltou alegremente à sua profissão.



OS PIORES DO ANO
Vasco Pulido Valente
Público, 27/12/2015

 

Cavaco Silva – É triste pensar que este homem dominou 20 anos da democracia, que nós queríamos que mudasse Portugal e o transformasse num país moderno e, até onde possível, próspero. Com um espírito estreito e uma indescritível arrogância, percebeu quase tudo mal, tanto como primeiro-ministro, como Presidente da República. A sua reforma, anunciada para Março, é um peso que a Constituição nos tira de cima.


António Costa – Correu brutalmente com Seguro do PS e depois da derrota de 4 de Outubro formou um governo de extrema-esquerda, que só pode dar mau resultado para os portugueses, para o PS e para ele. Não percebe os limites da penúria a que chegámos, nem os remédios que a podem, com sorte, atenuar. Quando se for embora, vai deixar o país num caos, do qual nada sairá de bom.


Ricardo Salgado – Como conseguiu o responsável pelo banco e pelo Grupo Espírito Santo levar à ruina e ao tribunal uma potência que se julgava inexpugnável? É preciso uma espécie de génio para se conseguir uma proeza destas. Génio e a subserviência da família e da gente que trabalhava com ele. Nós, por uma vez, vimos directamente na comissão da Assembleia da República a falta de carácter e de vergonha dos comparsas de Ricardo Salgado. Bastava isso para se impor à banca uma regulamentação selvagem.


Paula Teixeira da Cruz – Um desastre ambulante e um melancólico pretexto para deixar a Justiça na mesma.


Pilotos da TAP – A greve que fizeram não tem desculpa. Contribuíram para a desgraça da companhia e começaram um suicídio lento, que arrastará consigo centenas de inocentes.


José Rodrigues dos Santos – A cada ano que passa aumenta a sua colecção de graçolas sem graça e de trejeitos que só conseguem enojar ou irritar. Que nos quer ele dizer com a piscadela com que acaba o Telejornal? Que nós somos cúmplices do estado do mundo? Que não nos devemos preocupar com o estado do mundo? Que é melhor partilhar com ele a sobranceria e a vaidade de uma cabeça oca?


José Sócrates – Reapareceu em cena no seu papel de vítima; vítima do Ministério Público, de 30 e tal juízes, de campanhas conduzidas por uma “força oculta”, da direita, do PS e da humanidade. Não percebe que uns meses mais desta vexatória farsa o levarão ao desprezo universal e daqui a pouco nem com uma vara alguém se atreverá a tocar nele.


* * *

O conhecimento humanístico que Vasco Pulido Valente detém o levam a tratar as suas figuras com maior ou menor dimensão crítica, de acordo, naturalmente, com a sua sensibilidade e empatia. É o caso de Cavaco Silva, de quem ninguém se atreve a dizer bem – Francisco Assis abstendo-se, por delicadeza, talvez, Pulido Valente malhando nele com o fervor do repúdio. Atrevendo-me a expor o meu parecer, e apenas com o conhecimento da própria vivência, lembro o ministro que admirei, que ajudou a modernizar o país nas autoestradas que rasgou, com a minha amiga sempre barafustando por ter feito demorar tanto, surpreendentemente, a do Algarve, que traria turismo e lucro. Um homem que parece apático, mas que de repente se apresenta – pelo menos assim o vejo – defensor inquebrantável do seu país, nas palavras de zelo que pronuncia, seguro no seu posto e indiferente aos apupos da multidão que o despreza na sua velhice, só aparentemente inerte e tacanha. É claro que a velhice, sobretudo quando pueril – caso da referência às compras que fez com a mulher num qualquer país europeu – o tornam alvo das chufas desdenhosas dos que no chefe apenas querem admirar o ícone hierático que inspira respeito, não a estátua de pés de barro. Mas Cavaco Silva, parecendo tacanho, sabe bem o que quer e não se deixa vergar pelos apupos dos que intimamente considerará invejosos e impotentes. Para mim Cavaco Silva será sempre um homem que, acima de tudo, respeitou a sua pátria.


Quanto a Passos Coelho, outro abocanhado pelas alarvidades de quem só viu nele o que quis ver, desprezando as contingências da sua actuação, é, para mim, a figura maior do ano que passou.


Só não entendo por que Vasco Pulido Valente, enfiando Catarina Martins nos melhores, o faz pela negativa – “símbolo da vitória da insignificância”. O mesmo relativamente a Ricardo Araújo Pereira, considerando que “Já ninguém lhe acha graça”. Por essa forma, os que considera os piores, como José Sócrates, mestre na arte da vitimização e parolice, deveriam ser postos entre os melhores. Catarina Martins lembra-me um fogo fátuo, um meteoro que risca o céu e facilmente se desintegra, por falta de luz própria.


Mas posso estar enganada, que a parolice nacional ainda nos faz hoje rastejar em Fátima.

 

Berta Brás.jpgBerta Brás

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D