Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

QUANDO AS AMIGAS CONVERSAM

 

Mulheres em esplanada

 

Estranhei a minha amiga. Não é que não esteja já habituada a certas suas insinuações sobre a minha falta de combinação habitual nas cores do meu vestuário, ditos que por vezes até ferem a minha auto estima, pois uma pessoa tem a sua dignidade e nem sempre o estado de espírito lhe permite aceitar esses reparos com a sábia indiferença que põe no espírito os valores de relevo, pelo menos para si própria. A verdade é que me seduz a beleza, quer física quer do trajar e por isso fiz o reparo sobre a bonita cabeça da minha irmã, assim que cheguei, e logo a minha amiga, profusa e ampla de gestos, se saiu a confirmar que bastava ver a diferença entre as cabeleiras de uma e outra das irmãs para concordar que a cabeça dela estava inegavelmente muito acima da minha, de cabelos caindo enxutos, sem armação, sobre a minha caixa craniana, apesar de também ter ido na véspera à cabeleireira. Realmente não esperava ser alvo de um confronto tão inesperado, e até me senti meio constrangida com o paralelo, mas a minha amiga nem notou e continuou a dissertar com o domínio habitual, sobre os porquês de tais diferenças.

 

O que vale é que eu tinha mais propostas na manga, e logo que pude referi a questão das canções do Festival. Ninguém gostara, e falou-se da Simone, que a minha irmã chegara a ouvir e detestara a sua voz moribunda, falando a seguir nas canções dos festivais de outrora, que até muitas das que não ganhavam ficavam no ouvido como a do Jorge Fernandes, “Umbadá”. A minha amiga confirmou sobre o festival: «- Não tem interesse nenhum o festival. Zero», o que me fez estremecer, pelo cortante do tom, por muito que já estivesse habituada. Contei então que no Sábado à noite vira parte de um programa de evocação da música francesa de outrora, na TV5, uma vez mais expressão de cultura, requinte, delicadeza profundidade de interpretação e de sentimentos expressos, de beleza na melodia e nos gestos, na transposição de canções antigas, que os novos cantavam, às vezes acompanhados pelos cantores ainda vivos, como Adamo e Johnny Hallyday, autênticas paradas de arte e boa apresentação também pelos locutores.

 

Também tratámos de fofocas, desta vez sobre Alexandra Lencastre, que a minha amiga admira e a minha irmã acha provocadora, mas eu, que a ouvi há pouco numa entrevista, achei que ela se estava nas tintas para as opiniões, por ser bonita e atrair as homenagens masculinas, causa das suas atitudes desdenhosas, contrabalançadas por um extremo carinho com os deserdados.

- A Alexandra Lencastre está a fazer um papelão numa telenovela em Angola, estão encantados com ela, não sei se foca os problemas do racismo e da lixeira a par da luxúria citadinas – defende a minha amiga que anda sempre a par das questões melindrosas.

 

Aproveitei a referência a Angola para lembrar, decididamente votada à cusquice, que a Isabel dos Santos não é nada espaventosa no vestir, e mansamente a minha amiga concluiu:

- Ela não se dedica muito à aparência. Só quer é dinheiro e exposição.

 

Mas a Elsa chegou, contou do seu mundo familiar, de surpresas sempre para nós, o Afonso com as notas máximas sem esforço, como já o fora na Suíça, a Diana iniciando a sua vida social em festas no Pavilhão Atlântico, sempre sob o controlo da mãe, compreensiva e exigente, Pavilhão que abarrotara de malta, provando que a vida por cá também borbulha e sempre em festival.

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D