Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PERU – 9

 

COLCA

 

Penhascos literalmente andinos e abismos tipicamente dantescos, eis o cenário que nos é oferecido neste passeio que nos faz saudades das planuras de Vila Franca de Xira ou da Camargue onde o Ródano finalmente se banha no Mediterrâneo.

 

Colca é uma cidade, um rio e um vale. A cidade – a que por ali chamam Chivay - deveria ser apodada com diminutivo para corresponder à realidade; o rio – no troço que vimos – é um riacho; o vale é ubérrimo mas rapidamente se transforma num canhão só habitado pelos majestosos condores.

 

Chivay, Colca, Peru.png

 

Apesar de se localizar no ponto mais fundo do vale agrícola, a cidade está a 3 650 metros de altitude, tem cerca de 5 mil habitantes, não tem desemprego e só lá se chega por estrada de montanha (bem asfaltada como todas as que usámos no Peru) mas não aconselhável a condutores com atracção do abismo. E sabendo que para de lá sair teríamos que regressar pela mesma estrada, perguntei onde o rio ia desaguar e se não havia estrada que o acompanhasse. Que desagua no Pacífico mas que o vale se transforma logo ali a seguir num canhão medonho a que só raros montanhistas se atrevem a aceder. Uma estrada por ali? Só se fosse toda ela em túnel numa das falésias. Não, é mais fácil a agradável «passear» pela estrada que já existe com belas vistas das montanhas.

 

colca-lodge spa.jpg

 

O hotel em que ficámos é mesmo no último palmo de terra que o homem normal pisa antes de o vale se transformar no tal canhão medonho. E para tranquilidade dos temerosos, há por ali nascentes efervescentes a convidar ao banho que nos lembram o caracter sísmico de toda a região em que os tremores de terra são o pão deles de cada dia. E se um cataclismo nos fecha ali naquele buraco? Não aconteceu o pior e tudo se resolveu a bem. Até o caminhito de acesso ao hotel que o nosso autocarro percorreu a contar os centímetros que lhe sobravam até à parede abrupta de um dos lados e do abismo do outro nos mostrou que a tal estrada de montanha é uma brincalhotice de crianças de escola. E, no regresso, para facilitar tudo, tivemos que nos cruzar com uma carrinha que se agarrou à parede como uma lapa e nós, os do carrão grande, que nos despenhássemos por ali a baixo… Sim, a gestão de todo o processo circulatório no dito caminhito, passou a ser feito não mais em centímetros mas sim nas suas parcelas. E como prova este escrito, tudo acabou com a naturalidade requerida pelos espíritos eruditos e tranquilos.

 

Apesar de tudo, já eu conhecendo a estrada de entrada e saída do vale pela montanha abaixo e acima, decidi que no regresso haveria de me concentrar no lado da parede em vez de olhar para o vazio dos abismos. Assim fiz e evitei sufocos estrangulantes de paisagens imponentes mas depois destas visões dantescas, não tardará muito para que o turismo de maior altitude que me permitirei futuramente seja, no limite, ao nível do segundo piso da Torre de Belém.

 

Mas aquela é a verdadeira casa do condor e é por ali que ele sia e passa…

Quando el condor pasa.jpg

 

Outubro de 2017

 

Barranco, Lima, Peru, 12 de Outubro de 2017.jpg

 Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D