Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

OS HIPERBÓREOS

Wotan.jpg

 

Presidindo ao Walhala, Wotan é o deus da guerra e envia as suas filhas valquírias para recolher os corpos dos heróis mortos em combate. Só morrendo em combate se garante a vida eterna – eis a fé dos hiperbóreos, aquela raça que se crê superior e que vive para lá das neves sopradas por Boreas, o vento do Norte.

 

Foi Umberto Ecco que me apresentou os hiperbóreos[1] por intermédio de Nietzsche que me disse, referindo-se à sua própria Nação, que...

 

hiperboreos.png

 

... bastante ousados, não poupámos os outros nem a nós mesmos; mas, por longo tempo, não soubemos onde ir com a nossa bravura; tornámo-nos sombrios, chamaram-nos fatalistas. O nosso «fatum» era a plenitude, a tensão, a acumulação de forças. Tínhamos sede de relâmpagos e de actos, mantínhamo-nos o mais longe possível da felicidade dos fracos, da resignação. Pairava a tempestade da nossa atmosfera; a natureza que nós somos obscurecia-se pois não tínhamos senda alguma. Eis a fórmula da nossa felicidade: um sim, um não, uma linha recta, uma finalidade. O que é bom? Tudo o que aumenta no homem o sentimento do poder, a vontade do poder, o próprio poder. O que é mau? Tudo o que nasce da fraqueza. O que é a felicidade? O sentimento de que o poder cresce, de que uma resistência foi vencida. Não o contentamento, mas mais poder. Não a paz, finalmente, mas a guerra; não a virtude, mas a excelência isenta de moralismos.

 

General Ludendorff e Hitler.jpg

Ludendorff e Hitler, auto-enviados de Wotan

 

Destaco: (...) não soubemos onde ir com a nossa bravura; tornámo-nos sombrios (...)

 

E hoje?

 

Hoje, os descendentes dos hiperbóreos – a que actualmente chamamos alemães – ainda lambem as feridas que sofreram por terem ido à glória duas vezes em menos de 100 anos. E, ao contrário do que dão a entender, não esqueceram Wotan e a ideia de superioridade em relação aos soalheiros povos do Sul que tomam por carnavalescos.

 

Como assim? É que também contaram com Lutero que os incitou à justificação da fé pela fé, sem intermediários com o Deus único. Dessa relação directa resulta um grande sentido de responsabilidade e, portanto, ainda mais sisudez e maior convicção de superioridade em relação aos que carecem de intermediários para obterem o perdão divino. O luterano é directamente responsável pelos seus actos perante Deus e não há bula que lhe valha.

 

Desta responsabilidade individual resulta uma Ética também sisuda, austera, que induz os descendentes dos hiporbóreos a servirem o bem comum da sua Nação, atitude que os faz viverem para trabalhar e para aforrar.

 

Pelo contrário, os meridionais acham muito mais graça ir para as praias gozar dos mares aquecidos e, se pecarem, logo pedem a absolvição. Entretanto, os subsídios de sobrevivência que os endividados Estados Providência lhes concedem, não deixam margem para dúvidas: não há vida mais bela que a das férias permanentes.

 

Então, os setentrionais poupam e os meridionais gastam.

 

São estas as duas perspectivas, totalmente antagónicas, que fazem os Varoufakis e outros causídicos das «cigarras» dizerem mal de Schäuble e de outros defensores das «formigas». Mas mais valia que se queixassem a Wotan.

 

Janeiro de 2017

Dubrovnik-réveillon 2016-17 (2).jpg

Henrique Salles da Fonseca

 

BIBLIOGRAFIA:

Umberto Ecco – «História das Terras e dos Lugares Lendários», Gradiva, 1ª edição, Outubro de 2015

Max Weber – «A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo», Editorial Presença, 8ª edição, Setembro de 2015

 

 

[1] - «História das Terras e dos Lugares Lendários», Ed. Gradiva, 1ª edição, Outubro de 2015, pág. 241 e seg.

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D