Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

ORTOGRÁFICO...OU ORTOBRONCO?

 

 

A crítica moderna confere a Machado de Assis o título de melhor escritor brasileiro de todos os tempos, e sua obra é vista como de fundamental importância para as universidades e a vida acadêmica em geral no país.

 

Agora, crânios obtusos do des-governo brasiliense querem “facilitar” a escrita do mestre!

 

Trocam-se palavras como “indivíduo” por “o cara”, “amigo” por “brô” e outras facilidades para a juventude... APRENDER e COMPREENDER a obra do Mestre!

 

Dá pra acreditar? Ler Machado de Assis, e porque não, em ritmo de funk? Que tal?

 

É evidente que é uma jogada dupla:

 

- primeiro imprimem-se milhares e milhares de livros a custo n3 permitindo dividir o excedente do custo normal pelo partido e pelo inúmeros bolsos ávidos de mais, mais, mais... além de se pagar uma violenta grana à genealidade do tradutora.

 

- depois para que a analfabetagem do des-governo consiga, mais ou menos, entender a língua portuguesa, já que no seio dos petralhas o dicionário é curto, só tem duas palavras: ROUBAR, ROUBAR MAIS.

 

Razão tem o ex-atual-presidente quando disse: “uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa”! Nem Séneca foi capaz de ir tão longe.

 

Como é consenso admitir que o “pai” da língua portuguesa foi Luis de Camões, sugiro também que se “facilite a sua leitura” à ignorância governativa, “traduzindo” para os cretinos, os cânticos de “Os Lusíadas”, mudando também o título para “Os ptíadas”, em edição exclusiva para as classes brasílicas mais desfavorecidas, para algo assim:

 

As armas dos barões* tão viciados

Que dos acidentados morros nos comandam

Por bairros nunca, jamais, dominados,

Ganharam muito além dos que governam

Em perigos e guerras aos políticosa ligados

Mais do que permitia a muita grana.

E entre gente perdida edificaram

Novas bocas** que nada lhes custaram.

E também as memórias desastrosas

Da canalha que os bolsos foram dilatando

Com Mensalão, Petrobras e outras mãos baixas generosas

Que nesta terra andaram devastando

São aqueles que por obras vergonhosas

Se vão das mãos da justiça libertando.

Cantarei e espalharei por toda a parte

Que os caras têm mesmo engenho e arte.

Cessem da dilminha e do lulano

As demagogias grandes que fizeram

Cale-se dirceuzinho e valeriano

A fama das roubalheiras que pilharam;

Que eu canto os peitos moles da fosteriana

Que a todos os babacas enganaram.

Cesse tudo o que a lula antiga canta

Que o Barbosa ético se alevanta.

 

* - Os barões, aqui, são “os barões das drogas”, os grandes traficantes;

** - Boca, no Brasil são os pontos de venda de drogas, “bocas de fumo”.

 

Também se deve prestar o mesmo tipo de homenagem ao imenso poeta que foi Gonçalves Dias que, se não morre a bordo e tem conseguido regressar ao Brasil, teria escrito o poema:

 

Minha terra tem ladroeiras
Cortando o canto ao sabiá.
As aves que aqui nos roubam

Roubam muito mais estando lá. *

Nosso céu tem tantas estrelas
Nossas garotas são com’as flores

Mas nas nossas florestas

Destroie-se que nem uns estupores

Em pensar, sozinho, à noite
Vejo tanta vergonha por cá!

Minha terra tem ladroeiras
Onde já nem canta o sabiá

Minha terra tem primores
Na farsa como só cá
Em pensar, sozinho, à noite
Vejo tanta vergonha por cá
Minha terra tem ladroeiras
Onde já nem canta o sabiá.

Não permita Deus que eu morra
Sem que os derrube já,
Sem que destrua os estupores,
Todos que se encontram cá,
Sem que acabem as ladroeiras
E logo cantem os sabiás.

 

* - Na governança

 

Vou mandar cópia deste aprofundado estudo a sua magestade a dona Elizabeth II para ela ordene a reescrita de Shakespeare para uma linguagem tipo cockney, e possivelmente para Espanha, França, Alemanha, Itália, etc., que, pelo progresso da cultura, devem seguir o sublime exemplo do país do “faz de conta” e facilitarem (nem sei o que isto quer dizer) a leitura de:

 

- de Shakespeare, em vez de Richard III chamar-se-ia Ricardo I o lewandowsky, (conhecido juiz defensor da canalha e orador eleito nos cãogressos comunistas);

 

- de Vítor Hugo, uma ligeira mudança para Os Miseráveis do des-governo;

 

- de Schiller, pouco muda também para A Ode à Alegria... dos ptralhas (e que se toque o último andamento da Nona Sinfonia de Beethoven em ritmo de samba enredo)

 

- de Dante, como O inferno já por aqui se instalou, alterar o Inferno... não. Isso não. Tem que manter as portas bem abertas para a canalha entrar e se divertir.

 

- sem esquecer Gabriel Garcia Marques e os seus 100 anos de Corrupção com especial ênfase e desenvolvimento para a última década.

 

Os estúpidos guerream barbaramente o talento; são os vândalos do mundo espiritual (Camilo Castelo Branco).

 

Miserere nobis. Amén.

 

Cópia para:

gabinetedoministro@mec.gov..br

maristela.rangel@cultura.gov.br

cgm@cultura.gov.br

 

 Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D