Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

QUANDO AS AMIGAS CONVERSAM...

BB-AMIGAS.jpg

 

Enquanto o pau…

 

Já a minha irmã e a minha amiga tinham falado do DDT do Sábado à noite, que eu falhara, gabando os actores como dos melhores – a Ana Bola, o Joaquim Monchique, o Eduardo Madeira, o Manuel Marques e Joana Pais de Brito, como revelação que todas apreciamos. Vi o programa no Domingo à tarde e confirmei o meu comentário ao café: são bons como histriões, como caricaturas das figuras políticas que encarnam, mas não passam de bons farsantes, fabricantes de figuras sociais, ou antes, de tipos conhecidos, os mais altamente posicionados, sobretudo, como já Gil Vicente fizera no seu tempo. Um teatro humorístico de troça atrevida e galhofeira, que, porque directo e facilmente identificável se torna aprazível e sempre actual, como é, aliás, o seu objectivo. Não temos, de resto, a veia dramática de outros povos, ficando-nos definitivamente pelo género revisteiro que nos mantém na infância da projecção teatral. Mas a nossa amiga discorda, e há dias, num outro Domingo em que o Eduardo Madeira apareceu ao balcão do café, ela dirigiu-lhe umas palavras de apreço, como eu, aliás, já também fizera, num outro café, dirigindo-me à Maria Luís Albuquerque, sossegada, na esplanada, com seu marido, que deve ter apanhado um susto quando viu uma desconhecida, dirigindo-se-lhe muito rápida, para largar uma frase e voltando as costas de seguida: - Gosto muito de si. A minha amiga troçara do meu arrebatamento, mas o dela foi até mais glamouroso, no seu donaire que lhe vem dos tempos da Zambézia e do convívio social que ainda hoje mantém com as suas amigas.

 

Mas as conversas são como as cerejas, ao que se diz e que foi verdade nos meus tempos de criança por cá, em que comíamos glutonamente as cerejas das pernadas de uma cerejeira que havia no quintal e que um vizinho nos atirava de cima dela, eu própria também o fazendo, por essa altura boa trepadora. E digo isto porque me espantei com o súbito arreganho eloquente com que desatámos a falar dos actuais políticos, a minha amiga em voz macia, coisa que logo lhe fiz sentir:

-Realmente é preciso ter muito juízo para conseguir que tudo se resolva. É tudo o que se pede.

 

Eu, que ultimamente ando muito enervada, atirei que nunca ela dissera o mesmo do governo anterior, tão docemente, lembrando as desgraças sempre, indiferente aos condicionalismos. A minha amiga voltou a referir o desemprego e a emigração, e a minha irmã tirou-me as palavras da boca:

-Sempre houve emigração no nosso país, não se percebe por que tanto se condena uma coisa que só nos tem beneficiado.

 

Mas a nossa amiga não se desmanchou, segura das suas opiniões e concordou com a minha irmã sobre o Costa:

-Agora que o Costa está metido numa grande embrulhada, isso está.

-Sim, vai ter um grande problema pela frente.

 

Falámos no conjunto de pessoas do novo governo, a maior parte desconhecida, é claro, mas com um João Soares lá metido, filho de papai, e sem as garantias de que se cumprirão todas as propostas de governo minoritário que conseguiu fazer-se eleger apesar da resistência de Cavaco que a minha irmã condenou, e que eu hoje também condeno, por ter sido de pura exibição pessoal e sem justificações nem explicações finais ao país, sobre o porquê da aceitação de um PS a governar, no vago das definições dos partidos apoiantes, que apenas matraqueiam as suas imposições de rápida reposição de salários etc., na ameaça das pressões arruaceiras ou parlamentares.

 

Em casa, já em conversa com o meu marido, ao ouvir das arruaças organizadas pela CGTP, comentei que o povo e os seus orientadores de opinião eram estúpidos em provocar já manifestações, se queriam governo de esquerda, e o meu marido explicou:

- O povo não quer trabalhar, quer ganhar já, pressionando, para o dinheiro ser reposto, não importa como. Enquanto o pau vai e vem folguem as costas.

 

Berta Brás 2.jpgBerta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D