Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PERU – 11

 

VALE SAGRADO – MACHU PICCHU

 

Então, se em Puno estávamos a 3800 metros de altitude, vá de amarinhar pelas montanhas acima até que chegámos aos 4955. E o mais curioso é que não senti o mínimo incómodo. Parámos frente a mais uma montanha imponente que nos fazia esquecer a altitude a que já chegáramos e vai de reparar num riacho que passava por baixo da estrada em que estávamos estacionados e que ali mesmo se dividia em dois: um ramo virava para o vale que nós acabávamos de percorrer e o outro seguia pelo nosso caminho em frente. O que, relativamente ao nosso sentido de marcha, voltava para trás, tinha como destino desaguar no Titicaca; o que se nos adiantava, desaguaria lá longe, directamente, no Pacífico.

 

O local em que nos encontrávamos era, como já deu para perceber, a divisória de duas bacias hidrográficas: a do Titicaca e a de Cusco.

 

O ribeirinho das nossas arrecuas vagueava um pouco sem rei nem roque pelo vale que acabáramos de subir através de paisagens imponentes mas de pastoreio extensivo e agricultura escassa duma população relativamente empobrecida; o da frente, saía do nosso apeadeiro logo num caneirinho, todo pimpão. Logo ali à frente, surgiram uns edifícios rodeados de parques onde pastavam alguns lamas e qual não é o meu espanto quando leio um placard a anunciar o «Centro de Estudos Genéticos e de Melhoramento das Raças de Camelídeos» (lamas, alpacas e vicunhas) da Universidade de Cusco. Toma e embrulha! Para quem, como nós, acabava de percorrer uma região economicamente atrasada, aquela inesperada visão do novo vale, era francamente prometedora. E a promessa cumpriu-se.

Vale Sagrado, Peru.jpg

 

Assim foi que começámos a percorrer o vale a que os quéchuas desde sempre chamam «sagrado», tal a riqueza da agricultura, a democratização da propriedade, o bem-estar relativo que por ali se observa. E porquê? Porque, como já anotei, a gestão da água se faz desde a fonte e vai até muitos quilómetros além, onde o vale se transforma num canhão apenas transponível com alguma dificuldade no sopé de Machu Picchu.

 

O ex-libris por excelência do Peru é de acesso difícil. Propositadamente, claro! E, mesmo assim, o Inca não se livrou da grande desgraça espanhola que o assoberbou com o apelido Pizarro.

 

Depois de termos deixado o autocarro, passámos para duas carrinhas que nos transportaram ao fim do Vale Sagrado. Metemo-nos então numa luxuosa carruagem de um comboio que haveria de percorrer um canhão entre montanhas durante uma hora e meia, em paralelo com o rio Urubamba (o tal riacho que tínhamos visto nascer lá nos píncaros) para finalmente chegarmos à cidadezinha que, entre penhascos descomunais, se localiza no sopé do Monte Velho a que os quéchuas chamam Machu Picchu. Ao Monte Novo chamam os nativos Huayna Picchu e é esse que habitualmente aparece nas fotografias deixando o verdadeiro nas costas do fotógrafo.

 

Mas não vou estar aqui a descrever o que está muito bem apresentado na Internet, por exemplo, em https://pt.wikipedia.org/wiki/Machu_Picchu

 

 

Grupo.jpg

 

O mais fantástico de tudo é que todos os que estávamos exaustos, coxos, palpitantes e não sei mais quê, subimos por ali acima quase como se estivéssemos de visita à «Companhia das Lezírias», ali a seguir a Alcochete. Será esse o fascínio de Machu Picchu, o de reerguer os caídos e reanimar os moribundos? Talvez. O que sei é que amarinhei – por vezes agarrando-me sabe Deus onde – mas não me senti doente e apenas dei por mim salutarmente cansado.

E dali seguimos para Cusco…

 

Até amanhã.

 

Outubro de 2017

Henrique Machu Picchu.jpg

 Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D