Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

QUANDO AS AMIGAS CONVERSAM

 

Mulheres em esplanada

 

Estranhei a minha amiga. Não é que não esteja já habituada a certas suas insinuações sobre a minha falta de combinação habitual nas cores do meu vestuário, ditos que por vezes até ferem a minha auto estima, pois uma pessoa tem a sua dignidade e nem sempre o estado de espírito lhe permite aceitar esses reparos com a sábia indiferença que põe no espírito os valores de relevo, pelo menos para si própria. A verdade é que me seduz a beleza, quer física quer do trajar e por isso fiz o reparo sobre a bonita cabeça da minha irmã, assim que cheguei, e logo a minha amiga, profusa e ampla de gestos, se saiu a confirmar que bastava ver a diferença entre as cabeleiras de uma e outra das irmãs para concordar que a cabeça dela estava inegavelmente muito acima da minha, de cabelos caindo enxutos, sem armação, sobre a minha caixa craniana, apesar de também ter ido na véspera à cabeleireira. Realmente não esperava ser alvo de um confronto tão inesperado, e até me senti meio constrangida com o paralelo, mas a minha amiga nem notou e continuou a dissertar com o domínio habitual, sobre os porquês de tais diferenças.

 

O que vale é que eu tinha mais propostas na manga, e logo que pude referi a questão das canções do Festival. Ninguém gostara, e falou-se da Simone, que a minha irmã chegara a ouvir e detestara a sua voz moribunda, falando a seguir nas canções dos festivais de outrora, que até muitas das que não ganhavam ficavam no ouvido como a do Jorge Fernandes, “Umbadá”. A minha amiga confirmou sobre o festival: «- Não tem interesse nenhum o festival. Zero», o que me fez estremecer, pelo cortante do tom, por muito que já estivesse habituada. Contei então que no Sábado à noite vira parte de um programa de evocação da música francesa de outrora, na TV5, uma vez mais expressão de cultura, requinte, delicadeza profundidade de interpretação e de sentimentos expressos, de beleza na melodia e nos gestos, na transposição de canções antigas, que os novos cantavam, às vezes acompanhados pelos cantores ainda vivos, como Adamo e Johnny Hallyday, autênticas paradas de arte e boa apresentação também pelos locutores.

 

Também tratámos de fofocas, desta vez sobre Alexandra Lencastre, que a minha amiga admira e a minha irmã acha provocadora, mas eu, que a ouvi há pouco numa entrevista, achei que ela se estava nas tintas para as opiniões, por ser bonita e atrair as homenagens masculinas, causa das suas atitudes desdenhosas, contrabalançadas por um extremo carinho com os deserdados.

- A Alexandra Lencastre está a fazer um papelão numa telenovela em Angola, estão encantados com ela, não sei se foca os problemas do racismo e da lixeira a par da luxúria citadinas – defende a minha amiga que anda sempre a par das questões melindrosas.

 

Aproveitei a referência a Angola para lembrar, decididamente votada à cusquice, que a Isabel dos Santos não é nada espaventosa no vestir, e mansamente a minha amiga concluiu:

- Ela não se dedica muito à aparência. Só quer é dinheiro e exposição.

 

Mas a Elsa chegou, contou do seu mundo familiar, de surpresas sempre para nós, o Afonso com as notas máximas sem esforço, como já o fora na Suíça, a Diana iniciando a sua vida social em festas no Pavilhão Atlântico, sempre sob o controlo da mãe, compreensiva e exigente, Pavilhão que abarrotara de malta, provando que a vida por cá também borbulha e sempre em festival.

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D