Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

«QUANDO ESTIVER LIMPO O SISTEMA»?

 

 

Quod sensus?

 

Um artigo – de João César das Neves, «Não há desgraças grátis» (DN, 18/8) - que tenta justificar a queda do GES e do País com o colapso mundial de 2008, de que o último crime pretende ser uma terceira fase no processo.

 

Sempre se falou, em todos estes anos, em governos de esbanjamento sem critério, apoiados em capitais que jorraram como maná no deserto, sem prever a estiagem, e que possibilitaram as manobras sucessivas de manipuladores que souberam dilapidar e desviar e corromper, no esconso dos seus trejeitos mansos e felinos que de repente se aclaram, no prejuízo dos vitimados, nas tentativas de solução pelo sacrifício de todos, no castigo aparente dos que realmente vão ficar impunes e continuam fossando na sordidez das suas justificações que nada justificam.

 

Ao que parece, Ricardo Salgado é o único que dá a cara do seu grupo, assumindo traços de herói por assim se disponibilizar, explicando que cada um do grupo era responsável pela sua “banca”, mas estes camaradas não são chamados à liça para responsabilização pessoal.

 

E factos como estes têm sido uma constante neste “estábulo” em que vivemos chafurdando, e que, estranhamente, se atribuem ao colapso de 2008, em explicação que lembra a autodefesa de Sócrates. Não, não é a sujidade moral dos fautores desses crimes a responsável pelo enchimento do estábulo. Prefere-se designá-la com o elegante nome de catástrofe, que envolve em manto protector os que foram e vão enchendo o estábulo, sem pejo e sem castigo.

 

Por isso o título «Não há desgraças grátis»,de César das Neves, ao insinuar que são desgraças e não crimes estas misérias que rebentam a cada passo sob os nossos pés, como as explosões da guerra no oriente asiático, nos coloca sob a capa do fado que tudo justifica. Temos que pagar.

 

«Não há desgraças grátis»

 

Por João César das Neves

 

Numa catástrofe só há más soluções, mas são melhores do que nada. Estas duas ideias, apesar de evidentes, são sempre difíceis de entender precisamente devido à catástrofe. A discussão à volta da recente queda do Grupo Espírito Santo (GES) é típica deste diálogo de surdos, como foram as conversas durante a crise económica. Acusar o Banco de Portugal do descalabro do GES só mostra incompreensão do problema, como antes dizer-se que a política do Governo ou da troika empobreceram Portugal. O GES e o País caíram com a crise. A política apenas serve para depois distribuir a perda pelos vários grupos envolvidos. Naturalmente, ao receberem o seu quinhão, todos se dizem injustiçados, porque acreditavam ficar imunes. Isso é ilusão, porque não há crises grátis.

 

O paralelo dos dois casos não é fortuito, porque afinal o terramoto é o mesmo. A queda do GES em 2014 é um episódio da terceira fase da via particular que Portugal escolheu para lidar com o colapso mundial de 2008. Podíamos ter feito de outro modo desviando ou adiando o peso. O que nunca poderíamos era evitar os enormes custos do buraco global.

 

Alguns países, como os EUA, aguentaram o embate em cheio. Sofreram muito, limparam o sistema e recomeçaram a crescer; em 2011 a economia americana recuperou o nível de 2007, anterior à queda. Portugal optou por um caminho diferente. Grande parte da nossa economia também sofreu o embate inicial, com falências, desemprego, perda de rendimentos. Mas certos sectores da sociedade, como o Governo e o GES, preferiram negar o desastre, pedir dispensa, adiar medidas, reclamar direitos adquiridos. Assim, só na segunda fase, a partir de 2011 e com a chegada da troika, se começou um ajustamento a sério, afectando sectores protegidos pelo Estado:

funcionários, pensionistas, serviços e afins. Estes fizeram mais barulho do que todos e ainda negam a necessidade dos cortes ou prometem revertê-los. Em 2014, seis anos após o choque e com o ajustamento alegadamente terminado, começa a terceira fase. Então, surpreendentemente, vêm à tona velhos e enormes buracos, escondidos todo este tempo.

 

A aberração do GES é espantosa. Primeiro por se tratar do mais antigo e central grupo da economia portuguesa, sempre no cume do poder. Depois por ter mantido tantos anos uma fachada triunfante, cobrindo as ruínas. O episódio atingiu já dimensão histórica por, segundo o Financial Times, estar no "topo da tabela dos piores aumentos de capital de sempre na indústria financeira" (5 de Agosto), anulando o investimento em dois meses. Indiscutível é que desabou uma das peças mais imponentes e centrais da economia portuguesa. Não há soluções adequadas. A resposta do Banco de Portugal a 3 de Agosto não é boa pois, entre os escombros, dessas já não há. Barafustar e apontar inconvenientes é repetição óbvia e ociosa. Queixas e críticas são compreensíveis, mas o grupo ruiu; resta resgatar nos destroços os valores recuperáveis. O governador, como lhe competia, salvou a parte central do edifício, o banco. No meio da desgraça, tal sucesso deve contentar-nos, pois a sua queda teria efeitos devastadores em toda a sociedade.. Além disso, envolvendo um Fundo de Resolução, pretendeu, se tudo correr como previsto, não afectar o défice orçamental. Risco há sempre. Desabando uma das peças mais nucleares da economia, toda a sociedade portuguesa sofrerá, e não pouco. Viver por cá e dizer-se alheio exigindo imunidade é não entender o que aconteceu.

 

Porque ruiu o GES? Por erros graves após a crise global de 2008. Porquê só em 2014? Devido ao caminho escolhido por Portugal para lhe responder. A crise é antiga e dura, mas alguns, afectados como todos, conseguiram defender-se ao longo de todo o ajustamento. Uns às claras, sob o Tribunal Constitucional, outros no silêncio das influências políticas ou de forças económicas. Mas todos os que cá vivemos nos últimos 20 anos somos parte do problema. Cedo ou tarde, esta verdade vem ao de cima. Uma coisa é certa: só quando o sistema estiver limpo recomeça a crescer.

 

 Berta Brás 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D