Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

RDP INTERNACIONAL

 

RDPi.png

 

 

Venho divulgar um apelo no sentido de que a RDP Internacional (RDPi) se mantenha, como até agora, como o canal lusófono por excelência, com o seu papel determinante na expansão da língua, como elo entre os portugueses no mundo e veículo de divulgação da cultura portuguesa e lusófona em geral e de aspirações de povos e comunidades de herança portuguesa.

 

Este apelo tem a ver com indicações que chegaram ao meu conhecimento a apontar para uma certa subordinação da RDPi a ditames que fogem ao âmbito que atrás referi: por exemplo o forte encurtamento dos noticiários diários, o abandono de noticiários à hora certa (o que implica que as rádios lusófonas no mundo que os retransmitem fiquem impedidas de ter essa informação abrangente da RDPi). Segundo sei, esses noticiários à hora certa cessam a partir de meados de Fevereiro.

 

E esses noticiários da RDPi devem ter em conta a diferença horária nos vários continentes e devem também ter a frequência adequada, apenas com o máximo de duas ou três horas de espaço entre si (pelo que é inadmissível que depois do noticiário das 24h só volte a haver às 9h). Esta minha preocupação surgiu-me depois de saber que, desde o passado dia 12 de Janeiro já não há síntese noticiosa às 7h25 e a Revista de Imprensa diária cerca das 8h20 (que estava atenta ao que os jornais de todo o país - regiões autónomas incluídas - escreviam sobre a diáspora e o mundo lusófonos).

 

Outra preocupação tem a ver com os conteúdos da emissão e, em especial, o que se relaciona com a música que sempre foi de pendor popular (raiz portuguesa) e que deve manter-se em prejuízo de uma música predominantemente urbana, a qual, sem deixar de ser emitida, não pode ser a prioritária. Os ouvintes globais da RDPi, sejam portugueses, lusófonos em geral e amigos de Portugal (e da cultura que o nosso país disseminou no mundo), gostam dessa música de raiz popular e/ou de matriz portuguesa, como tantas vezes o deram a conhecer. E mais: peço também que se impeça que a liberdade dos locutores/realizadores seja cerceada por uma planeada play list, a impôr música pré-selecionada.

 

Sobre os meios a utilizar para fazer chegar a mensagem da RDPi, acho necessário repensar o fim da Onda Curta. E aqui refiro o caso de Espanha que, dados os protestos de ouvintes, decidiu mantê-la de modo a ir de encontro aos falantes de castelhano no mundo que não são tão dispersos como os lusófonos que se espalham pelos 5 continentes.

 

Os protestos contra o fecho da Onda Curta da RDP foram numerosos (por carta, mail, Facebook, sites e blogs, telefone e durante as emissões), dirigidos à RTP, ao Provedor do Ouvinte e aos funcionários da RDPi, além dos constantes da Petição 'Manter a Onda Curta RTP Internacional RDP Internacional’.

 

As emissões de rádio por Onda Curta, ao contrário do que alguns dizem, não são um meio obsoleto ou com falta de qualidade. Conforme a potência dos emissores e a direcção das antenas, muitas dessas emissões têm grande qualidade (e até há o sistema DRM, o que lhes confere som quase igual ao do FM). Basta ter um receptor com essas bandas para o constatar.

 

E, também ao contrário do que se diz (e eu soube que o CEOC, Centro Emissor de Ondas Curtas, tinha um custo anual pouco superior a meio milhão de euros), a Onda Curta não é um meio caro e com manutenção dispendiosa e é menos falível do que a falada distribuição da RDPi nas redes de satélites, cabo, DTH e Internet, porque esta falha de todo se houver problema na emissão do sinal que a sustenta.

 

Acresce que há um vasto potencial que a RDP está a desperdiçar: os milhões de receptores dotados de Onda Curta, de cujas bandas Portugal lamentavelmente desapareceu.

 

Quem faz cessar os desmantelamentos em curso?

 

De Denang para Hué.JPG

Henrique Salles da Fonseca

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D