Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

PROPORÇÕES FOI COM THALES DE MILETO

 

Tales de Mileto.png 

Thales de Mileto

 

Texto “O sentido das proporções” de Vasco Pulido Valente (Público 31/1/2015)

 

«O sentido das proporções»

 

A esquerda (com excepção do PS) ficou entusiasmada com a chamada “vitória” do Syriza; e a direita ficou deprimida e furiosa. Sem me querer meter nessa querela frívola, acho apropriado tentar descrever as coisas como elas são. O Syriza ganhou a eleição com 36 por cento dos votos; só chegou à maioria por causa das peculiaridades do regime grego (que dá um bónus de 50 deputados ao partido mais votado) e da coligação que fez com um partido pouco recomendável da extrema-direita. É difícil aceitar sem mais que o Syriza representa legitimamente o povo grego, como por aí se diz com grande convicção e arrogância. Na realidade, o Syriza representa um terço do eleitorado grego; e ou consegue alargar as forças que o sustentam ou tenderá para uma espécie qualquer de autoritarismo.

 

A retórica patriótica do primeiro-ministro Tsipras também não me inspira grande simpatia. Os patriotas às vezes degeneram em nacionalistas. E a conversa sobre a “humilhação” da Grécia e a intenção (em princípio, estimável) de restaurar a sua dignidade e o seu orgulho não é tranquilizadora. Com conversas destas se cometeram os maiores crimes da história recente da Europa. Pior ainda, o carácter de outsider que o Syriza reclama não me parece uma virtude. Um outsider rejeita, por definição, tudo o que antes dele existia – o bom e o mau – e não costuma medir o risco da mudança. Não vale a pena dar exemplos de outsiders que arrasaram um mundo, o deles, com certeza, e a seguir o nosso. E, desculpe a esquerda, as cenas de informalidade, além de ridículas, são um mau sinal, um sinal de agressividade gratuita.

 

Uma escola de pensamento louva o Syriza por ter dado um “abanão” na “Europa”. Seria bom neste capítulo não esquecer que a “Europa” não se abana tão facilmente e que o Syriza é em si próprio insignificante. Reconheço que um pequeno incidente pode provocar uma enorme catástrofe; basta pensar no arquiduque assassinado em Sarajevo. Mas, tirando uma parte da esquerda, por frustração e principalmente por cautela, não se vê na “Europa” uma súbita ternura pelo Sr. Tsipras e nenhuma inclinação para o ajudar. A política deflacionista da Alemanha e de meia dúzia de países do norte já estava em crise antes do Syriza aparecer em cena e continuará com ou sem ele. Claro que nada impede a Grécia de se tornar num incómodo para a burocracia de Bruxelas: num incómodo, não numa força decisiva. É bom não perder o sentido das proporções.

 

Não sei se o PS ficou, de facto, menos satisfeito com a vitória do Syriza, como afirma Vasco Pulido Valente, na sua excelente análise sobre os resultados das eleições gregas, pois aquando das sondagens, que davam o seu representante Alexis Tsipras à frente dos outros partidos, lembro-me das fanfarronadas de António Costa - e congéneres políticos, claro, mas Costa foi, naturalmente, o primeiro, (que os jornalistas televisivos e todos os demais não perdoam, nas prioridades das deferências). Costa declarou, na sua voz altissonante, que tal vitória grega condenava irremissivelmente os governos de penúria, como o grego e o nosso, ainda sem saber das reacções europeias às destemidas – se não descaradas - imposições do partido grego vitorioso. Entretanto, já todos os nossos canais haviam alertado para o clima grego de penúria, embora as pessoas gregas entrevistadas me parecessem relativamente sossegadas – Tsipras incluído, que discursa com garra e sem má vontade, sem a gravata da formalidade, a mostrar-se aberto à vida e à atenção do mundo, que nele reconhecerá a beleza perfeita do “discóbolo” de Míron, com direitos de precedência nas questões de democracia e de superioridade cultural irradiante da sua luz. Pontos de partida suficientes para avançar nos seus direitos a um nível de vida sem ralações de maior, pai idoso a merecer carinho e bom tratamento dos filhos gratos.

 

Cá por mim, desculpava-lhes a dívida, mas confesso que por parti pris de gratidão, em função do significado que aquele país pequeno, de tanta ilha e tanta aventura fabulosa e épica e trágica representará sempre na dimensão do mundo.

 

E afinal, há tanto dinheiro por aí, tanto bilionário por esse mundo que, sendo a dívida da Grécia uma ínfima parte desses biliões, bem que se poderia ressarci-la, em colecta de simpatia pagadora, desses mesmos bilionários gratos.

 

É certo que, sendo bilionários, dificilmente se lembrarão dessas picuinhas de gratidão. mas bastava que pensassem que aquela coisa simples dos triângulos rectângulos, cujo quadrado da hipotenusa iguala a soma dos quadrados dos catetos, que eles aprenderam e os seus filhos também, foi um tal Pitágoras grego que o demonstrou, quem sabe se servindo de ponto de partida para os seus biliões, de sucessivos catetos aspirando a hipotenusas sucessivamente maiores que a imagem demonstrativa do teorema simboliza.

Berta Brás.jpg Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D