Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

POR TORDESILHAS ALÉM… - 6

Desde os meus tempos de recruta em Abril de 1970 que não andava tanto a pé como neste dia de visita a Cartagena de las Índias e, acabado o circuito do op on-op off, deixaram-nos propositadamente longe do ponto de embarque para que atravessássemos um parque com flores e animais. Bonito, sem dúvida, mas eu já só ambicionava uma chaise longue ou coisa equivalente. Fui direito à varanda do nosso camarote, sentei-me confortavelmente e por ali fiquei a pensar na fatalidade da jovem cornúpeta até serem horas de nos arranjar mos para o jantar.

E o que me disse a bezerra antes de se finar?

Disse-me ela que espanhóis e portugueses tivemos posições muito diferentes de estar no mundo. Nós, portugueses, tivemos grandes Senhores à frente da epopeia dos descobrimentos, muitos deles, segundo consta, de tradição templária; dos conquistadores espanhóis se diz que eram gente a contas com a Justiça que pelo degredo da conquista de novas terras para a Coroa, obtinham o perdão real. Daqui resultaram atitudes diferentes no contacto com os povos indígenas de tal modo que nós, portugueses, fomos os primeiros a ir e os últimos a voltar; os espanhóis, não. Nós, portugueses, não fomos nenhuns «santinhos» mas sempre houve a preocupação de seguir uma conduta a que hoje chamamos Estado de Direito; os espanhóis parece que primaram pela chacina. Nós, portugueses, suportámos a Inquisição por pressão espanhola; os espanhóis inventaram-na. Finalmente, a bezerra lembrou-me que nós, portugueses, fizemos muito mais mulatos do que os espanhóis e que esse poderá ter sido o segredo de alcova que fez perdurar o nosso Império. E tudo isto, afinal, sem termos sido nenhuns «santinhos». Foi também nesta altura que me lembrei daquele angolano preto, mecânico de aviões na delegação das OGMA em Luanda que a certa altura emigrou para o Congo ex-belga onde ia ganhar muito melhor vencimento mas que, passado um ano, regressou a Angola e às funções anteriores. Perguntado por que regressara, respondeu: - Eles lá pagavam bem mas tratavam-me como preto; aqui, Vocês pagam mal mas tratam-me como pessoa.

E o navio apitou três vezes e acordou-me desta modorra de final de dia culturalmente rico mas fisicamente muito cansativo. Deixámo-nos ficar na varanda a ver o barco dos Pilotos da barra ao nosso lado, vimos os prédios altíssimos até junto do farol no extremo da restinga que separa o mar da baía interior e… aí está o balancé novamente. Contudo, uma mudança de rumo e o mar deixou de vir de lado e passou a vir de frente. O balancé foi substituído por uma sucessão sucessiva de «sobe e desces» suaves de que eu gosto mas no que não sou acompanhado por muita gente. Uma nota final neste tema: a minha mulher e eu não sabemos o que é enjoar.

Arranjámo-nos e fomos jantar. À porta do restaurante no deck 4 já estavam os nossos amigos e companheiros de viagens longas e de médio curso (Turquia, périplo marítimo da Austrália, Índia, Sri Lanka, Vietname, Camboja) e voltámos às subtilezas gustativas. A bordo come-se demais pelo que, frequentemente, saltamos um prato. Neste cruzeiro fixámo-nos num vinho tinto tempranillo da Rioja «Marquez de ???» em que uma garrafa era mais do que suficiente para nós os quatro e sobrava sempre uma pinga para quem nos servia. De seguida, espectáculo de variedades no teatro (assistimos a uma recriação formidável dos Abba) e, depois, recolha a quartéis. A vida a bordo continua pelos bares e discoteca até quase ao raiar do dia mas esse não é o nosso estilo.

E, de onda em onda, lá vamos rumo à Jamaica, a terra da madeira e da água, da abundância.

Amanhã há mais se Neptuno quiser.

(continua)

Março de 2020

Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D