Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

«QUANTITATIVE EASING» EUROPEIA, A VERSÃO MÁRIO DRAHI E OS ETERNOS PROBLEMAS

 

Draghi.jpg

 

O «Quantitative Easing», na versão Mario Draghi, não é a solução milagrosa que se pensa e, além disso, chega tarde e a más horas. À falta de outras soluções mais convencionais, a opção por esta via disponibilizando mais dinheiro (1,1 bilião de euros!) constitui uma opção de risco. As taxas de juro estão muito baixas e, neste quadro, os bancos vão guardar o dinheiro ou exercer um controlo muito apertado do crédito, só o concedendo aos "grandes clientes", com garantias de retorno certo. Resta saber se estes irão injectar o capital na economia real, gerando emprego e dinamizando as empresas, se vão optar pela via especulativa ou, se, pura e simplesmente, o vão aplicar (ou seja, no fundo, imobilizar) em operações de rendimento garantido. Muito provavelmente, o crédito ao cidadão vulgar de Lineu será concedido de forma muito restritiva e a conta-gotas. O(s) interessado(s) terá(ão) de esperar por melhores dias, ou seja pela recuperação económica plena - se, quando e como.

 

Mais. Para completar o quadro, é preciso não esquecer que se vive na austeridade sem tréguas, nem quartel, e será ilusório pensar que se sairá dela, como num passe de mágica. O populismo grego ficará para os gregos e, muito sinceramente, que lhes faça o melhor proveito possível.

 

Em suma, a reacção da banca será muito provavelmente a que se antevê, com a tonalidade descrita ou com outra muito parecida.

 

É preciso, em breves pinceladas, traçar o quadro actual repisando pontos estafadamente debatidos, mas que nunca é demais relembrá-los. O nosso grande problema (ou melhor, o nosso duplo problema) consiste no desregramento e "laissez aller" a Sul e o fundamentalismo financeiro a Norte. Depois há questões de ordem psicológica que também pesam: uma Alemanha que vive sob o espectro de uma nova República de Weimar, de que conhecemos as consequências trágicas e um Sul que precisa de oxigénio para respirar e que começa a desesperar (a Grécia é um bom exemplo, mas não é o único, nem sequer o mais preocupante). Por outro lado, o Euro, lançado por vontade expressa de Mitterrand que, aterrado, queria controlar ingenuamente uma Alemanha gigantesca, e avança, então, a todo vapor, para Maastricht, lança a moeda única, aceitando um novo marco e as regras germânicas do mesmo, todavia sem harmonização fiscal, sem concordância das políticas orçamentais, sem regulação bancária comum e sem convergência de políticas económicas, convencido que as diferenças entre Portugal e a Alemanha eram comparáveis às existentes entre o Arkansas e a Califórnia, que também utilizam uma moeda única (o dólar) dentro do mesmo espaço comum (os EUA). Estava dada a receita para o desastre e deu-se. As assimetrias naturalmente emergiram: a Norte, ficaram os beneficiários a Sul os sacrificados. Estou obviamente a condensar o discurso. Mas as coisas, grosso modo, passaram-se assim. Luz ao fundo do túnel? Pois, por ora, não se vê, apenas uma luminosidade espectral que nem sequer augura nada de bom.

 

Francisco Henriques da Silva.jpg

Francisco Henriques da Silva

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D