Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

RETRATOS NACIONAIS


Duas personalidades portuguesas de que o país se deve orgulhar, pela qualidade da sua inteligência crítica e intelectual - o discurso ético da ponderação e a nobreza da isenção partidária, próprios de Francisco Assis, o propósito satírico geralmente saliente, nas lúcidas análises de Vasco Pulido Valente. Não resisto a transcrevê-los a ambos, nesta análise selectiva que ambos praticam no balanço final do ano:


UM ANO, SEIS PERSONAGENS
Esta legislatura não vai durar quatro anos
http://abemdanacao.blogs.sapo.pt/um-ano-seis-personagens-1551560

Francisco Assis.png

 Francisco Assis

 

OS MELHORES DO ANO

Vasco Pulido Valente.pngVasco Pulido Valente
Público, 26/12/2015


Pedro Passos Coelho – Pelo que fez nestes quatro anos. Foram anos para muita gente de sofrimento e miséria. Mas tudo teria sido pior sem a tranquilidade e constância do primeiro-ministro. Não houve nada que a esquerda não dissesse sobre ele: não houve insulto, nem calúnia, nem mentira que não saísse da sua habitual grosseria e desonestidade. Passos Coelho aguentou tudo e transmitiu ao país, no meio da catástrofe em que o meteu o PS, alguma confiança e algum ânimo. Merece o nosso respeito.


Paulo Portas – Equilibrou a coligação, quando ela começava a deslizar para a incoerência, e conduziu a sua política sem se perturbar com os limites que lhe punha o azedume do PSD e o frenesim da esquerda.


Mariana Mortágua – A inteligência e a sobriedade com que se comportou na comissão de inquérito ao grupo Espírito Santo deu ao parlamento algum prestígio (de que urgentemente precisa) e aos portugueses muito prazer.


José Manuel Fernandes, Rui Ramos, David Dinis – Criaram o primeiro grande jornal online, o “Observador”. Numa altura em que toda a gente fala numa língua que não chega a ser português, é bom saber que ainda aparece quem escreva português e, às vezes mesmo, bom português.


Henrique Medina Carreira – Continua a explicar com uma exemplar clareza a situação do país. Mas não perdeu o humor, nem a rudeza que ajuda a compreender a verdade.


Catarina Martins – Sem nada: sem saber economia ou finanças; sem um pensamento político pertinente e organizado; sem um passado que a impusesse ao público; sem qualquer prestígio fora da agremiação exótica a que pertence, Catarina Martins conseguiu atrair os votos de uma imensa quantidade de portugueses. E, não contente com isto, também ajudou à formação do governo de António Costa. É o símbolo da vitória da insignificância.


Ricardo Araújo Pereira – Finalmente, já ninguém lhe acha graça.


Adolfo Mesquita Nunes – Aos 38 anos presidiu ao maior aumento do turismo em Portugal. Só que não gostou da política. Não se candidatou a uma carreira de ócio como deputado e, quando o governo caiu, voltou alegremente à sua profissão.



OS PIORES DO ANO
Vasco Pulido Valente
Público, 27/12/2015

 

Cavaco Silva – É triste pensar que este homem dominou 20 anos da democracia, que nós queríamos que mudasse Portugal e o transformasse num país moderno e, até onde possível, próspero. Com um espírito estreito e uma indescritível arrogância, percebeu quase tudo mal, tanto como primeiro-ministro, como Presidente da República. A sua reforma, anunciada para Março, é um peso que a Constituição nos tira de cima.


António Costa – Correu brutalmente com Seguro do PS e depois da derrota de 4 de Outubro formou um governo de extrema-esquerda, que só pode dar mau resultado para os portugueses, para o PS e para ele. Não percebe os limites da penúria a que chegámos, nem os remédios que a podem, com sorte, atenuar. Quando se for embora, vai deixar o país num caos, do qual nada sairá de bom.


