Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PAUL

 

 

O exemplo da fábula abaixo,

Do poeta La Fontaine,

Aplica-se perfeitamente,

Acho,

Ao Jardim da nossa Madeira,

Ou vice-versa

À Madeira do nosso Jardim,

Este, da Raposa afim,

Em subtileza e matreirice,

Com sua cauda protectora

Contra qualquer varejeira,

Que o sangue lhe cobice

O que é grande vigarice.

Quanto ao Ouriço dos picos,

Que se propõe ajudar

Os meneios ricos

Do Jardim sem escrúpulos,

Esse é qualquer um,

Cem mil, nenhum,

Dos bons samaritanos

Que os há sempre, nestes casos.

 

 

 

«A Raposa, as Moscas e o Ouriço»

No rasto do seu sangue, dos bosques hóspede antigo,

Raposa esperta, subtil e manhosa,

Por caçadores ferida, e caída na lama

Pegajosa,

Atraiu outrora o parasita alado

Que por nós foi Mosca chamado,

O qual logo a foi sugar

Sem se fazer rogar,

E lhe chamou um figo.

Ela acusava os Deuses, e achava indecoroso

Que a Sorte a tal ponto a quisesse afligir,

E a fizesse de pasto às Moscas servir.

“O quê! Lançar-se sobre mim, o mais hábil,

O mais asqueroso,

De todos os hóspedes da floresta mesma!

Desde quando as raposas são um tão bom repasto?

E de que me serve a cauda? Será um peso inútil?

Ou fútil?

Vamos, que o Céu te confunda, importuno animal!

Porque não te lanças tu sobre o trivial?”

Um Ouriço da vizinhança,

Nos meus versos personagem inédita,

Quis libertá-la da malvadez

De um povo tão cheio de avidez:

“Eu vou com os meus dardos enfiá-las às centenas,

Vizinha Raposa, e acabar com as tuas penas”.

“Livra-te, respondeu esta, amigo, de o fazer:

Deixa-as, suplico-te, acabar de comer.

Estes animais estão bêbados: um novo batalhão

Sobre mim se abateria, mais áspero e comilão.”

Demasiados comilões topamos cá na Terra:

Uns são cortesãos, outros magistrados.

Aristóteles aos homens este apólogo explicaria

Sem fantasia:

Os exemplos são vulgares,

Sobretudo num país como o nosso.

Quanto mais cheios os homens estão,

Menos importunos são.

 

É ou não verdade, sim,

Que o alegre Jardim

Anda mordido actualmente

Pelas Moscas impertinentes,

Absorventes,

Que o querem sugar avidamente

Zelosas dos bons costumes?

Ó Numes!

Pois não são também assim

Como o Jardim

As Moscas castigadoras,

Sugadoras,

Mistificadoras,

Com rabos-de-palha

Por onde calha?

E os Ouriços prestimosos

Querendo ajudar,

E apenas ajudando

A chafurdar,

A levantar mais poeira,

Rosnando, lembrando,

Qual curral de Augias a necessitar

De uma força hercúlea para o limpar…

Mas não há maneira.

Que quanto mais se chafurda na lama

Mais mal ela cheira,

Segundo a fama.

E segundo o fabulista francês,

Na sua moral de artista,

- De fadista se for português –

É melhor ignorar,

Deixar assentar,

Para assim impedir

Que os grandes comilões

Renovem os stocks das suas provisões.

Mas só para rir.

 

 Berta Brás

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D