Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

POR ESSA PICADA ALÉM… - 13

- Bom dia, Camaradas! – disse o Miguel – São 6 horas, é hora de levantar!

- Então, como é? São 6 e é hora? Ou são ou é, as duas coisas é que não pode ser. Se é plural, não é singular e vice-versa.

- Olha, olha! A este deu-lhe para acordar com a semântica e com a sintaxe… caiu-te mal o jantar? – perguntava eu.

- Achas então que a frase estava bem construída?

- Eh pá! Deixa-te de preciosismos linguísticos e não chateies o nosso relógio. Ele só anda no liceu, faltam-lhe ainda os tempos gerúndicos dos verbos. O que interessa é que ele sabe ver as horas.

- Tá bem! Mas o que está mal é levantarmo-nos tão cedo para fazermos só 200 quilómetros – entremeou o Tó com um bocejo.

- 205 – corrigiu o Miguel

- Essa diferença faz-se a pé numa hora de mochila às costas e de Kropashek ao ombro.

- Kropa quê? – perguntou o civil do relógio.

- É uma espingarda da primeira guerra mundial que põem aos ombros dos Cadetes só para chatear – disse eu – mas continuem nessas parvoíces que é para eu me ir arranjar em vez de ser eu hoje a esperar por Vosselências.

- Esta selência volta-se para o outro lado enquanto espera – disse o Tó

Eram 7 e meia quando dei à ignição e a resposta do nosso «herói» foi de evidente noite bem dormida. E eu também não sentia do que me queixar. 205 quilómetros era coisa para fazermos em menos de duas horas. Estaríamos na Maxixe pelas 10 da manhã, o mais tardar. E que havemos de fazer no resto do dia? O melhor é nem levantar a questão, não vão os gajos porem-se com ideias… e quem padece é o «herói» e eu agarrado ao volante. Calemo-nos e andemos!

E, calado, andei.

E porque o caminho seria tranquilo, tanto o «desempregado» como o «relógio» se deixaram dormir e aqui o «homem do leme» que se atribulasse com as conveniências e precisões. E como não tinha com quem conversar, fui-me lembrando de que…

… este era o Reino de Gaza onde o Mouzinho tinha andado à espadeirada e onde puxara as orelhas ao Gungunhana.

E pensei nesse rei que poderia ter tido uma vida regalada e porque não seguiu as sugestões do seu tio Molungo, conselheiro e companheiro de exílio, deitou tudo a perder e perdeu mesmo tudo. E como teria sido a História de Moçambique se a inteligência de Molungo se tivesse sobreposto à rigidez mental de Gungunhana? Como é possível sujeitar povos inteiros aos caprichos de incompetentes que nem sequer são capazes de assumir a tirania e se limitam a bafejar as ocorrências com halos de boçalidade? Pena que Molungo não tenha aceite liderar um golpe de Estado contra o sobrinho; pena Godide, o filho de Gungunhana, ter confirmado a lealdade antes jurada ao pai - o que como filho é louvável mas como homem de Estado foi deplorável para os interesses reais do seu povo; pena Gungunhana ser tão «quadrado».

Mas não vale a pena tentarmos imaginar como tudo teria sido na continuação do que não foi. É que, bem vistas as coisas, nunca se poderão conhecer os resultados das experiências não experimentadas. Mouzinho fez várias propostas a Gungunhana a ponto de o deixar governar num enquadramento de paz com os demais povos que Portugal superentendia mas não, o «leão de Gaza» não queria a paz com os vizinhos mais próximos e queria continuar a pôr e a dispor da sua Justiça sem as leis consuetudinárias dos Conselhos de Velhos, a equidade preta ou branca e muito menos as orientações do nosso Direito positivo. Outra questão: terá Gungunhana chegado a perceber o que Mouzinho lhe propunha? Molungo parece que sim, percebeu e aconselhou o sobrinho. Debalde, terá optado pelo exílio para não ver a desgraça que se abateria sobre o seu povo. Não se abateu desgraça como a que Molungo temia. Os povos de Gaza continuaram a viver e até pouparam guerras com os vizinhos mas demorou muito tempo para que conseguissem voltar a ter Conselhos de Velhos cujas decisões (o seu Direito consuetudinário) pudessem ser homologadas pelos novos Senhores da Guerra e da Nova Paz, os brancos, nós.

  • Gungunhana nos Açores.png

Godide, Gungunhana, Molungo e ...(?)

E foi nestas confabulações que vi a placa a assinalar «MAXIXE» e acordei os dormentes.

- Eh malta! Chegámos!

- O quê, o quê? Já chegámos?

- Já! E, entretanto, o Gungunhana foi preso.

- Ah! Sim, foi preso. Quem é que foi preso? O Judas Iscariote?

- Acorda, pá! Já chegámos!

Amanhã há mais, talvez estes personagens já estejam acordados.

Julho de 2019

Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D