Ricardo Salgado – Como conseguiu o responsável pelo banco e pelo Grupo Espírito Santo levar à ruina e ao tribunal uma potência que se julgava inexpugnável? É preciso uma espécie de génio para se conseguir uma proeza destas. Génio e a subserviência da família e da gente que trabalhava com ele. Nós, por uma vez, vimos directamente na comissão da Assembleia da República a falta de carácter e de vergonha dos comparsas de Ricardo Salgado. Bastava isso para se impor à banca uma regulamentação selvagem.


Paula Teixeira da Cruz – Um desastre ambulante e um melancólico pretexto para deixar a Justiça na mesma.


Pilotos da TAP – A greve que fizeram não tem desculpa. Contribuíram para a desgraça da companhia e começaram um suicídio lento, que arrastará consigo centenas de inocentes.


José Rodrigues dos Santos – A cada ano que passa aumenta a sua colecção de graçolas sem graça e de trejeitos que só conseguem enojar ou irritar. Que nos quer ele dizer com a piscadela com que acaba o Telejornal? Que nós somos cúmplices do estado do mundo? Que não nos devemos preocupar com o estado do mundo? Que é melhor partilhar com ele a sobranceria e a vaidade de uma cabeça oca?


José Sócrates – Reapareceu em cena no seu papel de vítima; vítima do Ministério Público, de 30 e tal juízes, de campanhas conduzidas por uma “força oculta”, da direita, do PS e da humanidade. Não percebe que uns meses mais desta vexatória farsa o levarão ao desprezo universal e daqui a pouco nem com uma vara alguém se atreverá a tocar nele.


* * *

O conhecimento humanístico que Vasco Pulido Valente detém o levam a tratar as suas figuras com maior ou menor dimensão crítica, de acordo, naturalmente, com a sua sensibilidade e empatia. É o caso de Cavaco Silva, de quem ninguém se atreve a dizer bem – Francisco Assis abstendo-se, por delicadeza, talvez, Pulido Valente malhando nele com o fervor do repúdio. Atrevendo-me a expor o meu parecer, e apenas com o conhecimento da própria vivência, lembro o ministro que admirei, que ajudou a modernizar o país nas autoestradas que rasgou, com a minha amiga sempre barafustando por ter feito demorar tanto, surpreendentemente, a do Algarve, que traria turismo e lucro. Um homem que parece apático, mas que de repente se apresenta – pelo menos assim o vejo – defensor inquebrantável do seu país, nas palavras de zelo que pronuncia, seguro no seu posto e indiferente aos apupos da multidão que o despreza na sua velhice, só aparentemente inerte e tacanha. É claro que a velhice, sobretudo quando pueril – caso da referência às compras que fez com a mulher num qualquer país europeu – o tornam alvo das chufas desdenhosas dos que no chefe apenas querem admirar o ícone hierático que inspira respeito, não a estátua de pés de barro. Mas Cavaco Silva, parecendo tacanho, sabe bem o que quer e não se deixa vergar pelos apupos dos que intimamente considerará invejosos e impotentes. Para mim Cavaco Silva será sempre um homem que, acima de tudo, respeitou a sua pátria.


Quanto a Passos Coelho, outro abocanhado pelas alarvidades de quem só viu nele o que quis ver, desprezando as contingências da sua actuação, é, para mim, a figura maior do ano que passou.


Só não entendo por que Vasco Pulido Valente, enfiando Catarina Martins nos melhores, o faz pela negativa – “símbolo da vitória da insignificância”. O mesmo relativamente a Ricardo Araújo Pereira, considerando que “Já ninguém lhe acha graça”. Por essa forma, os que considera os piores, como José Sócrates, mestre na arte da vitimização e parolice, deveriam ser postos entre os melhores. Catarina Martins lembra-me um fogo fátuo, um meteoro que risca o céu e facilmente se desintegra, por falta de luz própria.


Mas posso estar enganada, que a parolice nacional ainda nos faz hoje rastejar em Fátima.

 

Berta Brás.jpgBerta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D