Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

PORTUGAL NÃO É A GRÉCIA

 

Grécia.jpg

 

Gostaria de saber que efeitos para os países da Europa e para a vida dos gregos traria a saída da Grécia da União Europeia

 

Desde a vitória do partido de extrema-esquerda, Syriza, que o tempo começou a passar mais depressa. O Syriza, recordemos, ganhou as eleições com um programa anti-austeridade, anti-troika, a falar de renegociação da dívida, de perdão de dívida, contra a União Europeia. A coligação com um partido obscuro de direita, Gregos Independentes, serve o propósito de reforçar a posição de desafio à Europa. Se este desafio for levado ao limite, como parece ter acontecido na primeira visita do presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, resta à Grécia sair da União Europeia, o que nos dizem ser assustador, embora ninguém explique as consequências dessa saída. Para começo de conversa, gostaria de saber o que acontece à dívida se não houver acordo. Gostaria de saber que efeitos para a Europa e para a vida dos gregos traria a saída da Grécia. Gostava sobretudo que as explicações nos chegassem com mais objectividade. Penso que há aqui um trabalho jornalístico a fazer.

 

Tirando os aspectos de economia e finanças que não domino, resta um país e um povo que entendo ser diferente do nosso, com uma história conturbada, conflitos sangrentos e um modo de vida particular. Sempre que me falam de semelhanças entre nós, tento pensar no que nos une e não encontro muitos pontos em comum. Passar numa passadeira é de facto tão arriscado em Lisboa como em Atenas. Temos ambos azeite excelente, azeitonas maravilhosas e tomate que não sabe a plástico como na Alemanha. Muitas palavras em português são de origem grega. Como nós, os gregos produzem pouco e não têm uma indústria que lhes permita viver à larga. Têm monumentos e sítios únicos a que prestam pouca atenção, talvez porque Delfos fale por si.

 

Muito diferente é o modo de vida, confrontacional nas mais pequenas coisas. Vivi quase três anos em Atenas e não houve um dia em que não tenha tido uma discussão. Voltei para Portugal para descansar. A corrupção em Portugal é um problema grave, mas na Grécia é uma questão tão enraizada na sociedade que é difícil cortar com "hábitos" antigos. Li que a máquina fiscal continua tão ineficaz como antes da chegada da troika, o que me leva a pensar que a principal reforma está por fazer. Mas a diferença principal está na Grécia ter sofrido com a presença alemã no seu território durante a Segunda Guerra Mundial. Aldeias inteiras foram dizimadas pelos alemães e esta memória não pode estar outra coisa se não fresca. A Alemanha dizer aos gregos que têm de vender ilhas e património para pagar a dívida é uma humilhação insuportável. Eles são cristãos ortodoxos; nós somos católicos. Eles afirmam que a Grécia não é Europa; nós sabemos que somos europeus. Eles adoram Portugal; nós só não os criticamos se não pudermos. Isto para marcar diferenças substanciais.

 

Numa semana vimos o governo grego a tomar posições contraditórias, a recusar a troika num dia (Varoufákis) e a abrir a porta ao BCE e ao FMI no outro (Tsipras), o que me faz suspeitar da falta de orientação e estratégia. Talvez a Grécia consiga dar a volta por não estar certa do que está a fazer. Vejo na incerteza a possibilidade de negociação. Só espero que Alexis Tsipras não receba mais ninguém sentado todo torto num sofá a falar sobre o tempo.

 

3 de Fevereiro de 2015

Carla Hilário Quevedo.png

Carla Hilário Quevedo

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D