Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PODEMOS Ó NO PODEMOS?

 

 

O bipartidarismo espanhol parece estar a evoluir para um sistema quadri-partidário, a julgar pelas sondagens mais recentes. Assim, o aparecimento de um partido populista de extrema-esquerda (Podemos) cuja ascensão fulgurante parecia imparável, apresentando-se, mesmo, há relativamente pouco tempo como a primeira força em termos das prováveis intenções de voto, é contrariado pela emergência de uma nova força nascida na Catalunha, mas anti-independentista “Ciutadans/Ciudadanos”, recentrada em torno de propostas mais moderadas, mas sem deixar cair as bandeiras da luta contra a desigualdade, a pobreza e a exclusão social. Surpreendentemente, obtém 12,2% em eleições regionais e a partir daí anuncia a sua intenção de se transformar em partido nacional, o que conseguiu de forma espectacular.

 

Os partidos que tradicionalmente têm dominado a cena política espanhola desde a morte de Franco, ou seja o PP e o PSOE, incapazes de, por um lado, facultar respostas adequadas e coerentes à crise, por outro, sacudidos por escândalos internos e, finalmente, sem capacidade de reacção à investida do Podemos e de outras forças centrífugas, começaram a erodir as respectivas bases sociais de apoio. Por estas e por outras razões, em Novembro, o Podemos, para surpresa geral, estava na “pole position”.

 

Todavia, o alinhamento do Podemos com a Grécia de Tsipras, a sua indefinição quanto aos “nacionalismos” – uma questão de primeira grandeza e de enorme sensibilidade na vida política da Espanha –, agravada, igualmente, por alguns escândalos políticos e financeiros e pela ambivalência no jogo tradicional entre esquerda e direita, acabaram por não lhe ser totalmente favoráveis e o entusiasmo inicial esmoreceu.

 

Numa fase recente, a mensagem anti-austeridade do Podemos, a defesa da renegociação da dívida, por conseguinte, a proximidade com as teses do Syriza, adornada por alguns toques latino-americanos (Chavistas) fez ganhar dividendos a Pablo Iglesias e à sua gente. Mas o terreno da política é movediço: as teses de Tsipras não têm consistência (e começamos a estar conscientes disso mesmo, dia após dia) e, por outro lado, a inspiração bolivariana acaba por não ser muito apelativa para o eleitorado espanhol.

 

Por isso, dizia-me um amigo catalão pró-independentista: “Se estes avançam no terreno, é certo e sabido que a Catalunha declara unilateralmente a independência”. Ao que eu acrescentaria: e logo a seguir os bascos e provavelmente outros que estão na fila de espera. Isto num quadro hipotético de uma vitória de Iglésias em Dezembro, que é duvidoso que se concretize.

 

Em suma bem vistos todos os lados da questão, perante um quadro actual de empate técnico a 4, todas as combinações passam a ser possíveis, mas, principalmente, 2: PP-Ciudadanos ou PSOE-Ciudadanos. A chave parece, pois, estar nos Ciudadanos e não no Podemos. Mas outros arranjos são conjecturáveis, bem entendido.

 

Por isso, há dois dias, na conferência que proferiu na Sociedade de Geografia, a que estive presente, o Prof. Adriano Moreira não se mostrou particularmente preocupado com a situação espanhola. A meu ver, está-se, de facto, perante uma mudança de cenário, agora a 4, e perante a formação inevitável de coligações. Mas muito água há-de ainda correr pela nora. Os jogos ainda não estão feitos.

FHS-spain_estimated_votes.png

 

 

Francisco Henriques da Silva.jpg

Francisco Henriques da Silva

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D