Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

«RAINHA JINGA»

Rainha Jinga.png

 

Ao fundo da coxia daquela enfermaria de hospital, depois da última cama, no canto ao lado da grande janela com vista deslumbrante, o cadeirão em que se sentava a «rainha Jinga», aquela Senhora negra de quem nunca soube o nome. Caíra do alto do seu metro e oitenta fracturando a coluna e ali estava entregue à esperança de os médicos conseguirem pô-la de novo em pé. Movimentos entre a cama e o cadeirão executados com a ajuda de um pequeno elevador que alguém manobrava: o marido, que lhe dava as refeições, as filhas e filhos que a toda a hora lhe faziam companhia, as amigas que lhe contavam as histórias que a «rainha» gostava de ouvir, todos a ajudarem, bom ambiente, calor humano.

 

Bata amarela dos Voluntários naquele hospital, baixinha, na casa dos 60, sorriso tímido, em silêncio, a mão acenando levemente a quem estava nas camas por que ia passando, chegou a Senhora, «a senhorinha».

 

O marido da «rainha» teve que ir ali fora ao corredor, a filha que estava presente decidiu ir com o pai comprar não sei quê, a amiga disse que já vinha e a Senhora baixinha da bata amarela, com o seu sorriso tímido, chegou junto da «rainha». Acariciou-lhe a mão inerte e falaram em surdina. Eu estava junto da cama ao lado e não tentei ouvir o que diziam mas sei que rezavam. E rezaram…

 

No final, «a senhorinha» afagou novamente a mão inerte da «rainha», despediu-se de mim com um sorriso tímido e eu fiquei na dúvida sobre se o aceno da sua mão não seria uma bênção. Creio que sim e gostei.

 

Pois é, andam Santos por aí e nós nem damos conta.

 

Abril de 2019

21ABR19.jpg

Henrique Salles da Fonseca

NB: cena real, passou-se em Junho de 2014

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D