Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

POR CEUTA E MAIS ALÉM... (1)

Este texto foi solicitado pelo jornal «O Heraldo», de Pangim, Goa, onde aguarda publicação.

* * *

 Leão e Castela nunca viram com bons olhos a independência de Portugal e desde o bafordo do vale do Vez, de tudo têm feito para acabar com essa «rebeldia». Já do mesmo se tinham queixado os romanos relativamente aos lusitanos e tal qual se diga dos soviéticos em relação às colónias portuguesas.

À falta de dimensão local, ibérica, impunha-se o alargamento da área de influência e o inerente ganho de recursos que permitissem suportar a sempre latente necessidade de enfrentamento da agressão castelo-leonesa.

E foi assim e por essa causa que nasceu a «aventura» ultramarina portuguesa iniciada por D. João I em Ceuta no já distante dia 21 de Agosto de 1415 e com epílogo no Largo do Carmo, em Lisboa, no dia 25 de Abril de 1974.

De início, a mistificação foi pelo encapotamento da aquisição de dimensão política pelo alargamento da fé no âmbito da Cruzada do Ocidente; no final, a mistificação foi pelo encobrimento da entrega das remanescentes colónias portuguesas ao Império Soviético pela conquista das falaciosas «mais amplas liberdades».

Mas, entretanto, ocorreram «coisas» interessantes, umas, importantes, outras…

O início da «aventira» fez-se a partir de Tavira (e não de Sagres) onde em 1430 já existia o «Hospital do Espírito Santo» (ainda hoje formalmente existente) cuja principal missão consistiu na assistência a quem andava em campanha no norte de África. Mas a partir do momento em que as navegações se começaram a estender para além do Cabo Bojador, deixou de ser útil transportar os doentes para Tavira e assim foi que começou a instalação de hospitais de proximidade em relação às ocorrências que geravam necessidades de assistência clínica ou mesmo cirúrgica. E foi desse modo que foram instalados 17 hospitais entre Tavira e Baçaim cuja missão principal foi a de prestar assistência aos tripulantes e passageiros na «rota da Índia» mas também dispensando cuidados aos nativos de cada uma das ditas 17 localidades.

Assente pé em Goa e desenvolvido o comércio até então exclusivo de muçulmanos, foi fácil dar a volta até Coromandel onde se deparou a riqueza fantástica do Estreito das Pérolas e sua base logística no extremo norte do Ceilão, a Península de Jafna, ou seja, o Jafanapatão na linguagem típica dos portugueses de então. E o comércio das pérolas mudou de intermediários, no que foi um rude golpe em inúmeros interesses até então por ali estabelecidos. A missão evangelizadora foi entregue a franciscanos e jesuítas no que se revelou um processo de conversões em massa como não se esperava nem se julgava possível. Era um povo dócil que a nada opunha resistência e que os portugueses tomaram por indolência congénita. As querelas – e houve-as várias a ponto de termos sido «obrigados» a depor um Rei e a colocar outro no trono – eram instigadas por povos vindos do centro da ilha mas, a pouco e pouco, fomos nós, os portugueses a adoptar a indolência e quando os holandeses chegaram para nos tirarem o negócio das mãos, fomos evacuados de padiola e muitos morreram na viagem até Goa. Passado o tempo que a História narra, foram os holandeses que não opuseram resistência aos ingleses e estes levaram o gin que tomavam com quinino e não foram apanhados pela indolência. O preço das perolas media-se em doses letais de paludismo. Entretanto, chegáramos ao extremo sul do Ceilão em busca de mais comércio e não tardou muito para nos vermos envolvidos na política local com reinos agredidos a pedirem-nos protecção contra reinos agressores. Eis como o Rei de Candi, D. Filipe Jamasinha Bandara, nos pede protecção, nós lha dispensamos, ele assegura o trono mas morre logo de seguida de causas tidas por naturais. O filho e sucessor natural, D. João de Áustria Cândia, sendo criança, não foi confirmado no trono pelo Conselho do Reino e foi substituído pelo tio, irmão do Rei acabado de morrer. E, para aplanar problemas sucessórios no reino, foi D. Lourenço de Almeida, «o gigante loiro», filho do Vice-Rei D. Francisco de Almeida e que viria a morrer em Diu, que foi encarregado pelo Conselho de Estado de levar o não-Rei para longe. Para Goa onde a vida continuou. Mas essa é outra história…

No Sri Lanka actual, fala-se uma certa forma de português na costa leste, em Trincomalee e em Batticaloa.

Chegara, entretanto, a hora de «passar além  da Taprobana», a hora de o comércio florescer entre todas as partes banhadas pelo Mar de Andaman, de o português ter passado a ser a língua franca de toda aquela vastíssima zona e de Filipe de Brito e Nicote, natural de Lisboa, ter sido eleito Rei da zona central da Birmânia, ter governado durante 12 anos com grande proveito para os seus súbditos e ter sido morto à frente das suas tropas em defesa da sua capital contra o tradicional inimigo a norte de cujo temor popular resultara a sua eleição.

Estava Portugal a braços com a Guerra da sua própria Restauração contra os Habsburdos de Espanha quando os holandeses tomaram Malaca e escravizaram os portugueses lá residentes e os deportaram para Batávia (Jakarta) com o intuito de os fazer de capatazes dos sub-escravos locais nas plantações de seringueiras, as árvores da borracha. Mas os escravos portugueses solidarizaram-se com os  escravos indonésios e os holandeses não encontraram outra solução que não a de negociarem a alforria dos portugueses. Assim foi que estes reconquistaram a liberdade, ganharam um território próprio que passaram a habitar e a administrar, onde se fala português e que ainda hoje, plenamente integrado na bela malha urbana de Jakarte, continua a ser o «bairro dos portugueses», Tugu. Curiosamente, tanto em Malaca como em Jacarta ainda hoje se falam formas específicas de português enquanto que de holandês pesa a memória.

Entretanto, os comerciantes portugueses haviam navegado pelo Golfo do Sião, subido o rio Praia e feito comércio em Ayutaiah e em Bangkok. Os proveitos bilaterais desse comércio e relações de amizade levaram o Rei do Sião a oferecer ao seu «irmão», o Rei de Portugal, ali representado por Afonso de Albuquerque, um local fronteiro a Bangkok para instalação duma feitoria. As relações entre os dois países têm sido de tal modo exemplares que nesse local ainda hoje se localiza a Embaixada de Portugal junto do Rei da Tailândia.

(continua)

Henrique Salles da Fonseca

 

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2008
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2007
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2006
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2005
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2004
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D