Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

OS TÁVORAS

Atentado a D. José.jpg

 

Uma história de sexo, sangue e luta pelo Poder que horrorizou Portugal e o mundo

 

Foi em 3 de Setembro de 1758, por volta das onze da noite, que…

 

… quando o Rei voltava ao paço da Ajuda vindo de um encontro amoroso clandestino, surgiram três cavaleiros no lugar onde está hoje a Igreja da Memória. Soaram tiros. D. José foi atingido no braço e na anca direita mas salvou-se. E encarregou o ministro Sebastião José de Carvalho e Melo de descobrir e castigar de forma exemplar quem tentara matá-lo.

 

Todos na Côrte sabiam que o Rei, então com 44 anos, era amante de Teresa de Távora e Lorena, 35 anos, mulher do 4° Marquês de Távora, Luís Bernardo, da mesma idade e de quem também era tia.

 

Os casamentos entre familiares próximos eram comuns na nobreza, bastando para isso obter dispensa papal.

 

Teresa era conhecida como a "Marquesa nova" para se distinguir da sogra, D. Leonor, então com 58 anos, a "Marquesa velha".

 

O patriarca dos Távoras era o 3º Marquês, D. Francisco de Assis, 55 anos, ex-Vice-rei da Índia. Quando soube da relação adúltera do soberano com a sua irmã e nora, ficou magoado. Mas seria isso suficiente para tramar um regicídio?

 

Aos motivos dos Távoras juntavam-se os do Duque de Aveiro, D. José de Mascarenhas, 50 anos, também ligado à família pelo casamento com outra irmã de D. Francisco de Assis.

 

O Duque odiava o Rei e o ministro Sebastião José por o terem prejudicado numa questão de heranças e por impedirem o casamento de um filho seu com a filha do Duque de Cadaval.

 

A investigação do atentado manteve-se secreta até que, numa madrugada de Dezembro, houve dezenas de prisões.

 

O interrogatório dos réus, submetidos a tortura (como era costume na época), esteve na base da sentença, dada a 12 de Janeiro de 1759. Os acusados foram condenados por "crime de lesa-majestade, alta traição, rebelião e parricídio". Parricídio? Sim, porque o Rei era considerado «o pai da Nação».

 

No dia seguinte, foram executados onde hoje está um pelourinho, a dois passos da casa dos pastéis de Belém. O massacre, encenado ao pormenor por Pombal, prolongou-se por todo o dia. A sentença foi impressa em folhetos ilustrados com os tormentos para que todos vissem e ficassem gelados de horror.

 

Suplício dos Távoras.png

 

Subiu primeiro ao cadafalso a Marquesa D. Leonor. Mostraram-lhe os instrumentos do suplicio e descreveram-lhe pormenorizadamente o martírio que em breve iriam sofrer o marido, os filhos e o genro. Depois foi decapitada.

 

Um por um, seguiram-se: o Távora mais jovem, José Maria, de 22 anos; o Marquês novo, Luís Bernardo; o Conde de Atouguia, Jerónimo de Ataíde, cunhado dos anteriores; os plebeus Manuel Álvares, João Miguel e Brás Romeiro. Os três carrascos partiram-lhes os braços e as pernas, torturaram-nos na roda e estrangularam-nos.

 

O Marquês velho mal conseguiu arrastar-se até ao patíbulo, tal o efeito das torturas a que fora sujeito. Também ele teve os braços e as pernas partidos à mocada antes de ser passado pela roda e estrangulado. O mesmo destino foi reservado ao Duque de Aveiro.

 

O último supliciado foi o criado António Álvares Ferreira, queimado vivo por ter sido ele a disparar os tiros que atingiram o Rei. O único condenado que conseguiu fugir, José Policarpo de Azevedo, foi queimado em estátua. Os corpos de todos foram queimados e as cinzas lançadas ao Tejo. No local das execuções foi espalhado sal para que nada ali voltasse a crescer. O local ainda hoje se chama «Beco do chão salgado». O nome Távora foi banido.

 

Beco do chão salgado.jpg

 

Outros membros da família foram presos no forte da Junqueira e as mulheres fechadas em conventos, incluindo a amante do Rei, Teresa, encerrada nas trinitárias do Rato. Depois de subir ao trono, D. Maria I mandou reabrir o processo. Os juízes concluíram que os Távoras estavam inocentes mas a culpa do Duque de Aveiro foi mantida.

 

Autor anónimo.png

 

(adaptação de texto recebido por e-mail)

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D