Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

OS CIGANOS

 

 

Que ideia fazemos nós, quase todos, dos ciganos? O que sabemos nós dos ciganos? Uma vaga noção das suas grandes festas de casamentos, que são avessos ao assentamento, propensos ao nomadismo e às vezes a pequenos furtos, músicos, vida descontraída, figuras de lindas mulheres fatais, como a Ciganinha de Cervantes, a Cigana de Tolstoi, Shakespeare não deixou de referir que um lenço “verdadeiro talismã” que Otelo oferece a Desdêmona, vinha de sua mãe que o tinha recebido de uma gypsy, a Carmen, de Merimée, imortalizada na ópera de Bizet ou a Esmeralda de Notre Dame de Paris, e muitas outras mais cantadas por grandes escritores, que invadiram o nosso imaginário, sempre desligando essas figuras à realidade da vida do povo cigano.

 

Há alguns anos o sucesso imenso do grupo musical dos Gypsy Kings, invadiu os teatros do mundo, e... vamos adiante.

 

Vários nomes definem este povo, conforme as regiões onde vivem, desde ciganos em Portugal, gitanos em Espanha, gitanes em França, zigeuner em alemão, zingani ou zingari em Itália, gypsies em inglês e, sobretudo roms ou romis. Na Rússia são os Ruska Roma. Romis é o nome geral que preferem, uma vez que os outros exónimos (do grego homens de fora) lhes pareceram, com o evoluir dos tempos depreciativos.

 

Rom de roma, palavra de origem do sânscrito, significa homens ou conjunto de populações nómades, e foi este nome que adoptaram universalmente.

 

Em 1979 a ONU concedeu um status consultivo à União Internacional Rom.

 

Foi a linguística, no século XIX, que “desvendou” a origem deste povo: a Índia, possivelmente do Rajastan, quando os ingleses conseguiram traduzir, interpretar, o sânscrito, com o qual a língua básica do romis se aproxima, como a de algumas línguas vivas daquele país, o caxemir, hindi, gujarati e outros.

 

Hoje quando se fala em roms a maioria das pessoas deve associá-los aos romenos, ou pelo menos que tenham vindo da Roménia. Nada mais falso. A língua dos roms é o romani, a dos romenos romane, e há ainda o romanche falado num cantão da Suíça. O romani, o idioma dos roms é de origem indo-ariana, enquanto os outros são latinos.

 

Como a história antiga de todo o Industão, pouco mais refere do que contos ou lendas de reis e sobretudo de deuses, a história do povo em geral é omissa, o que não permite saber mais sobre a origem dos roms.

 

Consta que, por volta do século X, este povo começou a sair do Industão, perseguido pela invasão muçulmana, ou por estes obrigados a lutar nas suas fileiras; o historiador Hamza relata a chegada à Pérsia de doze mil zotts, músicos indianos, a que chamaram de tchinguenis, e dois séculos mais tarde dois frades franciscanos encontraram em Creta indivíduos que consideraram descendentes de Cham, filho de Noé, de pele escura. Entretanto um grupo grande tinha feito passagem, passagem essa onde demoraram alguns séculos, por Modon, cidade e porto de mar na costa leste de Morea, na Grécia, lugar que era conhecido por Pequeno Egipto, por estar no meio de terras secas com um estuário que, bem menor, lembraria o delta do Nilo.

 

Os gregos chamaram a esse povo de músicos e cartomantes, que faziam adivinhações lendo a palma das mãos, de atkinganos ou atsinganos de onde se percebe a origem da palavra ciganos, com todas as variantes da Europa continental.

 

Como daqui continuaram a expandir-se para o resto da Europa, os que chegaram às Ilhas Britânicas, onde aliás foram mal recebidos, alguns se intitulavam condes e duques do tal “Pequeno Egito”, e assim ficaram conhecidos por egypsies ou simplesmente gypsies.

 

Houve um período, quando entraram em França levando uma carta de recomendação do Imperador Segismundo, rei da Germânia e da Bohemia, foram chamados de boémios. Músicos, dançarinos, “bons vivants”, não está agora difícil saber porque se chama a quem gosta da boa vida, farra, música e descompromissos, um boémio! Foi um “presente” que os ciganos distribuíram pela Europa, e que perdura até hoje. Quer dizer que todos os “farristas” terão uma espécie de DNA cigano!

 

Apesar de músicos, bailarinos e “bruxas”, os ciganos eram habilidosos ferreiros, com uma superior qualidade no fabrico de ferramentas agrícolas e de guerra: espadas e lanças. À medida que avançavam pela Europa os seus serviços foram sendo requisitados pelos senhores, mas não tardou a sentirem a aversão das corporações locais, o que os levou a perderem o apoio dos senhores, passarem fome e obrigados procurarem novos destinos.

 

O medo, a pior arma com que os humanos até hoje se procuram “defender”, é atacando e maltratando os que se apresentam mais fracos (desde há muito os ciganos, depois os negros africanos e os aborígenes da Austrália e, sob o nazismo, judeus, ciganos e homossexuais), e no final da Idade Média instigados pela igreja que considerava bruxaria as “habilidades” das mulheres ciganas, e o descaso dos homens para o trabalho inseridos nos contextos sócio económicos da época, a perseguição não se fez esperar. Em 1592 o rei de Portugal publicou um édito mandando que os judeus abandonassem o país, dando-lhes no máximo quatro anos. À boa moda portuguesa ninguém abandonou coisa alguma! Mas não foi só em Portugal. Em muitos outros países houve também tentativas de expulsão que não resultaram.

 

Hoje estão em todos os países da Europa e da América. No Brasil... estão cada vez mais integrados e confundidos com a população geral, tanto os de renda menor, como em ambientes profissionais académicos: dentistas, bacharéis, médicos, hoteleiros, etc. A maioria faz-se passar por descendente de portugueses ou italianos, mas mantém nos seus ambientes privados o culto da língua romani, e os costumes tradicionais do seu povo.

 

Há um aspecto da cultura rom que conquistou o mundo de forma espectacular: a música e a dança.

 

Levaram-nas para países tão dispares como a Espanha e a Rússia, ouve interpenetração da música local com a dos novos povos, e hoje nós temos danças russas com “jeito” cigano e sobretudo o flamenco, resultado da mistura com a milenar tradição musical andaluza, uma das mais belas músicas da terra, um dos espectáculos, e música, que não há quem não aprecie e se impressione ao ver e ouvir as guitarras, as danças e os cantos, que são a voz da dor e da resistência, e se transformaram em obra de arte.

 

Se houvesse alguma dúvida sobre a origem indiana dos ciganos, dos roms, não era necessário mais do que ver as suas danças, maravilhosas, com aqueles movimentos das mãos, tipicamente indianos, que até passaram para o balé clássico. Nenhuma bailarina, mesmo dos balés de Paris ou São Petersburgo poderia dançar sem complementar a dança com a “mímica” das mãos. E nisso as danças indianas e o flamenco são imbatíveis.

 

FGA-ciganas.jpg

 Índia e Flamenco

 

FGA-russas.jpg

Duas bailarinas russas

 

Por hoje... chega. Vou ver uns bailados flamencos!

 

Já pensaram o quanto temos que agradecer aos roms?

 

07/04/2016

FGA-2OUT15.jpg

Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D